Estudo mostra com detalhes como as cicatrizes se formam!

Cicatrizes anormais são uma ameaça séria que resulta em feridas crônicas ou fibrose não cicatrizantes. Quando os fibroblastos, um tipo de célula do tecido conjuntivo, atingem a pele ferida e depositam tampões da matriz extracelular, é assim como as cicatrizes se formam. Só que até hoje, a pergunta sobre a origem anatômica exata desses fibroblastos não foi respondida.

A fim de encontrar possíveis formas de influenciar o processo de cicatrização, a equipe do Dr. Yuval Rinkevich, Líder do Grupo de Biologia Regenerativa do Instituto de Biologia e Doenças Pulmonares de Helmholtz Zentrum München, Alemanha, procurou finalmente encontrar uma resposta.

Como já era sabido que todas as cicatrizes derivam de uma mesma linhagem de fibroblastos que expressa o gene Engrailed-1 – uma linhagem não apenas presente na pele, mas também na fáscia – os pesquisadores tentaram intencionalmente entender se a fáscia pode ou não ser a origem dos fibroblastos.

Kit de fibroblastos – pronto para curar feridas

Para descobrir, eles usaram uma série de técnicas, incluindo rastreamento de linhagem genética, mapeamento anatômico do destino e ablação genética, um método que em células selecionadas leva à apoptose ou morte celular. Isso extinguiu os fibroblastos da fáscia. Foi descoberto que nenhuma matriz foi incorporada às feridas e apenas cicatrizes anormais e prejudiciais à saúde com grandes desvantagens foram formadas.

Em outra abordagem, a equipe colocou um filme poroso sob a pele para impedir que os fibroblastos da fáscia migrassem para cima. Isso, no entanto, levou a feridas abertas crônicas. Os pesquisadores concluíram que a fáscia contém um kit pré-fabricado especializado de fibroblastos de sentinela, incorporado dentro de um selante móvel, que pré-monta todos os tipos de células e componentes da matriz necessários para curar feridas. Eles estão assumindo que o retorno guiado da fáscia inicia a resposta característica a lesões externas e internas.

Pesquisadores puderam provar como as cicatrizes se formam

As novas descobertas são importantes no contexto de garantir a sobrevivência: nos mamíferos, as lesões causadas por cicatrizes induzem uma resposta universal do tecido fibrótico que remenda rapidamente as feridas com cicatrizes – e, assim, previne infecções e sangramentos até a morte. A visão predominante no reparo de feridas era que as cicatrizes se formavam de novo por fibroblastos depositando uma matriz extracelular nos locais da lesão.

Com este estudo, os pesquisadores puderam provar como as cicatrizes se formam, através de reservatórios de geléia de matriz que são arrastados para feridas abertas por fibroblastos de sentinela embutidos na fáscia. Essas novas descobertas contradizem os paradigmas atuais de como as feridas são reparadas.

Novo Estudo mostra com detalhes como as cicatrizes se formam
As células da fáscia (verde) nascem em feridas dérmicas abertas, arrastando sua matriz circundante (magenta). Crédito: © Helmholtz Zentrum München / Donovan Correa -Gallegos

Novos métodos de cicatrização regenerativa sem cicatrizes

O conhecimento de que a fáscia é a origem das cicatrizes e a descoberta de novos mecanismos de reparo de feridas fornecem um novo espaço terapêutico para reduzir as respostas fibróticas patológicas e induzir a cicatrização regenerativa sem cicatrizes em vários contextos médicos.

“As descobertas de nossa pesquisa dão ao tecido da fáscia um novo papel para a ciência futura. Isso mudará a atenção da comunidade científica para não apenas olhar para fibroblastos na derme, mas também para células nativas na fáscia ao pesquisar a cicatrização de feridas”, diz o Dr Rinkevich.

Donovan Correa-Gallegos, co-autor do estudo comenta: “Nossas novas descobertas desafiam e reconfiguram a visão tradicional do sistema matricial do corpo do tecido conjuntivo. Isso está abrindo um novo conceito biológico que irradia para vários aspectos de doenças relacionadas à cicatrização”.

 

___________________________

Os resultados do estudo foram publicados na conceituada revista Nature.

* “Patch repair of deep wounds by mobilized fascia” – 2019.

Autores do estudo: Donovan Correa-Gallegos, Dongsheng Jiang, Simon Christ, Pushkar Ramesh, Haifeng Ye, Juliane Wannemacher, Shruthi Kalgudde Gopal, Qing Yu, Michaela Aichler, Axel Walch, Ursula Mirastschijski, Thomas Volz & Yuval Rinkevich – 10.1038/s41586-019-1794-y

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.