Desnutrição pode estar associada com a síndrome coronariana aguda

Uma forte associação entre desnutrição e piores resultados na síndrome coronariana aguda (SCA) foi relatada em um grande estudo observacional na Espanha.

A desnutrição, conforme avaliada por várias ferramentas de triagem, foi significativamente associada ao aumento do risco de morte por todas as causas ao longo de uma média de 3,6 anos após a hospitalização por ataque cardíaco:

  • Controle do estado nutricional (CONUT): HR ajustado 2,02 para desnutrição moderada e 3,65 para nutrição severa.
  • Índice de Risco Nutricional (NRI): HR ajustado 1,40 para desnutrição moderada e 2,87 para nutrição grave.
  • Índice Nutricional Prognóstico (PNI): HR ajustado 1,71 para desnutrição moderada e 1,95 para nutrição grave.

A proporção de pacientes considerados moderado ou gravemente desnutridos variou de 8,9% no PNI a 39,5% com o NRI. Cerca de 72% estavam pelo menos levemente desnutridos por pelo menos uma pontuação, de acordo com Sergio Raposeiras Roubín, MD, PhD, do Hospital Álvaro Cunqueiro em Vigo, Espanha, e demais colegas.

“A desnutrição, conforme definida pelos níveis existentes, é comum em pacientes com SCA e está associada a um mau prognóstico, independentemente do índice de desnutrição usado e independentemente do nível de risco GRACE, IMC, FEVE [fração de ejeção do ventrículo esquerdo], revascularização coronária, outros fatores de risco”, concluíram no Journal of the American College of Cardiology.

Pode ser que o estado nutricional seja um “indicador substituto de inflamação”, disseram eles. “Altos graus de desnutrição se correlacionam com altos níveis de inflamação, o que se traduz em aumento da carga aterosclerótica. A associação entre essas três entidades foi recentemente descrita como síndrome de desnutrição-inflamação-aterosclerose.”

Para melhorar a estratificação de risco e orientar estratégias de prevenção secundária, os médicos são fortemente encorajados a identificar pacientes desnutridos em sua prática diária, de acordo com os pesquisadores.

“O tratamento, então, de um paciente em risco deve incluir uma avaliação do estado nutricional e aconselhamento sobre como mudar para uma dieta rica nessas opções de alimentos mais saudáveis. Na verdade, muitas dessas hospitalizações de índice por eventos com risco de vida podem ser valiosas como momentos de ensino para realmente afetar o cuidado e mudar as trajetórias de tratamento “, comentaram Andrew Freeman, MD, do National Jewish Health, Denver e Monica Aggarwal, MD, da University of Florida, Gainesville.

Vários relatórios mostraram que a maioria dos cardiologistas não tem conhecimento em nutrição e, portanto, está menos preparada para discutir nutrição e medidas de estilo de vida à beira do leito ou na clínica, observou a dupla em um editorial anexo.

“Falar da boca para fora com as frases habituais, como ‘Certifique-se de fazer exercícios e comer direito’, simplesmente não serve. Cabe a nós como profissão garantir o treinamento adequado e competência na prestação de cuidados no espaço de estilo de vida, “de acordo com Freeman e Aggarwal.

Na ausência de um treinamento nutricional mais difundido, os médicos podem confiar nas ferramentas EHR para ajudar na avaliação dietética e aconselhamento no consultório médico, sugeriu recentemente a American Heart Association.

Como o estudo foi conduzido

O estudo retrospectivo incluiu 5.062 pacientes consecutivos com SCA internados no centro de Raposeiras Roubín em 2010-2017. A idade média era de 66,2 anos e cerca de três quartos do grupo eram homens.

Durante o acompanhamento, 16,4% dos pacientes morreram e 20,7% sofreram eventos cardiovasculares maiores (MACE: mortalidade cardiovascular, reinfarto ou acidente vascular cerebral isquêmico).

Indivíduos com sobrepeso e obesos estavam moderada ou gravemente desnutridos em 8,4%-36,7% dos casos, dependendo do índice utilizado.

“A desnutrição é muitas vezes percebida como uma doença devido à magreza e, portanto, acredita-se que afete apenas as pessoas que estão abaixo do peso. Na verdade, existe uma grande carga de desnutrição na população com excesso de peso e obesa devido ao consumo inadequado de micronutrientes e à má qualidade dos alimentos”, Freeman e Aggarwal notaram.

Todas as três escalas avaliadas no estudo correlacionaram-se entre si, mas apenas 8,9% das pessoas foram classificadas como desnutridas pelos três níveis.

O nível CONUT teve a melhor capacidade preditiva para mortalidade por todas as causas e MACE, adicionando o maior valor incremental ao nível de risco GRACE. Este índice nutricional inclui albumina sérica, níveis de colesterol total e contagem total de linfócitos.

“Existem muitas ferramentas de triagem para desnutrição, mas nenhum consenso sobre qual usar para pacientes com SCA. Com base em nossos resultados, recomendamos o uso do nível CONUT, que usa apenas três valores laboratoriais e é muito fácil de calcular, mesmo sem dados específicos ou calculadoras automáticas”, disseram Raposeiras Roubín e colegas.

O NRI teve o pior desempenho das três ferramentas. Ao contrário dos níveis CONUT e PNI, o NRI não inclui a contagem de linfócitos como marcador de desnutrição. Em vez disso, inclui variáveis ​​antropométricas como peso e altura.

Conclusão dos autores

As limitações do estudo de centro único incluem sua natureza retrospectiva e o recrutamento apenas de pacientes brancos. Além disso, os pesquisadores não analisaram as avaliações nutricionais mais abrangentes, nem os resultados por características socioeconômicas dos pacientes.

“Os ensaios clínicos são necessários para avaliar prospectivamente a eficácia das intervenções nutricionais nos resultados em pacientes com SCA”, sugeriram os autores.

Essas intervenções podem incluir suplementos nutricionais orais, enriquecimento de alimentos ou líquidos, aconselhamento dietético e intervenção educacional.

“No entanto, objetivos relevantes no cuidado nutricional multimodal e multidisciplinar não envolveriam apenas o tratamento da desnutrição. Talvez ainda mais importante seja a prevenção da desnutrição para evitar que pacientes com SCA – especialmente pacientes idosos – experimentem deterioração de seu estado nutricional e de sua saúde geral”, disseram os pesquisadores.

__________________________

O estudo original foi publicado no Journal of the American College of Cardiology

* “Prevalence and prognostic significance of malnutrition in patients with acute coronary syndrome” – 2020

Autores do estudo: Sergio Raposeiras RoubínEmad Abu AssiMaría Cespón FernandezCristina Barreiro PardalAndrea Lizancos CastroJose Antonio ParadaDavid Dobarro PérezSonia Blanco PrietoXavier RosselloBorja Ibanez, Andrés Íñiguez Romo – 10.1016/j.jacc.2020.06.058

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.