Nova maneira potencial de diagnosticar a infertilidade masculina!

Pode levar um ano ou mais de tentativa e erro para um médico determinar a infertilidade masculina, mas novas pesquisas de Michael Skinner, biólogo da Universidade Estadual de Washington, podem mudar isso. Ele e sua equipe descobriram que homens inférteis têm padrões identificáveis ​​de moléculas epigenéticas ou biomarcadores ligados ao DNA de esperma que não estão presentes em homens férteis.

Os cientistas também identificaram biomarcadores epigenéticos entre pacientes inférteis que responderam à terapia hormonal para tratar sua condição versus aqueles que não o fizeram. Sua pesquisa poderia eventualmente fornecer aos médicos um método confiável de rastrear os homens em busca de infertilidade e descobrir quais opções de tratamento funcionarão melhor para seus pacientes.

Isso, por sua vez, pode salvar casais, onde o homem é incapaz de ter filhos naturalmente, o longo período de tempo que normalmente leva para que um médico recomende que eles procurem um especialista em reprodução medicamente assistida.

Atualmente, o método principal para diagnosticar a infertilidade masculina é avaliar a quantidade e a motilidade espermática, que tem tido historicamente um sucesso limitado na separação de homens férteis e inférteis. Skinner e seus colaboradores publicaram um estudo sobre sua nova abordagem diagnóstica hoje no Scientific Reports .

“A infertilidade masculina está aumentando em todo o mundo e é reconhecida como tendo um papel fundamental na saúde e nas doenças reprodutivas. Ter um diagnóstico que lhe diga imediatamente que seu paciente é infértil e aqui estão as opções de tratamento que funcionarão para ele seria imensamente útil”, firmou Skinner.

Novo metodo potencial de diagnosticar a infertilidade masculinaCerca de 20% dos homens que precisam de fertilização invitro para ter filhos terão problemas de infertilidade, onde a causa é desconhecida. Esses homens geralmente são submetidos a um regime para tentar ter um filho com seu parceiro por um ano ou mais antes de serem recomendados para fertilização in vitro.

Skinner e seus colaboradores queriam ver se poderiam chegar a um diagnóstico para se livrar desse período de incerteza. Os cientistas sabiam de pesquisas anteriores que havia uma possível ligação entre a infertilidade masculina e alterações em grupos de moléculas de metila presas ao DNA do esperma que regulam o funcionamento de certos genes.

Eles usaram técnicas avançadas de análise molecular para ver se podiam identificar com segurança essas alterações, ou biomarcadores, nos grupos metil anexados ao DNA espermático de homens férteis e inférteis que concordaram em participar de um estudo.

Eles descobriram que todos os homens inférteis no estudo possuíam um biomarcador específico que os homens férteis não. Os cientistas também identificaram outro biomarcador entre os pacientes inférteis que poderiam ser usados ​​para determinar quem responderia ao tratamento com terapia hormonal.

Os pesquisadores estão atualmente no processo de montar um ensaio clínico muito maior para testar seu diagnóstico de infertilidade masculina para uma possível comercialização.

Ainda em estágio inicial de desenvolvimento, Skinner e seus colegas mostram pela primeira vez que diagnósticos baseados em modificações externas ao DNA, ou epigenética, podem ser usados ​​para determinar a presença de uma doença e a capacidade de tratá-la.

A longo prazo, suas pesquisas podem ter não apenas implicações importantes para o tratamento da infertilidade masculina, mas também para uma grande variedade de outras doenças.

 

______________________

Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Nture (Scientific Reports0

* “Sperm DNA Methylation Epimutation Biomarkers for Male Infertility and FSH Therapeutic Responsiveness” – Artigo 16786 – 2019.

Saturnino Luján, Ettore Caroppo, Craig Niederberger, Joan-Carles Arce, Ingrid Sadler-Riggleman, Daniel Beck, Eric Nilsson & Michael K. Skinne – s41598-019-52903-1

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.