Tratamentos para pacientes com linfoma de Hodgkin clássico

O linfoma de Hodgkin clássico – uma neoplasia linfoide em que células malignas de Hodgkin/Reed-Sternberg são misturadas a uma população heterogênea de células inflamatórias não neoplásicas – é uma doença moderadamente rara, responsável por cerca de 15% de todos os linfomas.

As estratégias de poliquimioterapia e radioterapia de pequeno campo podem curar significativamente até 80% de todos os pacientes a longo prazo.

A quimioterapia em altas doses e o ASCT são o tratamento padrão estabelecido para pacientes que mostram progressão ou recidiva depois de atingir a remissão.

Até 60% dos pacientes estarão livres de progressão após o ASCT, dependendo dos fatores de risco ao começar a terapia de segunda linha, e até 80% dos pacientes podem alcançar sobrevida a longo prazo.

O prognóstico para o linfoma de Hodgkin clássico em estágio inicial melhorou drasticamente, levando a esforços para diminuir a morbidade e mortalidade relacionadas ao tratamento com quimioterapia e radioterapia de intensidade reduzida.

O estudo HD10 confirmou a não inferioridade do tratamento de intensidade reduzida em relação à sobrevida livre de progressão (PFS) e sobrevida global (SG). Contudo, o ensaio HD13 subsequente apresentou resultados inferiores com posterior redução do tratamento com a omissão de drogas quimioterápicas selecionadas.

Os dados agrupados dos dois ensaios mostraram que a quimioterapia convencional e a quimioterapia de alta dose mais ASCT direcionaram a um controle parecido da doença depois da primeira recidiva do linfoma de Hodgkin clássico favorável em estágio inicial, relatou Paul J. Bröckelmann, MD, do Hospital Universitário de Cologne, localizado na Alemanha, e colegas para o Journal of Clinical Oncology.

Os dados sobre as características da recidiva após o tratamento contemporâneo do linfoma de Hodgkin em estágio inicial são limitados.

Os autores do estudo declararam recentemente que recidiva tardia (mais de 5 anos) e doença recidivante em estágio limitado são observações comuns, recomendando um subgrupo favorável que pode ser adequado para terapias de segunda linha menos intensivas.

Características do estudo

Para analisar a questão, os autores revisaram os dados de pacientes com primeira recidiva do linfoma de Hodgkin clássico nos estudos HD10 e HD13, incluindo características de recidiva, padrões de tratamento e resultados subsequentes.

A análise contou com um total de 174 pacientes de ambos os ensaios combinados. A maior parte das recidivas ocorreu mais de 12 meses depois do diagnóstico e recorreram principalmente como doença em estágio I-II. Cerca de uma em cada quatro recaídas aconteceram após 5 anos, eles relataram.

Em 49% dos casos, os pacientes receberam quimioterapia na recaída, seguida por ASCT (41%), radioterapia (6%) e cuidados paliativos (2%). O regime BEACOPP (bleomicina, etoposídeo, doxorrubicina, ciclofosfamida, vincristina, procarbazina e prednisona) foi encarregado por 68,1% dos pacientes tratados com quimioterapia, seguido por ABVD (doxorrubicina, bleomicina, vinblastina e dacarbazina) em 19%.

Oito dos 41 pacientes com mais de 60 anos foram submetidos a ASCT e 33 (81%) receberam quimioterapia. Dos pacientes com 60 anos ou menos, 62 de 114 pacientes (54%) passaram pela ASCT.

Depois de realizar o ajuste para possíveis fatores de confusão, como idade e desvantagem histórica do ASCT, os autores localizaram PFS comparável à quimioterapia convencional versus ASCT. Esses dados foram confirmados por análises de sensibilidade.

Uma análise limitada ao estudo HD10 não expôs diferença significativa em PFS ou SG com quimioterapia versus ASCT para pacientes com 60 anos ou menos. Em comparação, os pacientes com mais de 60 anos tiveram um segundo PFS e SG significativamente menores e tiveram resultados piores com ASCT.

A análise do grupo de 60 e menos no HD13 confirmou os resultados, exibindo PFS e SG superiores em 2 anos entre os pacientes tratados com quimioterapia.

“Com taxas notáveis ​​de PFS e OS de 2 anos de 2 anos de 94,0% e 97,2%, respectivamente, [quimioterapia] pode constituir uma opção terapêutica razoável e alternativa potencial para ASCT em pacientes selecionados com recidiva após o tratamento inicial de [linfoma de Hodgkin em estágio inicial], especialmente no caso de contra-indicações para ASCT ou uma configuração de recursos limitados impedindo tais abordagens intensificadas”, disseram os pesquisadores.

Eles admitiram que os intervalos de confiança para essas estimativas eram amplos e a quantidade de pacientes avaliados era pequeno.

_____________________________

O estudo original foi publicado no Journal of Clinical Oncology

* “Relapse After Early-Stage, Favorable Hodgkin Lymphoma: Disease Characteristics and Outcomes With Conventional or High-Dose Chemotherapy” – 2020

Autores do estudo: Paul J. Bröckelmann, Horst Müller, Teresa Guhl, Karolin Behringer, Michael Fuchs, Alden A. Moccia, Andreas Rank, Martin Soekler, Tom Vieler, Thomas Pabst, Christian Baues, Bastian von Tresckow, Peter Borchmann, Andreas Engert – 10.1200/JCO.20.00947

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.