Pânico global: a crise do coronavírus na China piorou!

A crise do coronavírus na China piorou na quinta-feira, com o número de mortos subindo para 563 e a situação de milhares de pessoas presas em navios de cruzeiro em quarentena, aprofundando o pânico global com a epidemia. Mais de 28.000 pessoas foram infectadas na China, onde as autoridades estão lutando para conter o surto, apesar de manter milhões em locais fechados em um número crescente de cidades.

Duas dúzias de países confirmaram casos da doença respiratória, que surgiram de um mercado que vendia animais exóticos na cidade de Wuhan, no centro da China, no final do ano passado. Milhares de turistas em navios de cruzeiro em Hong Kong e Japão enfrentam uma espera angustiante para descobrir se mais deles foram infectados.

Pelo menos 20 passageiros do cruzeiro Diamond Princess vindo de Yokohama deram positivo. Cerca de 3.700 passageiros e tripulantes de mais de 50 países foram confinados em quartos. O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe disse que outro navio de cruzeiro, Westerdam, estava indo para o país com um caso confirmado. Ele disse que nenhum estrangeiro da embarcação, capaz de transportar quase 3.000 passageiros e tripulantes, teria permissão para desembarcar.

Em Hong Kong, 3.600 pessoas passavam uma segunda noite confinadas a bordo do World Dream. As autoridades realizaram exames de saúde depois que oito ex-passageiros deram positivo para o vírus. Hong Kong ficou particularmente nervosa porque a crise reviveu as memórias de outro coronavírus que causa a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) que matou quase 300 pessoas na cidade e outras 349 no continente chinês em 2002-2003.

Devido o pânico em Hong Kong, milhares de pessoas deixaram os supermercados vazios após falsas alegações de escassez se espalhar na internet, levando as autoridades a pedir calma.

Uma pessoa morreu após contrair o vírus em Hong Kong. Embora o número de mortos do coronavírus na China continue a aumentar, os especialistas enfatizaram que, com 2% de mortalidade, o 2019-nCoV é muito menos mortal que o SARS, que matou cerca de 10% das pessoas infectadas há 17 anos.

Os números do coronavírus na China

O surto, no entanto, foi declarado uma emergência de saúde global, levando vários governos a alertar contra viagens à China e proibir chegadas do país, enquanto as companhias aéreas suspenderam os vôos. Quase 200 canadenses apareceram no aeroporto de Wuhan para suas primeiras evacuações, a maioria em um avião comercial fretado por Ottawa, disseram autoridades.

O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha disse que está trabalhando para trazer para casa vários cidadãos que não conseguiram sair em um vôo que chegou a Frankfurt no sábado passado.

A Arábia Saudita proibiu cidadãos e estrangeiros residentes de viajarem para a China, enquanto a Air France-KLM estendeu sua suspensão de voo por mais um mês até 15 de março.

O presidente chinês Xi Jinping disse ao príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman que todos os países devem “seguir as diretrizes da Organização Mundial de Saúde sobre viagens e saúde em tempo hábil”, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

Depois que a Grã-Bretanha aconselhou os cidadãos a deixar a China, o embaixador de Pequim em Londres disse que não deveria haver “um pânico”.

Falta de pessoal médico

A China adotou medidas sem precedentes para conter o vírus, que se espalhou durante o feriado do Ano Novo Lunar no final de janeiro, quando milhões atravessaram o país. Mas as mortes e novas infecções continuam a aumentar, especialmente no epicentro da província de Hubei, onde 18 cidades que abrigam 56 milhões de pessoas estão sob virtual bloqueio desde o final do mês passado.

Faltam 2.250 funcionários médicos em Hubei, disse o vice-governador da província, Yang Yunyan. A incapacidade de oferecer aos trabalhadores de saúde equipamentos de proteção adequados está prejudicando os números que podem ser implantados nas linhas de frente, acrescentou.

Com a capital de Hubei, Wuhan, sobrecarregada, as autoridades deveriam abrir um segundo hospital de campanha com 1.600 leitos. O primeiro hospital, com 1.000 leitos, foi inaugurado no início desta semana, e as autoridades disseram que estavam convertendo edifícios públicos em instalações médicas temporárias.

O governo central anunciou medidas destinadas a garantir o fornecimento de recursos vitais, com incentivos fiscais para os fabricantes de equipamentos médicos. “Devemos fazer todos os esforços em todo o país para atender à necessidade de suprimentos médicos essenciais e profissionais médicos na província de Hubei”, disse o premier Li Keqiang, segundo a agência de notícias oficial Xinhua.

O BGI Group, uma empresa de sequenciamento de genoma no sul da China, disse que abriu um laboratório em Wuhan capaz de testar 10.000 pessoas por dia.

‘Não saia’

Mais cidades estão ordenando que as pessoas fiquem dentro de casa. Eles incluem Hangzhou, a 175 quilômetros de Xangai, onde cercas bloqueiam ruas e alto-falantes dizem às pessoas: “Não saiam!”

A crise do coronavírus na China piorou
Imagem crédito: Fox Business.

Em Pequim – onde as ruas permanecem estranhamente silenciosas – os restaurantes foram impedidos de aceitar reservas para festas. E em Nanchang, capital da província de Jiangxi, na fronteira com Hubei, os farmacêuticos devem enviar relatórios às autoridades sobre quem compra febre ou remédio para tosse.

O surto também atingiu grandes empresas.

Trabalhadores que fabricam iPhones na fábrica da gigante de tecnologia Foxconn na província de Henan, na fronteira com Hubei, ficam em quarentena por até duas semanas, informou a empresa.

A China disse que reduzirá pela metade as tarifas de US $ 75 bilhões em importações dos EUA, como parte de uma trégua comercial com Washington e enquanto as autoridades buscam acalmar os mercados, irritados pelo surto.

Continuaremos atentos a crise do coronavírus na China e pelo resto do mundo.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.