Medicamento contra o câncer pode estar ligado a aneurismas

Um número desproporcional de aneurismas e dissecções de artérias foi relatado entre pacientes com câncer em uso de drogas antiangiogênicas em um estudo de farmacovigilância envolvendo mais de 1,5 milhão de reações adversas a terapias contra o câncer.

A análise do banco de dados VigiBase da OMS revelou que dissecções de artérias ou aneurismas eram quase três vezes mais prováveis ​​de serem relatados com agentes antiangiogênicos em comparação com outros medicamentos contra o câncer, relatou Pernelle Noize, PharmD, PhD, do Hospital Universitário de Bordeaux na França, e colegas.

Entre quase 500 casos de dissecções de artérias ou aneurismas associados a esses agentes, 88,3% foram graves, sendo 24,3% fatais, 17,8% considerados fatais e 24,7% levando a ou prolongando a hospitalização, de acordo com os achados do JAMA Oncology.

“Estudos populacionais são necessários para confirmar e quantificar o risco potencial”, escreveu o grupo. “No entanto, os resultados deste estudo justificam o uso cauteloso de drogas antiangiogênicas, qualquer que seja seu mecanismo, entre indivíduos com risco de dissecção arterial ou aneurisma, conforme já aconselhado por agências canadenses e europeias”.

Noize e coautores observaram que “viés de notoriedade é improvável” neste cenário, uma vez que a associação entre medicamentos antiangiogênicos e dissecções de artérias ou aneurismas está amplamente ausente da literatura, com apenas alguns casos relatados até o momento.

“O bloqueio do fator de crescimento endotelial vascular pode produzir condições que favorecem dissecções de artérias ou aneurismas, notadamente hipertensão, por meio da inibição da síntese de óxido nítrico e da rarefação dos capilares do tecido”, escreveu o grupo.

Hipertensão foi relatada em 10,3% dos casos e em apenas 3,5% dos pacientes em uso de inibidores do alvo da rapamicina em mamíferos (mTOR).

Outros mecanismos, eles postularam, poderiam incluir “lesões da parede arterial através da alteração da matriz extracelular por (1) rarefação de vasa vasorum que alteram o suprimento de sangue da parede do vaso e podem iniciar ruptura aguda e (2) superexpressão de enzimas de degradação (isto é, elastina e colágeno) que pode enfraquecer a estrutura da matriz”, ou a indução do envelhecimento vascular com inibidores do fator de crescimento endotelial vascular (VEGF).

Detalhes do estudo

A análise da equipe de Noize capturou 1.521.231 eventos adversos com medicamentos contra o câncer relatados no VigiBase de 2005 a 2019, que incluiu 217.664 relatórios associados a agentes antiangiogênicos.

A idade média entre os 494 pacientes com dissecções de artéria ou aneurismas associados a agentes antiangiogênicos foi de 67 anos. Pouco mais da metade dos casos envolveu mulheres, e um pouco mais de um quarto dos pacientes também tomavam outros medicamentos que poderiam ter contribuído para dissecções de artérias ou aneurismas.

A maioria dos casos envolveu a aorta (42,1%) e artérias cerebrais (35,2%), com o restante envolvendo outras artérias ou não indicado de outra forma.

Quatorze agentes individuais da classe foram associados a dissecções de artérias ou aneurismas, incluindo os inibidores de VEGF bevacizumabe (Avastin) e ramucirumabe (Cyramza), os inibidores da tirosina quinase (TKIs) sunitinibe (Sutent), pazopanibe (Votrient), axitinibe (Inlyta), nintedanibe (Ofev) e lenvatinibe (Lenvima), o inibidor de multiquinase cabozantinib (Cometriq, Cabometyx), e o inibidor de mTOR everolimus (Afinitor). Vários desses agentes também foram associados a eventos específicos aórticos e cerebrais.

Os inibidores de VEGF foram os agentes antiangiogênicos mais comumente envolvidos (51,4%), seguidos por TKIs (35,8%) e inibidores de mTOR (11,5%). Para os agentes individuais, bevacizumabe (44,9%), sunitinibe (14,4%) e everolimo (11,1%) foram os mais frequentemente associados a esses eventos. O tempo médio de início foi de 89 dias (intervalo interquartil 27-212), onde os dados estavam disponíveis.

Os autores do estudo reconheceram que outros fatores de risco do paciente não capturados – tabagismo ou hipertensão não controlada, por exemplo – também podem ter contribuído para os eventos.

_______________________

O estudo original foi publicado no JAMA Oncology

* “Association Between Antiangiogenic Drugs Used for Cancer Treatment and Artery Dissections or Aneurysms” – 2021

Autores do estudo: Joris Guyon, PharmD, MSc, Amandine Gouverneur, PharmD, PhD, Sandy Maumus-Robert, PharmD, PhD, Xavier Bérard, MD, PhD, Antoine Pariente, MD, PhD, Andreas Bikfalvi, MD, PhD, Pernelle Noize, PharmD, PhD – 10.1001/jamaoncol.2021.0210

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.