Corticosteroides para pacientes no pós-transplante renal

Corticosteroides de longo prazo pós-transplante renal podem não ser necessários para a maioria dos pacientes, relataram pesquisadores de um estudo.

Em novos dados de longo prazo (mediana de 15,8 anos) em 191 pacientes que abandonaram os corticosteroides 7 dias após serem submetidos a um transplante de rim, contra 195 pacientes que continuaram com esteroides, não houve diferença significativa no risco de falha do aloenxerto por qualquer causa, incluindo morte, relatou John S. Gill, MD, do St Paul’s Hospital em Vancouver, e colegas.

Também não houve diferença significativa no risco de falha do aloenxerto (não incluindo morte do paciente), definido como a necessidade de diálise de longo prazo ou repetição do transplante durante um período de acompanhamento médio de 15,8 anos, eles relataram no JAMA Surgery.

Esses dados se baseiam em resultados de 5 anos relatados anteriormente pelo mesmo grupo. Nesse estudo, eles encontraram uma taxa ligeiramente maior de rejeição aguda confirmada por biópsia após a retirada de esteroides versus continuação de esteroides. No entanto, as taxas de sobrevivência e função do aloenxerto renal em 5 anos foram semelhantes.

Aqueles que não continuaram a terapia com corticosteroides em baixas doses crônicas viram melhores resultados para fatores de risco cardiovascular (CV), incluindo triglicerídeos mais baixos, menor ganho de peso, menor glicose no sangue e menos necessidade de insulina, de acordo com os autores.

Contudo, eles enfatizaram que uma limitação do estudo era a falta de dados sobre as diferenças de longo prazo nos resultados não fatais, como doenças cardiovasculares, diabetes, infecções e doenças ósseas metabólicas entre os dois grupos de pacientes.

Gill e colegas também apontaram que apenas cerca de 30% de todos os receptores de transplante abandonam a terapia com esteroides.

“Os fatores que contribuem para o uso contínuo de corticosteroides incluem preocupações sobre a segurança a longo prazo e incerteza sobre os modestos benefícios metabólicos da retirada dos corticosteroides”, explicaram. “Em contraste, os proponentes da retirada dos corticosteroides levantaram a hipótese de que um acompanhamento mais longo pode ser necessário para que os benefícios metabólicos afetem os resultados”.

Características do estudo

O ensaio incluiu 385 pacientes de transplante renal (idades de 18 a 70) com risco imunológico baixo a moderado – definido como anticorpo reativo ao painel de pico inferior a 50% e anticorpo reativo ao painel pré-transplante inferior a 25% – em 28 centros de transplante renal dos EUA .

As cirurgias ocorreram entre 1999 e 2021, e todos os pacientes receberam transplante de rim de doador vivo ou falecido sem função do enxerto retardada. Nenhum teve rejeição de curto prazo na primeira semana após o transplante.

Metade dos pacientes foram randomizados para receber os medicamentos imunossupressores tacrolimus (Envarsus, Protopic, Astagraf) e micofenolato de mofetil com prednisona e retirá-los 7 dias após o transplante. A outra metade continuou com prednisona (5mg/d após 6 meses após o transplante).

Embora esses pacientes fossem de risco relativamente baixo no início, Arthur Matas, MD, da Universidade de Minnesota em Minneapolis, apontou que outros dados sugeriram que a prática de cessação precoce de esteroides (ESC) – retirada em 14 dias – também mostrou algum sucesso com grupos de alto risco, como pacientes negros, crianças e até mesmo aqueles com retransplantes ou doenças recorrentes.

“Os autores questionam por que o ESC não é usado de forma mais ampla. Eu concordo”, escreveu Matas em um comentário convidado. Ele acrescentou que o sucesso da interrupção precoce dos esteroides levou muitos centros de transplante a reduzir o uso de prednisona para apenas 5 mg por dia.

“No entanto, mesmo esta dose baixa está associada a complicações (por exemplo, osteoporose, fraturas)”, observou ele. “No futuro, em contraste com a justificativa da ESC, os centros de transplante que usam esteroides devem justificar por que estão usando esteroides para seus receptores ou subpopulações de receptores, uma vez que não há evidência de melhores resultados e os esteroides têm efeitos adversos”.

____________________________

O estudo original foi pulicado no JAMA Surgery

* “Early Corticosteroid Cessation vs Long-term Corticosteroid Therapy in Kidney Transplant Recipients: Long-term Outcomes of a Randomized Clinical Trial” – 2021

Autores do estudo: E. Steve Woodle, MD, John S. Gill, MD, MS, Stephanie Clark, PhD, Darren Stewart, MS, Rita Alloway, PharmD, Roy First, MD – 10.1001/jamasurg.2020.6929

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.