Radioterapia corporal estereotáxica paliativa para câncer metastático

Duas doses de radioterapia corporal estereotáxica paliativa (stereotactic body radiotherapy [SBRT]) foram mais propensas a eliminar completamente a dor na coluna em pacientes com câncer metastático em comparação com a radioterapia convencional (conventional radiotherapy [CRT]), descobriu um ensaio clínico de fase II/III.

No estudo de mais de 200 pacientes com lesões dolorosas na coluna, a resposta completa à dor em 3 meses foi significativamente melhorada em pacientes que receberam SBRT em comparação com os controles, que foi mantida em 6 meses, relatou Arjun Sahgal, MD, do Sunnybrook Odette Cancer Centre em Toronto.

“Este é o primeiro estudo randomizado de fase III que mostra que o aumento da dose com técnicas modernas de radioterapia melhora os resultados da dor para pacientes com metástases espinhais”, disse ele em uma coletiva de imprensa durante o encontro anual virtual da American Society for Radiation Oncology (ASTRO). “Nosso regime de 24 Gy em duas frações SBRT foi seguro, não desestabilizante e associado a uma melhor percepção financeira do paciente.”

Na análise multivariada que ajustou para idade, sexo, tipo de tumor, pontuação basal de neoplasia de instabilidade espinhal (spinal instability neoplasia score [SINS]), status de desempenho e pontuação basal de dor, SBRT foi significativamente associada a uma maior probabilidade de resposta completa à dor em 3 meses e novamente em 6 meses.

Ambos os grupos viram uma queda “favorável” na média total de SINS em 3 meses. Essas pontuações foram quase idênticas em 6 meses .

Como o estudo foi conduzido e conclusão dos autores

De 2016 a 2019, o estudo de fase II/III do Canadian Cancer Trials Group (CCTG) e do Trans Tasman Radiation Oncology Group (TROG) randomizou 229 pacientes com metástases dolorosas na coluna vertebral 1:1 para SBRT (24 Gy em duas frações) ou radioterapia paliativa padrão (20 Gy em cinco frações).

A idade média dos pacientes era de 63 e 65 anos, respectivamente. Foram permitidos até três segmentos espinhais contíguos no volume de tratamento de radiação.

“Houve alguma controvérsia sobre isso, e isso é o que considero um estudo de mudança de prática”, disse a moderadora do comunicado de imprensa Sue Yom, MD, da Universidade da Califórnia em San Francisco.

“O que acho realmente fascinante neste estudo é que nas pesquisas de qualidade de vida que foram preenchidas pelos pacientes, a percepção financeira daqueles que receberam SBRT foi superior, isso indica que mesmo uma diferença entre dois tratamentos e cinco tratamentos era uma diferença real quantificável”, disse ela.

Os pacientes no grupo SBRT observaram melhora na qualidade de vida orientada para o financeiro no EORTC QLQ-C30 em 1 mês (35% vs 23%) e eram menos propensos a relatar piora.

“Ser capaz de fazer menos tratamentos é significativo para os pacientes e é um reforço adicional para a importância deste estudo”, disse Yom.

Os critérios de inclusão foram escores de dor de pelo menos 2 no Brief Pain Inventory, um status de desempenho do Eastern Cooperative Oncology Group de 0-2 e lesões que não eram mecanicamente instáveis ​​no SINS.

O endpoint primário do estudo foi a resposta completa à dor de 3 meses. Na avaliação de 3 meses, 35% dos pacientes no braço SBRT tiveram uma resposta completa à dor, 18% tiveram uma resposta parcial à dor e 24% não tiveram nenhuma mudança em sua dor. No braço de controle, essas taxas foram de 14%, 25% e 30%, respectivamente.

Na avaliação de 6 meses, 32% dos pacientes no braço SBRT tiveram uma resposta completa, 16% tiveram uma resposta parcial e 27% não tiveram nenhuma alteração. No braço de controle, essas taxas foram de 16%, 9% e 23%, respectivamente.

Para o controle da doença, 92% dos pacientes no grupo SBRT não apresentaram evidência de doença no local tratado em 3 meses, em comparação com 86% dos controles, um achado não significativo. As taxas em 6 meses também foram semelhantes (75% vs 69%, respectivamente). A sobrevida geral não foi diferente entre os dois braços.

Eventos adversos de grau ≥2 foram raros nos grupos SBRT versus CRT e incluíram disfagia (2% vs 0%, respectivamente), esofagite (4% vs 2%), náuseas (1% vs 3%), dor (6% vs 8%), fadiga (0% vs 1%) e fratura por compressão vertebral (1% em cada).

Fratura por compressão vertebral de qualquer grau ocorreu em 11% dos pacientes no grupo SBRT e 17% dos controles. Nenhuma morte relacionada ao tratamento ocorreu.

____________________________

O estudo original foi publicado no American Society for Radiation Oncology

* “CCTG SC.24/TROG 17.06: A randomized phase II/III study comparing 24 Gy in 2 stereotactic body radiotherapy (SBRT) fractions versus 20 Gy in 5 conventional palliative radiotherapy (CRT) fractions for patients with painful spinal metastases” – 2020

Autores do estudo: Sahgal A, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.