COVID-19: Transmissão por pacientes assintomáticos é menor?

As cargas virais foram semelhantes entre os pacientes com COVID-19 assintomáticos e sintomáticos e permaneceram assim por semanas após o diagnóstico, de acordo com pesquisadores sul-coreanos, que sugeriram que os esforços de saúde pública para conter a pandemia deveriam se concentrar mais naqueles sem sintomas.

Em um estudo de cerca de 300 pacientes com testes de PCR positivos para SARS-CoV-2, os indivíduos assintomáticos tiveram um tempo mediano ligeiramente menor para conversão negativa do que os pacientes sintomáticos que tenderam a significância (17 vs 19 dias, respectivamente, P=0,07).

Mas os valores de limiar do ciclo em testes de PCR (um indicador quantitativo de cargas virais) para amostras do trato respiratório inferior mostraram que as cargas virais permaneceram as mesmas ou até diminuíram mais gradualmente em pacientes assintomáticos desde o diagnóstico até a alta do isolamento, relatou Eunjung Lee, MD, de Soonchunhyang University Seoul Hospital em Seul, e colegas, escrevendo no JAMA Internal Medicine.

Os autores observaram que, embora a transmissão assintomática de COVID-19 seja “um fator importante” no controle da disseminação do vírus, o curso clínico dos pacientes com infecção assintomática permanece um tanto misterioso.

“Uma implicação importante de nossos achados é que pode haver subnotificação substancial de pacientes infectados usando a vigilância e triagem atuais baseadas em sintomas”, escreveram eles.

Como o estudo foi conduzido

Lee e colegas examinaram dados de 303 pacientes com infecção por SARS-CoV-2 de 6 a 26 de março que foram isolados em um centro de tratamento comunitário. A idade média dos pacientes era 25 anos e dois terços eram mulheres. Doze pacientes tinham comorbidades, dez dos quais sofriam com hipertensão.

O teste de RT-PCR foi realizado no trato respiratório superior (de um swab da nasofaringe e orofaringe) e em amostras de escarro do trato inferior.

Na amostra do estudo, 193 pacientes eram sintomáticos no momento do isolamento e dos 110 sem sintomas, 21 os desenvolveram no isolamento. Restaram 89 que permaneceram assintomáticos durante o acompanhamento (mediana de 24 dias).

As proporções de pacientes com conversão negativa nos dias 14 e 21 foram apenas ligeiramente maiores em pacientes assintomáticos (33,7% e 75,2%, respectivamente) em comparação com pacientes sintomáticos (29,6% e 69,9%).

Os autores também descobriram que os valores de limiar do ciclo do gene do envelope viral env no escarro caíram mais gradualmente em pacientes assintomáticos versus sintomáticos/pré-sintomáticos, com um valor β de -0,065 (P=0,005). Os declínios para outros segmentos genéticos não caíram acentuadamente mais rapidamente no grupo assintomático.

“Parece que o sinal do env alvo era aberrante devido a genomas fragmentados ou degradados”, afirmaram os pesquisadores. “Em um estudo recente, a eliminação do vírus na expectoração se estende além da duração dos sintomas.”

No entanto, eles acrescentaram que a detecção de RNA viral não é igual à detecção de vírus infeccioso, e maiores estudos epidemiológicos e experimentos são necessários para entender a ligação entre a disseminação viral e a transmissibilidade.

Eles também observaram que não determinaram o papel que a eliminação molecular viral desempenha na transmissão de pacientes assintomáticos. Da mesma forma, a idade relativamente jovem da amostra do estudo e outras especificidades (geografia, período de tempo) podem limitar a generalização.

Conclusão dos autores do estudo

Os resultados obtidos através das pesquisas não apoiam as noções de que pacientes assintomáticos têm menos probabilidade de transmitir o vírus ou parar de fazer a transmissão mais cedo do que aqueles com sintomas claros.

Lee e colegas concluíram que, como a transmissão assintomática pode desempenhar um fator chave na disseminação da comunidade, “a vigilância baseada na população e o isolamento de pacientes assintomáticos podem ser necessários”.

______________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Internal Medicine

* “Clinical Course and Molecular Viral Shedding Among Asymptomatic and Symptomatic Patients With SARS-CoV-2 Infection in a Community Treatment Center in the Republic of Korea” – 2020

Autores do estudo: Seungjae Lee, Tark Kim, Eunjung Lee, Cheolgu Lee, Hojung Kim, Heejeong Rhee, Se Yoon Park, Hyo-Ju Son, Shinae Yu, Jung Wan Park, Eun Ju Choo, Suyeon Park, Mark Loeb, Tae Hyong Kim – 10.1001/jamainternmed.2020.3862

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.