Cientistas encontraram um caminho para aumentar a vida humana!

Cientistas da Faculdade de Letras, Artes e Ciências da USC Dornsife podem ter encontrado o início de um caminho para aumentar a expectativa de vida humana.

A pesquisa mostra que a droga mifepristone pode prolongar a vida de duas espécies muito diferentes usadas em estudos de laboratório, sugerindo que os resultados podem se aplicar a outras espécies, incluindo seres humanos.

Combater o desgaste causado pelos homens

Estudando um dos modelos de laboratório mais comuns usados ​​na pesquisa genética – a mosca da fruta Drosophila – John Tower, professor de ciências biológicas, e sua equipe descobriram que a droga mifepristone prolonga a vida de moscas fêmeas que se acasalaram.

O mifepristone, também conhecido como RU-486, é usado pelos médicos para terminar a gravidez precoce, bem como para tratar o câncer e a doença de Cushing.

Durante o acasalamento, as moscas da fruta recebem uma molécula chamada peptídeo sexual do macho. Pesquisas anteriores mostraram que o peptídeo sexual causa inflamação e reduz a saúde e a vida útil das moscas fêmeas.

Tower e sua equipe, incluindo o pesquisador sênior Gary Landis, pesquisador principal do estudo, descobriram que alimentar o mifepristone com as moscas da fruta que se acasalam bloqueia os efeitos do peptídeo sexual, reduzindo a inflamação e mantendo a mosca feminina mais saudável, levando a uma vida útil mais longa do que seus colegas que não receberam o medicamento.

Os efeitos da droga na Drosophila parecem semelhantes aos observados nas mulheres que a tomam.

“Na hora, o mifepristone diminui a reprodução, altera a resposta imune inata e aumenta a vida útil. No humano, sabemos que o mifepristone diminui a reprodução e altera a resposta imune inata, por isso também pode aumentar a expectativa de vida”, explicou Tower.

Superando efeitos hormonais juvenis

Buscando uma melhor compreensão de como o mifepristone trabalha para aumentar a vida útil, Tower e sua equipe analisaram os genes, moléculas e processos metabólicos que mudavam quando as moscas consumiam a droga. Eles descobriram que uma molécula chamada hormônio juvenil desempenha um papel central.

O hormônio juvenil regula o desenvolvimento das moscas da fruta durante toda a vida, do ovo às larvas e ao adulto.

O peptídeo sexual parece aumentar os efeitos do hormônio juvenil, mudando o metabolismo das moscas acasaladas de processos mais saudáveis ​​para caminhos metabólicos que exigem mais energia para manter. Além disso, a mudança metabólica promove inflamação prejudicial e parece tornar as moscas mais sensíveis às moléculas tóxicas produzidas por bactérias em seu microbioma. O Mifepristone muda tudo isso.

“Quando as moscas acasaladas ingeriram a droga, seu metabolismo permaneceu nos caminhos mais saudáveis ​​e eles viveram mais do que suas irmãs acasaladas que não receberam mifepristona. Notavelmente, essas vias metabólicas são conservadas em seres humanos e estão associadas à saúde e longevidade”, disse Tower.

Expectativa de vida humana – uma esperança?

Em um primeiro momento científico, Tower e colaboradores Chia-An Yen e Sean Curran, especialistas em gerontologia e ciências biológicas da USC Leonard Davis School of Gerontology e USC Dornsife College, também deram o mifepristone a outro modelo comum de laboratório, uma pequena lombriga chamada C. elegans. Eles descobriram que a droga teve o mesmo efeito de prolongar a vida no verme acasalado.

Como as frutas de Drosophila voam e os vermes de C. elegans ficam em galhos relativamente distantes da árvore evolutiva, Tower acredita que resultados semelhantes em espécies tão diferentes sugerem que outros organismos, incluindo humanos, podem ter benefícios comparáveis ​​à vida útil.

Pesquisadores encontraram um caminho para aumentar a vida humana

“Em termos de evolução, Drosophila e C. elegans estão tão distantes umas das outras quanto as dos humanos, e o fato de o mifepristone poder aumentar a vida útil de ambas as espécies sugere que o mecanismo é importante para muitas espécies”, disse Tower.

Tower enfatiza que é necessária uma compreensão mais clara dos meandros das ações do mifepristone antes de tirar conclusões firmes.

“Nossos dados mostram que em Drosophila, o mifepristone neutraliza direta ou indiretamente a sinalização hormonal juvenil, mas o alvo exato do mifepristone permanece indescritívelRevelar esse alvo pode fornecer aos cientistas uma visão crítica necessária para prolongar a vida humana”, concluiu Tower.

 

______________________________

O estudo completo foi publicado no Journal of Gerontology: Biological Sciences.

* “Metabolic Signatures of Life Span Regulated by Mating, Sex Peptide and Mifepristone/RU486 in Female Drosophila melanogaster” – 2020.

Autores do estudo: Gary N Landis, Devon V Doherty, Chia-An Yen, Lu Wang, Yang Fan, Ina Wang, Jonah Vroegop, Tianyi Wang, Jimmy Wu, Palak Patel, Shinwoo Lee, Mina Abdelmesieh, Jie Shen, Daniel E L Promislow, Sean P Curran, John Tower – 10.1093/gerona/glaa164

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.