Endarterectomia carotídea pode reduzir os riscos de AVC

Os acidentes vasculares cerebrais causam invalidez e morte a longo prazo. As chances de morrer no primeiro derrame são de 15% a 35% e aumentam para 69% nos derrames subsequentes, que costumam ocorrer dentro de um ano após o primeiro ataque.

A endarterectomia carotídea pode reduzir o risco de AVC subsequente ou recorrente, mas traz o risco de complicações imediatamente antes, após e durante a operação, incluindo AVC incapacitante e morte. Existe um risco de 7% de acidente vascular cerebral e morte dentro de 30 dias após a endarterectomia.

Questão principal da revisão

Quais são os benefícios da remoção cirúrgica dos depósitos de gordura e coágulos de sangue de dentro da parede da artéria carótida (endarterectomia carotídea) para pessoas que recentemente (dentro de quatro a seis meses) apresentaram sintomas devido à estenose carotídea (estreitamento da artéria que fornece sangue para o cérebro)?

Objetivo da revisão

Determinar o equilíbrio do benefício versus risco da endarterectomia mais o melhor tratamento médico em comparação com o melhor tratamento médico sozinho, em pessoas com estenose carotídea sintomática recente (isto é, ataque isquêmico transitório (AIT) ou AVC não incapacitante).

Critério de seleção

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados (RCTs) comparando a cirurgia da artéria carótida mais o melhor tratamento médico com o melhor tratamento médico sozinho.

Coleta e análise de dados

Dois revisores selecionaram estudos independentemente, avaliaram o risco de viés e extraíram os dados. A equipe avaliou os resultados e a qualidade das evidências dos desfechos primários e secundários pelo método GRADE, que classifica a qualidade das evidências em alta, moderada, baixa ou muito baixa.

Características do estudo

A revisão identificou três ensaios clínicos randomizados (6343 participantes randomizados), que compararam a cirurgia carotídea (ou seja, melhor terapia médica mais cirurgia versus melhor terapia médica sozinha) em participantes com estenose carotídea e ataques isquêmicos transitórios recentes (TIA), ou menor derrames isquêmicos no território dessa artéria.

Os testes foram realizados em centros na Europa, EUA, Canadá, Israel, África do Sul e Austrália. A proporção de gênero dos participantes foi de 2,6: 1 (72% homens e 28% mulheres); 90% dos participantes tinham menos de 75 anos.

Os resultados dos três ensaios foram inicialmente conflitantes, porque diferiam na forma como mediam a estenose carotídea e como definiam os resultados. Para resolver essa discrepância, os autores reavaliaram os dados originais do paciente usando os mesmos métodos e definições, para que os resultados pudessem ser comparados.

Resultados principais

Foram incluídos três estudos envolvendo 6343 participantes. Eles diferiram nos métodos de medição da estenose carotídea e na definição de acidente vascular cerebral.

Usando os arquivos de dados eletrônicos primários, a equipe reuniu e analisou dados de pacientes individuais em 6.092 participantes (35.000 pacientes-anos de acompanhamento), depois de reavaliar os angiogramas carotídeos e os resultados de todos os três estudos e redefinir os eventos de resultado, quando necessário, para alcançar a comparabilidade .

A cirurgia aumentou o risco de cinco anos de qualquer acidente vascular cerebral ou morte operatória em participantes com menos de 30% de estenose.

A cirurgia diminuiu o risco de cinco anos de qualquer acidente vascular cerebral ou morte operatória em participantes com estenose de 30% a 49%, foi benéfica em participantes com estenose de 50% a 69% e foi altamente benéfica em participantes com estenose de 70% a 99% sem quase oclusão.

No entanto, a cirurgia diminuiu o risco de cinco anos de qualquer acidente vascular cerebral ou morte operatória em participantes com quase oclusão.

Qualidade da evidência

A evidência foi de qualidade moderada ou alta para todos os resultados. Portanto, pode-se estar moderadamente ou muito confiantes nos resultados.

Pontos chave da revisão

A endarterectomia carotídea reduziu o risco de novos acidentes vasculares cerebrais em pessoas com estenose significativa.

Os resultados foram particularmente impressionantes para pessoas mais velhas, participantes do sexo masculino, aqueles com estenose significativa (70% a 99%) e aqueles que foram operados dentro de duas semanas de seu AIT ou acidente vascular cerebral.

A endarterectomia pode ser benéfica para participantes com estenose de 50% a 69%. Não foi encontrado nenhum benefício da cirurgia carotídea para aqueles em que a estenose era menor (menos de 50%) ou onde a artéria carótida estava quase bloqueada (perto da oclusão).

Conclusão dos autores

A endarterectomia carotídea reduziu o risco de acidente vascular cerebral recorrente para pessoas com estenose significativa.

A endarterectomia pode ser benéfica para participantes com 50% a 69% de estenose sintomática (evidência de qualidade moderada) e altamente benéfica para aqueles com estenose de 70% a 99% (evidência de qualidade moderada).

__________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Carotid endarterectomy for symptomatic carotid stenosis” – 2020

Autores do estudo: Rerkasem A, Orrapin S, Howard DPJ, Rerkasem K – 10.1002/14651858.CD001081.pub4

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.