Nova terapia pode interromper convulsões após lesão cerebral traumática!

Pesquisadores da Universidade da Califórnia Irvine, desenvolveram uma terapia celular inovadora para melhorar a memória e prevenir convulsões em camundongos após lesão cerebral traumática.

Lesões cerebrais traumáticas afetam milhões de pessoas a cada ano e causam morte e inflamação celular no cérebro. Pessoas que sofrem de uma lesão na cabeça geralmente sofrem perda de memória ao longo da vida e podem desenvolver epilepsia.

A lesão cerebral traumática

No estudo, a equipe da Universidade da Califórnia Irvine (UCI) transplantou células progenitoras embrionárias capazes de gerar interneurônios inibitórios, um tipo específico de célula nervosa que controla a atividade dos circuitos cerebrais, no cérebro de camundongos com lesão cerebral traumática. Eles tiveram como alvo o hipocampo, uma região do cérebro responsável pela aprendizagem e memória.

Os pesquisadores descobriram que os neurônios transplantados migraram para a lesão, onde formaram novas conexões com as células cerebrais lesionadas e prosperaram a longo prazo. Dentro de um mês após o tratamento, os camundongos mostraram sinais de melhora da memória, como serem capazes de distinguir a diferença entre uma caixa em que tiveram uma experiência desagradável e uma em que não tiveram.

Os transplantes de células também impediram os camundongos de desenvolver epilepsia, que afetou mais da metade dos camundongos que não foram tratados com novos interneurônios.

“Os neurônios inibitórios estão criticamente envolvidos em muitos aspectos da memória e são extremamente vulneráveis ​​à morte após uma lesão cerebral. Embora não possamos impedir que interneurônios morram, foi emocionante descobrir que podemos substituí-los e reconstruir seus circuitos”, disse Robert Hunt, Professor de Anatomia e Neurobiologia da Escola de Medicina da UCI, que liderou o estudo.

Este foi um avanço emocionante para os pesquisadores. “A ideia de recuperar os neurônios que morrem após uma lesão cerebral traumática é algo que os neurocientistas tentam fazer há muito tempo. Mas, muitas vezes, as células transplantadas não sobrevivem ou não conseguem migrar ou se transformar em neurônios funcionais”, disse Hunt.

Nova terapia pode interromper convulsões após lesão cerebral traumática
Neurônios inibitórios transplantados (verdes) incorporados com sucesso no hipocampo de um camundongo com lesão cerebral traumática. Crédito: Faculdade de Medicina da UCI.

Para testar suas observações, Hunt e sua equipe silenciaram os neurônios transplantados com uma droga, o que causou o retorno dos problemas de memória.

“Foi emocionante ver os problemas de memória dos animais voltarem depois que silenciamos as células transplantadas, porque mostrou que os novos neurônios realmente eram o motivo da melhora da memória”, disse Bingyao Zhu, um dos autores do estudo.

Atualmente, não existem tratamentos para pessoas que sofrem de um ferimento na cabeça. Se os resultados em camundongos puderem ser replicados em seres humanos, isso poderá ter um tremendo impacto para os pacientes. O próximo passo é criar interneurônios a partir de células-tronco humanas.

 

___________________

O estudo, foi publicado na revista Nature (Nature Communications).

* “Transplanted interneurons improve memory precision after traumatic brain injury, Nature Communications”- Artigo 5156 – 2019.

Bingyao Zhu, Jisu Eom & Robert F. Hunt – s41467-019-13170-w

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.