Estudo investiga precisão de imagem do tórax para diagnosticar COVID-19

Pessoas com suspeita de COVID-19 precisam saber rapidamente se estão infectadas, para que possam receber o tratamento adequado, isolar-se e informar os contatos próximos.

Atualmente, o diagnóstico formal de COVID-19 requer um teste laboratorial (RT-PCR) de amostras de nariz e garganta. O RT-PCR requer equipamento especializado e leva pelo menos 24 horas para produzir um resultado. Não é totalmente preciso e pode exigir um segundo RT-PCR ou um teste diferente para confirmar o diagnóstico.

COVID-19 é uma doença respiratória. Os médicos podem usar imagens do tórax para diagnosticar pessoas com sintomas da doença, enquanto aguardam os resultados da RT-PCR ou quando os resultados da RT-PCR são negativos e a pessoa apresenta sintomas.

Objetivos dos autores

A equipe queria saber se a imagem do tórax é precisa o suficiente para diagnosticar COVID-19 em pessoas com suspeita de infecção.

O que são exames de imagem do tórax?

As radiografias ou varreduras produzem uma imagem dos órgãos e estruturas do tórax.

  • Os raios X (radiografia) usam radiação para produzir uma imagem 2-D. Geralmente realizados em hospitais, com equipamentos fixos de um radiologista, também podem ser realizados em máquinas portáteis.
  • As varreduras de tomografia computadorizada (TC) usam um computador para mesclar imagens de raios-X 2-D e convertê-las em uma imagem 3-D. Eles exigem equipamentos altamente especializados e são realizados no hospital por um radiologista especializado.
  • As varreduras de ultrassom usam ondas sonoras de alta frequência para produzir uma imagem. Eles podem ser feitos em hospitais ou outros ambientes de saúde, como um consultório médico.

O que os autores fizeram?

Os autores procuraram estudos que avaliaram a precisão das imagens do tórax para diagnosticar COVID-19 em pessoas com suspeita da doença. Os estudos poderiam ser de qualquer tipo e terem ocorrido em qualquer lugar.

Achados da equipe

Foram encontrados 34 estudos com 9339 pessoas. Todos os estudos confirmaram a infecção por SARS-CoV-2 usando apenas RT-PCR ou RT-PCR com outro teste.

A maioria dos estudos (31 estudos, 8.014 participantes) avaliou a TC de tórax, três avaliaram radiografias de tórax (1243 participantes) e um avaliou ultrassom de pulmão (100 participantes).

Dezenove estudos ocorreram na Ásia, 10 na Europa, quatro na América do Norte e um na Austrália. Os participantes eram pacientes internados em hospitais (24 estudos) e pacientes ambulatoriais (4 estudos), o cenário não era claro em seis estudos.

TC de tórax

Os resultados combinados mostraram que a TC de tórax diagnosticou COVID-19 corretamente em 89,9% das pessoas que tinham COVID-19. No entanto, identificou incorretamente o COVID-19 em 38% das pessoas que não tinham a doença.

Raio-x do tórax

O diagnóstico correto de COVID-19 com radiografias de tórax variou de 57% a 89%. No entanto, o diagnóstico incorreto de COVID-19 em pessoas que não tinham COVID-19 variou de 11% a 89%.

Ultrassom de pulmão

A ultrassonografia pulmonar diagnosticou COVID-19 corretamente em 96% das pessoas com COVID-19. No entanto, diagnosticou incorretamente COVID-19 em 38% das pessoas que não tinham.

Quão confiáveis ​​são os resultados?

Os estudos diferiram entre si e usaram métodos diferentes para relatar seus resultados. Cerca de um quarto dos estudos foram publicados como pré-impressões, que não passam pelas mesmas verificações rigorosas dos estudos publicados. Não foi possível tirar conclusões confiáveis ​​com base nos resultados dos estudos nesta revisão.

O que isto significa?

A evidência sugere que a TC de tórax é melhor para descartar infecção por COVID-19 do que para distingui-la de outros problemas respiratórios. Portanto, sua utilidade pode ser limitada a excluir a infecção por COVID-19 em vez de distingui-la de outras causas de infecção pulmonar.

A acurácia da TC de tórax melhorou desde a primeira revisão, talvez porque os radiologistas agora usam melhores definições de um diagnóstico positivo. O estágio da pandemia também pode ter um efeito – com estudos posteriores baseados no conhecimento e na experiência adquiridos anteriormente.

A equipe planeja atualizar a revisão à medida que mais evidências se tornem disponíveis. Estudos futuros devem predefinir o que é um teste positivo e comparar diferentes tipos de testes de imagem em grupos semelhantes de pessoas.

Conclusão dos autores

Os resultados indicam que a TC de tórax é sensível e moderadamente específica para o diagnóstico de COVID-19 em pacientes suspeitos, o que significa que a TC pode ter capacidade limitada em diferenciar a infecção por SARS‐CoV‐2 de outras causas de doença respiratória.

No entanto, a confiança nesses resultados é limitada devido à baixa qualidade do estudo e à heterogeneidade dos estudos incluídos. Devido aos dados limitados, as estimativas de precisão da radiografia de tórax e ultrassonografia dos pulmões para o diagnóstico de casos suspeitos de COVID-19 devem ser interpretadas com cuidado.

Futuros estudos de precisão diagnóstica devem predefinir achados de imagem positivos, incluir comparações diretas das várias modalidades de interesse na mesma população de participantes e implementar práticas de relatórios aprimoradas.

As atualizações planejadas da revisão terão como objetivo: aumentar a precisão em torno das estimativas de acurácia para TC de tórax (idealmente com baixo risco de estudos de viés), obter mais dados para informar a precisão das radiografias de tórax e ultrassom, e obter dados para cumprir ainda mais os objetivos secundários (por exemplo, efeitos de “limiar”, comparando estimativas de precisão em diferentes modalidades de imagem) para informar a utilidade da imagem ao longo de diferentes vias de diagnóstico.

_______________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Thoracic imaging tests for the diagnosis of COVID‐19” – 2020

Autores do estudo: Islam N, Salameh J-P, Leeflang MMG, Hooft L, McGrath TA, van der Pol CB, Frank RA, Kazi S, Prager R, Hare SS, Dennie C, Spijker R, Deeks JJ, Dinnes J, Jenniskens K, Korevaar DA, Cohen JF, Van den Bruel A, Takwoingi Y, van de Wijgert J, Wang J, McInnes MDF – 10.1002/14651858.CD013639.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.