Exposição ao calor excessivo pode trazer riscos para a gravidez

A exposição ao calor extremo durante a gravidez pode estar ligada a maiores riscos de parto prematuro e natimorto, de acordo com uma revisão sistemática e meta-análise.

Gestantes expostas a temperaturas mais altas tinham maior probabilidade de ter parto prematuro, com a probabilidade de aumento de 5% a cada 1°C de aumento e 16% durante as ondas de calor, relatou Matthew Francis Chersich, PhD, da University of the Witwatersrand em Johannesburg, South África e colegas.

O risco de natimortos aumentou 5% a cada 1°C, escreveram os pesquisadores no The BMJ.

O grupo também observou associações entre aumento da temperatura e baixo peso ao nascer, no entanto, a relação não era tão forte ou consistente em comparação com os resultados de parto prematuro e natimorto. Os efeitos foram mais fortes em mulheres de nível socioeconômico mais baixo.

“As mulheres grávidas merecem um lugar ao lado dos grupos normalmente considerados de alto risco para condições relacionadas ao calor”, escreveram Chersich e colegas. Como a frequência e a intensidade das ondas de calor estão aumentando, o grupo afirmou que mais pesquisas e intervenções políticas deveriam ser uma “alta prioridade”.

“No momento, só falamos sobre populações vulneráveis ​​ao calor quando crianças ou idosos, mas poucas pessoas falam sobre mulheres grávidas”, disse Shao Lin, PhD, epidemiologista da Universidade de Albany em Nova York, que estuda o impacto de mudanças climáticas na saúde humana.

Lin, que não participou do estudo, observou que as mulheres grávidas sofrem alterações fisiológicas que afetam o metabolismo e a circulação, o que pode torná-las mais suscetíveis à insolação.

Embora os tamanhos dos efeitos do ensaio sejam pequenos, disse Lin, as mulheres grávidas podem enfrentar riscos significativos à medida que o aumento da temperatura se eleva em todo o mundo.

Estudo e conclusão

Na revisão, Chersich e colegas procuraram estudos clínicos que investigavam a associação entre a exposição ao calor durante a gravidez e parto prematuro, peso ao nascer e natimorto.

A revisão incluiu 70 estudos no total, a maioria dos quais investigou o impacto do calor no nascimento prematuro. Os estudos foram realizados em 27 países, sete dos quais eram de baixa ou média renda.

Havia 40 de 47 estudos que relataram associações entre o aumento da temperatura e nascimento prematuro, 18 de 28 relatando associações sobre baixo peso ao nascer e oito estudos que relataram associações sobre natimortos.

A taxa média de nascimento prematuro em todos os estudos incluídos foi de 5,6%. Onze estudos relataram que o nascimento prematuro foi maior em mulheres com menos de 25 anos ou mais de 35 anos, e seis estudos relataram que havia uma taxa mais alta de partos prematuros entre mulheres em grupos socioeconômicos mais baixos.

Em quatro estudos realizados nos EUA, os pesquisadores descobriram que as mulheres negras tinham uma incidência maior de parto prematuro do que as brancas.

A maioria dos estudos que cobrem o nascimento prematuro relataram associações dose-resposta, em que as taxas de nascimento prematuro aumentaram com o aumento da temperatura ou exposições mais longas ao calor.

Houve uma mediana de 6,2 por 1.000 natimortos em todos os estudos incluídos na revisão. A meta-análise relatou que havia um risco 24% maior de natimortos medidos em dias individuais durante a última semana de gravidez e mais de três vezes o risco quando os efeitos foram medidos em um trimestre inteiro ou durante toda a gravidez.

Para o desfecho baixo peso ao nascer, a taxa mediana foi de 3%. O risco mediano observado de baixo peso ao nascer associado a altas temperaturas foi 1,09. Mas os pesquisadores observaram que os impactos da temperatura sobre o peso geralmente são pequenos.

Chersich e colegas escreveram que sua revisão destaca a necessidade de pesquisar intervenções que possam reduzir os problemas relacionados ao calor em mulheres grávidas.

Isso inclui a prestação de serviços domiciliares de profissionais de saúde comunitários, apoio financeiro a gestantes durante os estágios posteriores, monitoramento da hidratação materna e refrigeração de enfermarias de parto em países de baixa e média renda.

O grupo reconheceu que a pesquisa foi limitada por diferentes padrões de temperatura nos estudos, bem como exposições como poluição do ar que podem ter impactado os resultados do nascimento. Além disso, cerca de um terço dos artigos incluídos não apresentavam descrições detalhadas sobre a população e o ambiente do estudo, e um quarto utilizava métodos analíticos de maneira inadequada.

______________________

O estudo original foi publicado no The BMJ

* “Associations between temperatures in pregnancy and risk of preterm birth, low birth weight, and stillbirths: Systematic review and meta-analysis” – 

Autores do estudo: Matthew Francis Chersich, Minh Duc Pham, Ashtyn Areal, Marjan Mosalam Haghighi, Albert Manyuchi, Callum P Swift, Bianca Wernecke, Matthew Robinson, Robyn Hetem, Melanie Boeckmann, Shakoor Hajat – https://doi.org/10.1136/bmj.m3811