Bactérias boas são transferidas do leite materno para o intestino do bebê!

Um novo estudo de pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica e da Universidade de Manitoba descobriu que as bactérias são compartilhadas e possivelmente transferidas do leite da mãe para o intestino do bebê, e que a amamentação diretamente no seio apoia melhor esse processo.

Um estudo mais detalhado sobre o intestino do Bebê

A pesquisa descobriu que certas bactérias, incluindo Streptococcus e Veillonella, co-ocorrem no leite das mães e nas fezes de seus bebês, e essa co-ocorrência é maior quando os bebês amamentam diretamente no seio.

“Nosso estudo confirma que o leite materno é um dos principais impulsionadores do desenvolvimento da microbiota intestinal infantil. Descobrimos que a exclusividade e a duração da amamentação estavam fortemente associadas à composição geral da microbiota intestinal de um bebê e que as bactérias do leite materno moldam o microbioma intestinal de um bebê em um grau semelhante ao de outros modificadores conhecidos da microbiota intestinal, como o modo de nascimento – ou seja, uma cesariana ou parto vaginal”, disse o co-autor sênior do estudo, Dr. Stuart Turvey, professor do departamento de pediatria da UBC e pesquisador do Hospital Infantil BC.

De acordo com os pesquisadores, este é o primeiro estudo a avaliar a associação de várias práticas de alimentação do leite materno (modo, exclusividade e duração), bactérias do leite e componentes do leite com a composição da microbiota intestinal infantil em vários momentos no primeiro ano do bebê.

Os pesquisadores analisaram o microbioma das fezes dos bebês e o leite materno de suas mães usando o sequenciamento 16S rRNA, uma técnica usada para identificar, classificar e determinar a abundância de micróbios.

Os 1.249 pares mãe-bebê envolvidos na pesquisa estão participando do CHILD Cohort Study (CHILD), um estudo de coorte de nascimento líder mundial em pesquisas sobre saúde materna, neonatal e infantil. Os resultados são baseados em pesquisas anteriores, que mostraram que o bombeamento do leite está associado a diferenças na composição da microbiota do leite e na saúde do bebê.

Bactérias são transferidas do leite materno para o intestino do bebê

“Exclusivamente, nosso estudo mostrou que, embora o leite materno e o intestino do bebê tenham composições distintas de microbiota, existem algumas bactérias comumente compartilhadas que foram mais prevalentes e abundantes no leite materno de mães que apenas amamentaram diretamente no peito, enquanto outras bactérias mostraram doses associações dependentes com a amamentação exclusiva”, disse o co-autor sênior do estudo, Brett Finlay, professor dos departamentos de bioquímica e biologia molecular e microbiologia e imunologia da UBC.

“Esses resultados avançam na hipótese de que o leite materno pode atuar como uma incubadora que enriquece, protege e transporta certas bactérias para o trato intestinal do bebê, e isso pode nos dar pistas sobre quais bactérias poderiam produzir bons probióticos, pois parecem resistir à viagem para o bebê”, concluiu Finlay.

 

____________________________

Os resultados do estudo foi publicada no periódico Cell Host & Microbe da revista Science.

* “Breastmilk Feeding Practices Are Associated with the Co-Occurrence of Bacteria in Mothers’ Milk and the Infant Gut: the CHILD Cohort Study” – 2020.

Autores do estudo: Kelsey Fehr, Shirin Moossavi, Hind Sbihi, Rozlyn C.T.Boutin, Lars Bode, Bianca Robertson, Chloe Yonemitsu, Catherine J. Field, Allan B. Becker, Piushkumar J. Mandhane, Malcolm R. Sears, Ehsan Khafipour, Theo J. Moraes, Padmaja Subbarao, B. Brett Finlay, Stuart E. Turvey, Meghan B. Azad – 10.1016/j.chom.2020.06.009

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.