Eficácia das terapias adjuvantes para meningite bacteriana aguda

A meningite bacteriana aguda é uma infecção das membranas protetoras que circundam o cérebro, conhecidas como meninges. A meningite causa inflamação e danos ao tecido cerebral, levando à morte em 7% a 50% dos casos.

Os sobreviventes costumam ter sequelas neurológicas (sintomas neurológicos que persistem após a cura da infecção, como perda auditiva, deficiência física (deficiência), problemas localizados (déficits neurológicos focais ou perda da função normal do cérebro, medula espinhal ou nervos que é localizada a uma área específica do corpo), convulsões e comprometimento cognitivo, que muitas vezes levam a dificuldades de aprendizagem em crianças e problemas de retorno ao trabalho em adultos) que podem durar de semanas a anos.

A meningite bacteriana é tratada com antibióticos como terapia primária, sendo os corticosteroides a única terapia adjuvante recomendada que demonstrou melhorar os resultados. Os autores queriam descobrir se o uso de terapias adjuvantes além dos corticosteroides é melhor ou pior do que o tratamento padrão sozinho ou com placebo em pessoas com meningite bacteriana aguda.

Revisão da pergunta

A equipe queria descobrir se as terapias adjuvantes (terapias usadas em adição aos métodos de tratamento padrão) que não os corticosteroides (um tipo de medicamento anti-inflamatório) são melhores ou piores do que o tratamento padrão (antibióticos, usados ​​com ou sem corticosteroides) isoladamente ou com um placebo (tratamento simulado) no tratamento de pessoas com meningite bacteriana aguda (uma infecção bacteriana das membranas que circundam e protegem o cérebro).

Para responder a essa pergunta, eles revisaram as evidências disponíveis sobre o efeito de terapias adjuvantes diferentes dos corticosteroides na morte, perda auditiva e outras sequelas neurológicas (efeitos colaterais de uma doença) em pessoas com meningite bacteriana aguda.

Características do estudo

Foram avaliadas todas as terapias farmacológicas adjuvantes (medicamentosas) (exceto corticosteroides) para as quais os autores encontraram ensaios clínicos randomizados (um tipo de estudo em que os participantes são aleatoriamente designados a um de dois ou mais grupos de tratamento) conduzidos em pessoas com meningite bacteriana aguda. Foram encontrados oito estudos examinando cinco intervenções diferentes.

Três estudos (1274 participantes) avaliaram o paracetamol em crianças (excluindo recém-nascidos) com meningite bacteriana. Os estudos foram financiados por organizações de financiamento do governo e fundações de pesquisa. Além disso, um estudo relatou apoio financeiro de um jornal diário e um estudo relatou apoio financeiro de uma empresa farmacêutica.

Dois estudos (49 participantes) avaliaram imunoglobulinas na meningite bacteriana. Um estudo incluiu crianças (excluindo recém-nascidos), enquanto o outro estudo incluiu adultos de idade não especificada. Fontes de financiamento não foram especificadas. Um estudo recebeu o medicamento do estudo de uma empresa farmacêutica.

Um estudo (15 participantes) avaliou a heparina (diluente do sangue) em adultos com meningite bacteriana. O estudo foi financiado por uma fundação de pesquisa.

Um estudo (57 participantes) avaliou a pentoxifilina em crianças (excluindo recém-nascidos) com meningite bacteriana. Fontes de financiamento para o estudo não foram especificadas.

Um estudo (30 participantes) avaliou uma mistura de ácido succínico, inosina, nicotinamida e mononucleotídeo de riboflavina em crianças (excluindo recém-nascidos). Fontes de financiamento para o estudo não foram especificadas.

Principais resultados

Os autores descobriram que o paracetamol pode fazer pouca ou nenhuma diferença no número de mortes (paracetamol 35,2% (potencialmente causando entre 7,1% menos mortes até 3,4% mais mortes) versus placebo 37,4%, evidência de baixa certeza).

O paracetamol pode fazer pouca ou nenhuma diferença na perda auditiva (paracetamol 19,6% versus placebo 18,8%, evidência de baixa certeza); sequelas neurológicas além da perda auditiva (paracetamol 32,1% versus placebo 20,6%, evidência de baixa certeza); ou perda auditiva severa (paracetamol 11,7% versus placebo 12,2%, evidência de baixa certeza).

O paracetamol pode levar a um pouco mais de sequelas neurológicas de curto prazo além da perda auditiva (paracetamol 15,7% versus placebo 7,9%, evidência de baixa certeza) e um pouco mais de sequelas neurológicas de longo prazo além da perda auditiva (paracetamol 8,8% versus placebo 3,8%, baixo evidência de certeza). Não foram relatados efeitos colaterais.

O efeito de imunoglobulinas, heparina, pentoxifilina e uma mistura de ácido succínico, inosina, nicotinamida e mononucleotídeo de riboflavina sobre o número de mortes é incerto devido à pouca certeza das evidências.

Nenhum efeito colateral foi relatado para imunoglobulinas (evidência de certeza muito baixa), e uma taxa de 3,3% de reações alérgicas foi relatada em pacientes que receberam uma mistura de ácido succínico, inosina, nicotinamida e mononucleotídeo de riboflavina (grupo de intervenção) (evidência de certeza muito baixa).

Nenhum dos outros resultados (perda auditiva, sequelas neurológicas além da perda auditiva, perda auditiva severa e sequelas neurológicas de curto ou longo prazo além da perda auditiva) foi relatado nesses estudos.

Certeza da evidência

A certeza da evidência para o paracetamol foi baixa para todos os resultados devido a problemas com o desenho do estudo, inconsistência dos resultados e poucos participantes nos estudos e relatórios esparsos dos resultados de interesse para a revisão.

A certeza da evidência foi muito baixa para todos os outros tratamentos devido a problemas com o desenho do estudo e dados insuficientes.

Nenhuma conclusão pode ser tirada sobre a eficácia de qualquer um dos tratamentos avaliados neste momento devido à certeza limitada e baixa das evidências. Isso pode mudar se os resultados de estudos maiores com design aprimorado estiv erem disponíveis.

Conclusão dos autores

Poucas terapias adjuvantes para meningite bacteriana foram testadas em ECRs. O paracetamol pode fazer pouca ou nenhuma diferença na mortalidade, com um alto nível de incerteza nos efeitos absolutos (evidência de baixa certeza). O paracetamol pode fazer pouca ou nenhuma diferença na perda auditiva, sequelas neurológicas além da perda auditiva e perda auditiva severa (todas evidências de baixa certeza).

O paracetamol pode levar a um pouco mais de sequelas neurológicas de curto e longo prazo além da perda auditiva (ambos os resultados com evidência de baixa certeza).

Não há evidências suficientes para determinar se alguma das terapias adjuvantes incluídas na revisão (paracetamol, imunoglobulinas, heparina, pentoxifilina ou uma mistura de ácido succínico, inosina, nicotinamida e riboflavina mononucleotídeo) são benéficas ou prejudiciais na meningite bacteriana aguda.

______________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

“Non‐corticosteroid adjuvant therapies for acute bacterial meningitis” – 2021

Autores do estudo: Fisher J, Linder A, Calevo MG, Bentzer P – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.