Tratamento da hipertensão assintomática pode ser arriscado

Um estudo observacional mostrou que o tratamento da hipertensão assintomática em pacientes admitidos por motivos não cardíacos foi associado a mais danos aos órgãos-alvo do que se fosse deixada.

Os pacientes tratados com anti-hipertensivos sofreram uma maior incidência de lesão renal aguda e lesão miocárdica subsequente em comparação com seus pare não tratados, de acordo com uma análise combinada de 4.520 pares de pacientes, relatou Michael Rothberg, MD, MPH, da Cleveland Clinic, e colegas.

“Os danos associados foram semelhantes para os tratamentos orais e IV e ocorreram nos intervalos da PAS [pressão arterial sistólica]. Não encontramos nenhum grupo de pacientes cujos resultados foram melhores com o tratamento”, relataram os autores em seu estudo publicado online no JAMA Internal Medicine.

“É tentador ‘consertar’ os picos de PA de um paciente quando ele está no hospital (porque você pode), e essa prática, tentação e até mesmo expectativa é crescente em quase todos os ambientes hospitalares. Nunca houve qualquer evidência de que é associado a melhores resultados; e, no caso de hipertensão, este estudo mostra que pode estar associado a danos a longo prazo”, disse John Bisognano, MD, PhD, do Centro Médico da Universidade de Rochester, em Nova York, que não participou do estudo.

“Este estudo fornece o suporte necessário para evitar o tratamento de níveis de PA de pacientes internados que normalmente levariam à intensificação da medicação em pacientes externos”, afirmou em um e-mail para o MedPage Today.

O tratamento agudo para hipertensão no ambiente hospitalar não era algo comum na Cleveland Clinic: mesmo com a prevalência de 78% das leituras de PA alta durante as admissões não cardíacas em 2017, somente 8,2% das leituras de PA sistólica levaram à administração de uma medicamento anti-hipertensivo IV ou uma nova classe de droga oral.

Os autores do estudo ressaltaram que foi “surpreendente” que até mesmo picos de pressão arterial sistólica de 220 mm Hg ou mais gerassem tratamento em apenas 47% dos casos.

“As taxas mais baixas de tratamento que observamos podem refletir evidências mais recentes sobre urgência hipertensiva no ambiente ambulatorial, melhor avaliação da labilidade da PA durante a doença aguda e reconhecimento crescente dos potenciais danos do tratamento IV. A falta de danos entre os pacientes não tratados parece apoiar esta abordagem conservadora”, segundo o grupo de Rothberg.

Os acidentes vasculares cerebrais aconteceram na mesma taxa de 0,1%, independentemente de a hipertensão ter sido tratada ou não durante a admissão, disseram os autores. As taxas de AVC pós-alta e IM em 30 dias também não tiveram diferenças entre os grupos.

Além disso, 9% das pessoas com intensificação da medicação anti-hipertensiva na alta não tiveram um controle melhor da PA no ano posterior.

Podem existir razões válidas para adicionar ou intensificar regimes de medicação no ambiente hospitalar, como no caso de colocar pacientes com insuficiência cardíaca em terapia médica orientada por diretrizes, relatou R. Neal Axon, MD, MSCR, da Universidade Médica da Carolina do Sul em Charleston.

“Com isso dito, também há muitos motivos válidos para diminuir ou reduzir os medicamentos no ambiente de internação, especialmente em idosos. A melhor abordagem em relação aos medicamentos para a BP, este artigo pode apoiar, é fazer o mínimo possível de mudanças”, Axon afirmou.

Bisognano ressaltou que o local para tratar a pressão alta no paciente assintomático é no ambiente ambulatorial com leituras devidamente realizadas.

Características do estudo

O estudo de coorte foi fundamentado em dados de prontuários eletrônicos do ano de 2017 em 10 hospitais da Cleveland Clinic.

Os investigadores contaram com 22.834 adultos (idade média de 65,6 anos, 56,9% mulheres, 69,9% brancos) admitidos em um serviço de medicina, fazendo a exclusão daqueles com diagnósticos cardiovasculares, como síndrome coronariana aguda e acidente vascular cerebral, que requerem controle específico da pressão arterial.

A PA sistólica de 140 mm Hg ou mais foi registrada pelo menos uma vez durante a admissão em 17.821 indivíduos.

Um terço desses pacientes internados foi submetido a tratamento de pressão arterial aguda por via oral ou IV.

Os pacientes tratados pendiam a ter um risco maior de acidente cardiovascular, eram mais velhos e tinham leituras de pressão arterial mais altas.

Não houve diferença que permaneceu entre os grupos de hipertensos após a correspondência do escore de propensão.

“Descobrimos que a maioria dos níveis elevados de PA sistólica caiu pelo menos 20 pontos na próxima medição. As medições de acompanhamento foram feitas mais cedo em pacientes que permaneceram sem tratamento, sugerindo que simplesmente repetir a PA 4 horas depois pode substituir o tratamento”, observaram os autores do estudo.

“As elevações da pressão arterial tendem a ser transitórias, e menos de 1 em cada 3 pacientes que tiveram sua medicação intensificada receberam alta com o novo regime. A pressão arterial sistólica média na alta foi inferior a 140 mm Hg em pacientes tratados e não tratados”, continuaram.

Uma restrição do estudo de coorte retrospectivo foi a exclusão da intensificação da dose entre pessoas que já faziam uso de medicamentos para pressão arterial. Consequentemente, o dano real do tratamento da PA para pacientes internados pode ser maior do que o que foi relatado no estudo, Rothberg e colaboradores concluíram.

Em todo caso, “mesmo que o tratamento da PA elevada no hospital não resulte em dano, não encontramos indícios de que tenha sido benéfico. Foi, na melhor das hipóteses, uma perda de tempo e recursos”, disseram.

Axon manifestou que ele recentemente se lamentou sobre este “problema cotidiano” com um colega que havia sido bipado quatro vezes em um dia por uma enfermeira que cuidava de um paciente com hipertensão assintomática.

“Sei que não preciso tratar disso, mas essas páginas só estão me desgastando”, recordou a reclamação do colega.

_____________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Internal Medicine

* “Treatment and Outcomes of Inpatient Hypertension Among Adults With Noncardiac Admissions” – 2020

Autores do estudo: Radhika Rastogi, Megan M. Sheehan, Bo Hu, Victoria Shaker, Lisa Kojima, Michael B. Rothberg – 10.1001/jamainternmed.2020.7501

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.