Existe um exame de sangue para detectar Alzheimer 20 anos antes?

Nos últimos dias, vários meios de comunicação relataram que os pesquisadores desenvolveram um exame de sangue para detectar Alzheimer 20 anos antes. Um anúncio exagerado, distante das conclusões do estudo.

Nos últimos dias, muitos meios de comunicação confiaram em um estudo publicado no início de agosto na revista médica Neurology, chegando ao ponto de afirmar que esse teste é eficaz em 94%. Um anúncio bonito demais para ser verdade. O professor Bruno Dubois, neurologista e diretor do Instituto de Memória e Doença de Alzheimer do Hospital Pitié-Salpétrière (Paris), prontificou-se em responder algumas questões, confira:

O que diz o estudo?

Os autores do estudo – uma dúzia de pesquisadores afiliados a vários centros de pesquisa dos EUA – recrutaram 158 pessoas com boa saúde. Um exame de sangue mediu primeiro a concentração de dois tipos de proteína beta amilóide. A doença de Alzheimer se manifesta em particular pelo acúmulo anormal dessas proteínas no cérebro. Um fenômeno que leva à formação de placas que “sufocam” a atividade dos neurônios e causam distúrbios neuro-cognitivos. Essas placas geralmente aparecem 10 a 15 anos antes dos primeiros sintomas, por isso há interesse em tentar prever sua ocorrência.

No processo, os pesquisadores deram a cada participante uma PET scan, um exame de imagem cerebral que visualiza as placas no cérebro. Após um período de vários meses (18 no máximo), os pesquisadores repassaram uma PET scan para os participantes. Como resultado, a realização de um exame de sangue beta-amilóide positivo no início do estudo estava fortemente correlacionada com as placas que apareciam no cérebro nos meses/anos seguintes, em comparação com aquelas com o exame de sangue foi negativo. Especificamente, os pesquisadores descobriram que isso multiplicava por 15 o risco de desenvolvimento de placas. Mas não a doença.

As razões da confusão

“É um trabalho de qualidade, eles mostram que a presença de proteínas beta amilóides no sangue está correlacionada com a presença de placas amilóides. Mas ter placas não significa que você desenvolverá a doença. Algumas pessoas as têm e nunca ficarão doentes. Por outro lado, todos os pacientes com Alzheimer têm placas. Esta é uma condição necessária, mas não suficiente”, diz o professor Bruno Dubois.

Há alguns anos, o neurologista lançou um estudo no hospital Pitié-Salpétrière (estudo INSIGHT), envolvendo mais de 300 pessoas. Os participantes, que tinham 76 anos de idade, em média, aceitaram uma PET scan para que os médicos pudessem identificar qualquer placa amilóide. “Dos 88 indivíduos que tiveram essas lesões no cérebro, apenas 10 evoluíram para a doença. Os outros podem nunca ter. Claramente, outros fatores ainda desconhecidos estão certamente envolvidos. Este estudo é um passo interessante, mas teremos que encontrar fatores moduladores que estão na direção da aceleração ou da desaceleração da doença”, ressalta o professor Bruno Dubois.

Existe um exame de sangue para detectar Alzheimer?

Existe um exame de sangue para detectar Alzheimer 20 anos antes“No momento, não há como prever a doença, não podemos afirmar que existe um exame de sangue para detectar Alzheimer. E mesmo que essa bola de cristal exista, não seria de muita ajuda: não há tratamento para desacelerar ou curar a doença. Na clínica, em pessoas que não apresentam sintomas, não rastreamos, e mesmo se detectarmos lesões, o que poderia ser feito além de dizer “não tenho nada para lhe oferecer?”, Justifica o professor Dubois.

Se nenhum teste preditivo estiver disponível, é possível limitar o risco de desenvolver a doença, agindo nas principais alavancas: exercitar-se, evitar fumar e álcool, monitorar a condição das artérias (colesterol), açúcar no sangue, pressão arterial, peso, ter uma dieta equilibrada e incentivar o paciente a estimular constantemente o cérebro ainda é o melhor método de prevenção.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.