Encontrada regiões do cérebro que estimulam o combate ao estresse!

Uma equipe de pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Nagoya, no Japão, encontrou o que eles descrevem como o principal condutor principal das respostas psicossociais de combate ao estresse em camundongos.

O combate ao estresse

O estresse em humanos é um tipo de tensão mental e emocional que normalmente resulta de circunstâncias adversas ou exigentes. Também é muitas vezes acompanhada de reações físicas, como sudorese, aumento da frequência cardíaca ou aumento da pressão arterial. Pesquisas anteriores sugeriram que o estresse é um remanescente remanescente do passado distante, quando os ancestrais humanos desenvolveram uma forte luta ou fuga da resposta às ameaças.

Nos tempos modernos, essa resposta raramente é necessária, mas pode ser desencadeada por eventos menos ameaçadores à vida, como ser mastigado por um chefe. Pesquisas anteriores também mostraram que pessoas que sofrem de estresse regularmente tendem a ter experiências negativas de saúde, como hipertensão. Por esse motivo, os cientistas estudam o estresse para aprender mais sobre os fatores subjacentes e determinar se pode haver uma maneira de atenuar seu impacto no corpo. Nesse novo esforço, os pesquisadores procuraram encontrar o mecanismo de controle do estresse em camundongos.

O trabalho envolvia injetar traçadores nos cérebros dos camundongos e depois submetê-los a um evento estressante – assédio moral por um camundongo intimidador. Os rastreadores permitiram aos pesquisadores ver quais partes do cérebro foram ativadas quando os camundongos experimentaram estresse.

Novas regiões do cérebro que estimulam o combate ao estresseOs pesquisadores relatam que duas regiões relativamente inexploradas do cérebro de camundongos se tornaram ativas sob a condição de estresse – a tenia tecta dorsal e o córtex peduncular dorsal. Uma análise mais detalhada das duas regiões do cérebro mostrou que elas estavam envolvidas no envio de sinais para o hipotálamo – mas apenas quando o camundongo estava sofrendo estresse.

Os pesquisadores descobriram que desativar a sinalização resultou em uma redução dos sintomas de estresse nos camundongos, mas não interferiu em outras funções corporais. Eles sugerem que as duas regiões do cérebro compreendem o principal condutor principal das respostas psicossociais ao estresse em camundongos.

 

___________________________

O estudo com detalhes foi na revista Science.

* “A central master driver of psychosocial stress responses in the rat” – 2020.

Autores do estudo: Naoya Kataoka, Yuta Shima, Keisuke Nakajima, Kazuhiro Nakamura – 10.1126/science.aaz4639

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.