Introdução precoce ao glúten pode prevenir doença celíaca

A introdução muito precoce de glúten em altas doses foi associada a uma prevalência mais baixa de doença celíaca aos 3 anos de idade em uma análise secundária pré-especificada do ensaio de prevenção de alergia alimentar infantil Enquiring About Tolerance (EAT).

Nenhum dos bebês na análise randomizada para o braço de introdução precoce de glúten do estudo havia desenvolvido doença celíaca aos 3 anos de idade, em comparação com 1,4% das crianças para as quais a amamentação exclusiva foi recomendada por pelo menos nos primeiros 6 meses de vida.

Ensaios randomizados anteriores explorando o consumo de glúten no início da vida para a prevenção da doença celíaca mostraram pouca ou nenhuma associação entre o momento da introdução do trigo e a prevalência da doença, mas os resultados da análise do ensaio EAT “sugerem que pode ter sido prematuro descontar o efeito de idade de introdução do glúten no desenvolvimento da doença celíaca”, relatou Gideon Lack, MB, BCh, do King’s College London, e colegas.

Escrevendo no JAMA Pediatrics, os pesquisadores concluíram que novos ensaios clínicos randomizados são necessários “para abordar a questão de se a introdução precoce de glúten em altas doses é uma estratégia eficaz para a prevenção da doença celíaca.”

O especialista em alergia alimentar pediátrica e pesquisador Ruchi Gupta, MD, da Northwestern University

em Chicago, que não esteve envolvido com a análise, disse ao MedPage Today que as descobertas sugerem que altas doses de glúten e a introdução precoce podem aumentar a proteção contra a doença celíaca.

Como o estudo foi conduzido

De quatro estudos randomizados relatados anteriormente que exploram uma possível conexão, apenas um – o estudo PreventCD, publicado em 2014 – introduziu o trigo antes dos 6 meses de idade, nesse ensaio a dose diária inicial era baixa (100 mg). Não mostrou redução da doença celíaca em comparação com o placebo.

A dose diária mínima recomendada de glúten no ensaio EAT foi de cerca de 500 mg por dia, começando aos 4 meses de idade.

“A sugestão de que dar uma alta dose de glúten em uma idade muito jovem poderia prevenir a doença celíaca é algo que realmente não foi explorado”, disse Gupta.

Ela observou que o estudo EAT foi conduzido após o estudo LEAP, que mostrou a introdução precoce do amendoim para reduzir significativamente a alergia ao amendoim aos 5 anos de idade.

Com base nas descobertas do LEAP, as diretrizes nos EUA foram alteradas para recomendar a introdução precoce do amendoim, em vez de evitá-lo, para crianças com alto risco de alergia ao amendoim.

Os resultados primários do EAT foram publicados em 2016, cobrindo a introdução precoce de seis alimentos alérgicos – amendoim, gergelim, ovo, leite de vaca, bacalhau e trigo – em 1.303 crianças no Reino Unido da população em geral aleatoriamente para introdução dos alimentos começando aos 4 meses de idade (introdução precoce) ou amamentação exclusiva até pelo menos 6 meses de idade (introdução padrão).

Essa análise não mostrou nenhum benefício para a introdução precoce dos alimentos na análise de intenção de tratar, embora com a sugestão de um benefício em doses mais elevadas na análise por protocolo.

A análise pré-especificada recentemente publicada, que incluiu dados de 1.004 participantes do estudo, foi conduzida para explorar ainda mais o possível papel da dosagem e do momento da introdução do trigo no desenvolvimento da doença celíaca.

A idade média de introdução no grupo de introdução precoce (EIG) foi de 4 meses (variação de 4-33 meses), contra 7 meses no grupo de introdução padrão (SIG; variação de 5-21 meses). Com idades entre 4 e 5 meses, apenas 2,3% das crianças no grupo SIG tinham sido introduzidas ao glúten, em comparação com 69,5% das crianças no grupo EIG.

A quantidade média de glúten consumido nas idades de 4-6 meses foi de 0,49 g/sem no SIG e 2,66 g/sem com a introdução precoce.

O consumo médio de glúten semanal variou de 0,08 g/sem na idade de 4 meses a 0,9 g/sem na idade de 6 meses entre os controles. Com a introdução precoce, era de 1,3 g/sem na idade de 4 meses para 4,03 g/sem na idade de 6 meses.

Conclusão do estudo

“O estudo EAT difere em comparação com estudos [anteriores] porque o glúten foi introduzido a partir dos 4 meses de idade e em quantidades maiores, o que é mais representativo de um tamanho de porção apropriado para a idade”, escreveram os pesquisadores. “Portanto, pode ser que tanto uma introdução precoce quanto uma grande quantidade de glúten sejam necessárias para reduzir a prevalência da doença celíaca na infância”.

“Nosso estudo levanta a questão de se o estudo PreventCD teria obtido resultados diferentes se os bebês tivessem consumido maiores quantidades de glúten, mais semelhantes às consumidas pelas famílias na literatura observacional de onde se originou a hipótese de introdução precoce”, afirmou a equipe.

Uma limitação do estudo citada pelos pesquisadores foi o diagnóstico de doença celíaca em diferentes centros de tratamento.

Gupta observou que o período de tempo relativamente curto de acompanhamento também pode ser considerado uma limitação do estudo.

“As alergias alimentares geralmente estão presentes em crianças pequenas, mas a doença celíaca pode não se manifestar até a adolescência ou mesmo na idade adulta”, disse ela, acrescentando que 3 anos de acompanhamento podem não ter sido longos o suficiente.

____________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Pediatrics

* “Early Gluten Introduction and Celiac Disease in the EAT Study: A Prespecified Analysis of the EAT Randomized Clinical Trial” – 2020

Autores do estudo: Kirsty Logan, Michael R. Perkin, Tom Marrs, Suzana Radulovic, Joanna Craven, Carsten Flohr, Henry T. Bahnson, Gideon Lack – 10.1001/jamapediatrics.2020.2893

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.