Casos de síndrome de abstinência neonatal aumentaram nos últimos anos

Segundo um estudo transversal, a síndrome de abstinência neonatal e os distúrbios de opioides entre as mães continuaram a aumentar durante a última década.

De 2010 a 2017, a estimativa da taxa nacional de síndrome de abstinência neonatal aumentou 3,3 por 1.000 hospitalizações de parto (de 4,0 para 7,3), com um crescimento relativo de 82%, disse Ashley Hirai, PhD, da Administração de Recursos e Serviços de Saúde em Rockville, Maryland e colegas.

Os diagnósticos maternos relacionados aos opioides também apresentaram tendência de alta, com o risco relativo aumentando em 131%, relataram pesquisadores no JAMA.

Os autores descobriram que as taxas de ambas as métricas variaram amplamente por estado, sugerindo que avaliar a eficácia das iniciativas de opioides estaduais destinadas a reduzir a dependência e o uso indevido pode ser um próximo passo importante para a pesquisa.

“Este problema continua afetando mães e bebês”, disse Hirai ao MedPage Today. Ela acrescentou que o aumento contínuo dos distúrbios opioides maternos e da síndrome de abstinência neonatal ocorreu em quase todos os estados e grupos demográficos.

“Eu acho que a variação substancial do estado ressalta a importância dos programas estaduais de saúde pública para ajudar a prevenir o uso desnecessário de opioides e para identificar e tratar transtornos por uso de substâncias antes, durante e depois da gravidez”, disse Hirai.

Ela observou que as iniciativas de melhoria da qualidade, como a Alliance for Innovation in Maternal Health, podem ser eficazes na padronização do atendimento para pacientes grávidas e no pós-parto com transtorno do uso de opioides.

Courtney Townsel, MD, especialista em medicina materno-fetal da Universidade de Michigan em Ann Arbor, afirmou que é preocupante observar esses crescimentos relativos, dado o tempo e esforço que os especialistas em saúde pública dedicaram à diminuição dos hábitos de prescrição de opioides.

“Certamente, não é o declínio acentuado para o qual esperamos que nossos esforços tenham contribuído neste momento”, disse Townsel, que não esteve envolvido no estudo, ao MedPage Today. Ela acrescentou que as variações estaduais nessas taxas devem informar onde e como os recursos são alocados para cuidar dessa população.

O grupo de Hirai teve como objetivo atualizar as estimativas nacionais e estaduais de abstinência neonatal e transtornos de opioides maternos, usando os dados mais recentes de 2017. Eles também exploraram as mudanças no tempo de internação hospitalar e custos associados.

Características do estudo

Os autores realizaram uma análise transversal repetida entre 2010 e 2017. Eles usaram dados do Healthcare Cost and Utilization Project National Patient Sample, um banco de dados de todos os pagadores proveniente de hospitais comunitários que não são de reabilitação. Dados em nível estadual estavam disponíveis para 47 estados e o Distrito de Columbia.

Os pesquisadores identificaram taxas de síndrome de abstinência neonatal apenas em hospitalizações de parto, para evitar duplicatas que foram diagnosticadas em outras visitas ao hospital. Eles calcularam os diagnósticos maternos relacionados aos opioides, identificando a dependência ou abuso de opioides diagnosticados no parto.

Em 2017, houve aproximadamente 751.000 hospitalizações de parto e 748.000 hospitalizações de parto que foram registradas no estudo. Cerca de 5.300 bebês foram diagnosticados com síndrome de abstinência neonatal, e mais de 6.000 mães tinham um transtorno relacionado aos opioides. A idade gestacional média foi em torno de 38 semanas, e a idade materna média foi de 29.

Bebês com diagnóstico de síndrome de abstinência neonatal possuíam maior probabilidade de ser brancos não hispânicos, cobrados pelo Medicaid, viver em áreas com o nível de renda mais baixo e viver em áreas rurais. Mães com diagnósticos relacionados a opioides provavelmente apresentavam características semelhantes.

De 2010 a 2017, o aumento do risco absoluto de síndrome de abstinência neonatal foi de 3,3 por 1.000 hospitalizações de parto. Os diagnósticos maternos relacionados aos opioides aumentaram 4,6 por 1.000 hospitalizações durante o parto.

Durante o período de estudo, as taxas de síndrome de abstinência neonatal e diagnósticos relacionados a opioides maternos aumentaram em todos os estados, exceto Vermont e Nebraska, que só viram aumentos nas taxas maternas.

Hirai e colegas perceberam que eles podem ter subestimado as taxas de síndrome de abstinência neonatal ao restringir as análises às hospitalizações de parto, e que os dados de alta hospitalar usados ​​para estimar o diagnóstico materno têm sensibilidade limitada.

Eles acrescentaram que as estimativas de custo são provavelmente conservadoras, e os diagnósticos maternos relacionados aos opioides podem ser complicados por mudanças no sistema de codificação do CID.

Townsel disse que o estudo é um lembrete aos médicos de que o uso indevido de opioides na gravidez ainda é um problema, e recomendou aderir aos protocolos de prescrição e trabalhar com os pacientes para determinar os medicamentos certos para suas necessidades.

“Os ginecologistas precisam saber que este é um problema contínuo e persistente”, disse Townsel. “Precisamos continuar a educar nossos pacientes sobre isso e continuar a nos educar sobre isso.”

___________________________

O estudo original foi publicado no JAMA

* “Neonatal Abstinence Syndrome and Maternal Opioid-Related Diagnoses in the US, 2010-2017” – 2021

Autores do estudo: Ashley H. Hirai, Jean Y. Ko, Pamela L. Owens, Carol Stocks, Stephen W. Patrick – 10.1001/jama.2020.24991

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.