Comprovado – Medicação para asma só funciona em 50% dos pacientes!

Uma nova pesquisa mostra que um tipo amplamente usado de medicação para a asma pode não funcionar em mais da metade dos pacientes que a prescrevem.

Nova pesquisa sobre medicação para asma

Os corticosteróides inalatórios, que são projetados para reduzir a inflamação das vias aéreas, são recomendados para todos os pacientes com asma persistente.

Mas a eficácia desta medicação pode ser limitada a um tipo de inflamação que ocorre em muito menos pacientes do que se pensava, de acordo com os pesquisadores.

Para o estudo, que foi financiado pelo Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue dos EUA, os pesquisadores compararam o uso de um esteróide inalado chamado mometasona (Nasonex) a um placebo em 295 pacientes com mais de 12 anos de idade com asma persistente leve.

Os pacientes foram agrupados de acordo com o nível de eosinófilos (Eos), um tipo de glóbulo branco, em sua fleuma. No total, 73% eram “Eos baixos” – cerca de 50% a mais do que os pesquisadores esperavam. Os 27% restantes foram “Eos Altos”.

Entre aqueles que eram Eos baixos, não houve diferença significativa na resposta à mometasona versus o placebo. E cerca de 66% se saíram melhor ou melhor com placebo, mostraram os resultados.

Os pacientes com Eos altos tiveram quase três vezes mais chances de responder ao esteroide inalado do que ao placebo (74% versus 26%), de acordo com o estudo publicado no último 19 de maio no New England Journal of Medicine.

Os pesquisadores também analisaram o uso de um medicamento chamado tiotrópio (Spiriva), que é prescrito junto com esteróides inalatórios. O tiotrópio relaxa os músculos que apertam as vias aéreas na asma.

Embora não houvesse evidências suficientes para concluir que os pacientes com prescrição de tiotrópio tendem a se sair melhor, os resultados sugeriram que as alternativas aos esteróides inalatórios devem ser estudadas ainda mais, disseram os pesquisadores.

medicação para a asma

“A mensagem para levar para casa é que muitos pacientes têm um padrão de inflamação que os torna menos propensos a responder aos esteróides inalados, os médicos devem considerar isso se os pacientes não estiverem respondendo, em vez de apenas aumentar a dose”, explicou ao 4Medic o primeiro autor do estudo, Dr. Stephen Lazarus. Ele é professor na divisão de medicina pulmonar e de cuidados críticos na Universidade da Califórnia, em São Francisco.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *