Medicamentos antiarrítmicos: a obesidade limita a sua eficácia?

A fibrilação atrial, também conhecida como AFib ou AF, é o tipo mais comum de batimento cardíaco irregular e está associada ao aumento da mortalidade. Embora os pesquisadores tenham identificado um nexo de causalidade entre obesidade e AFib, o mecanismo subjacente de como a obesidade contribui para a arritmia cardíaca ainda é desconhecido.  Um novo estudo de pesquisadores da Universidade de Illinois em Chicago (UIC), EUA, é o primeiro a mostrar que alguns medicamentos antiarrítmicos usados ​​para tratar o AFib são menos eficazes em pacientes obesos.

Um estudo mais detalhado sobre medicamentos antiarrítmicos

De acordo com Dr. Dawood Darbar da UIC, autor sênior do estudo, a resposta sobre os medicamentos antiarrítmicos para o tratamento para AFib é altamente variável e imprevisível. Não há diretrizes para sugerir se os medicamentos de classe I – que funcionam nos canais de sódio no coração para regular os batimentos cardíacos – ou os medicamentos de classe III – aqueles direcionados aos canais de potássio – funcionam melhor e em quais pacientes. Anteriormente, supunha-se que os dois fármacos antiarrítmicos fossem igualmente eficazes na prevenção de recorrências de AFib.

No novo estudo, o Dr Darbar e seus colegas mostraram que o tratamento medicamentoso de Classe I mostrou taxas aumentadas de recorrências de AFib em pacientes obesos em comparação com pacientes não obesos – aproximadamente 30% dos pacientes obesos tiveram recorrência de AFib, em comparação com apenas 6% dos pacientes não obesos. Este efeito não foi observado entre os pacientes tratados com medicamentos de classe III.

Resultados semelhantes foram replicados em um estudo com camundongos obesos e não obesos.

Medicamentos antiarrítmicos a obesidade é capaz de limitar a sua eficácia“Esta é a primeira vez que alguém mostra que há uma resposta diferencial aos medicamentos antiarrítmicos para o AFib. Como 50% dos pacientes em nosso Registro AFib são obesos, isso nos proporcionou uma oportunidade única de determinar se a obesidade afetou a resposta ao tratamento medicamentoso para o AFib. Nosso estudo fornece novas informações que os médicos podem usar para orientar suas decisões em pacientes obesos com AFib. Isso pode afetar particularmente a saúde das minorias étnicas com maior probabilidade de sofrer de obesidade”, disse o Dr Darbar, que é professor e chefe de cardiologia da Faculdade de Medicina da UIC.

Mais de 50% dos pacientes obesos no estudo faziam parte de um grupo étnico minoritário. Embora a prevalência de AFib seja baixa nas populações de minorias étnicas, seus resultados são mais graves.

“Com o aumento da epidemia de obesidade, deixa essas populações em risco. Ter opções de tratamento para gerenciar melhor o AFib melhoraria muito a qualidade de vida e poderia evitar o risco de complicações sérias, como o derrame, que pode causar morte precoce”, concluiu o Dr Darbar.

Agora os pesquisadores esperam finalmente descobrir o mecanismo subjacente de como a obesidade impede os medicamentos antiarrítmicos de Classe I e encontrar novas e direcionadas opções de tratamento com AFib.

 

______________________

Os resultados deste estudo, que acompanharam mais de 300 pacientes no Registro UIC AFib, foram publicados na revista médica JAMA Cardiology.

* “Association Between Obesity-Mediated Atrial Fibrillation and Therapy With Sodium Channel Blocker Antiarrhythmic Drugs” – 2019.

Autores do estudo: Dawood Darbar, Aylin Ornelas, Shinwan Kany, Vihas Abraham, Zain Alzahrani, Faisal A. Darbar, Arvind Sridhar, Maha Ahmed, Ihab Alamar, Ambili Menon, Meihang Zhang, Yining Chen, Liang Hong, Sreenivas Konda – 10.1001/jamacardio.2019.4513

 

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.