Cientistas descobrem como controlar a malária sem produtos químicos!

Os cientistas finalmente encontraram o calcanhar de Aquiles da malária, uma neurotoxina que não é prejudicial a seres vivos, exceto os mosquitos Anopheles, que disseminam a malária. Agora será possível controlar a malária mais mortal sem o uso de produtos químicos.

Controlar a Malária

Quase metade da população mundial vive em áreas vulneráveis ​​à malária, que mata cerca de 450.000 pessoas por ano, a maioria crianças e mulheres grávidas. O progresso para controlar a malária está ameaçado, já que os Anopheles desenvolvem resistência aos inseticidas químicos usados ​​para controlá-los. Há também uma grande preocupação com os efeitos colaterais tóxicos dos produtos químicos.

Cerca de 30 anos atrás, os cientistas identificaram uma variedade de bactérias que matam Anopheles. Como o método de ataque das bactérias não era compreendido, não podia ser replicado ou usado como uma alternativa aos inseticidas químicos – isso… até agora.

Uma equipe internacional liderada por Sarjeet Gill, professor de biologia molecular, celular e de sistemas da Universidade da Califórnia, identificou uma neurotoxina produzida pelas bactérias e determinou como ela mata Anopheles.

Gill e sua equipe levaram 10 anos para alcançar um avanço em sua busca para entender as bactérias, e Gill atribui o sucesso às modernas técnicas de sequenciamento de genes. Eles atingem as bactérias com radiação, criando cepas bacterianas mutantes que não poderiam produzir a toxina. Ao comparar a cepa não tóxica com a que mata Anopheles, eles encontraram proteínas nas bactérias que são a chave para a produção de toxinas.

“Identificar os mecanismos pelos quais as bactérias atacam Anopheles não foi fácil, nós estávamos empolgados não apenas em descobrir a neurotoxina, chamada PMP1, mas também várias proteínas que provavelmente protegem o PMP1 quando ele está sendo absorvido no intestino do mosquito”, disse o professor Gill ao 4Medic.

Muitas neurotoxinas geralmente têm como alvo vertebrados, e o PMP1 tem 30% de similaridade química com botulina ou tétano, ambos altamente tóxicos para humanos. Como a neurotoxina não afeta seres humanos, vertebrados, peixes ou até mesmo outros insetos, Gill acredita que as bactérias que produzem PMP1 provavelmente co-evoluíram junto com os mosquitos Anopheles.

“Foi surpreendente para nós que o PMP1 não é tóxico para ratos, mesmo por injeção”, disse Gill.

Controlar a Malária - Mosquito Anopheles gambiae
Mosquito da malária da espécie Anopheles gambiae.

Essas descobertas também abrem as portas para novas avenidas de pesquisa sobre inseticidas adicionais que não agridem os seres humanos e o meio ambiente.

O estudo detalhado foi publicado na conceituada revista médica científica Nature Communications que gentilmente compartilhou algumas informações com a nossa equipe do 4Medic.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral. As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. .Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.