Estudo mostra que cigarro eletrônico pode ser recurso para parar de fumar

Quase 70% dos adultos que eram usuários de cigarro convencional e cigarro eletrônico relataram usar o último para parar de fumar, de acordo com uma pesquisa representativa nacional, quatro em cada cinco pessoas que eram ex-fumantes de cigarro disseram que usaram o cigarro eletrônico para ajudá-los a parar.

Usuários de cigarros eletrônicos que eram fumantes ou ex-fumantes tendiam a ser mais velhos, enquanto os nunca fumantes que relataram o uso eram adultos mais jovens, disse Margaret Mayer, PhD, do Tobacco Control Research Branch do National Cancer Institute em Bethesda, Maryland. Quase dois terços dos usuários de cigarros eletrônicos que nunca fumaram na amostra tinham entre 18 e 24 anos.

Os resultados do estudo transversal, publicado online no JAMA Network Open, sugerem que uma grande porcentagem de fumantes adultos utilizam a alternativa ajudá-los a parar de fumar, Mayer e colegas disseram, acrescentando, no entanto, que ainda não está claro se isso estratégia é eficaz para a cessação do tabagismo.

“Este tipo de estudo não pode realmente nos dizer se a vaporização é ou não eficaz para ajudar as pessoas a parar de fumar”, disse Mayer ao MedPage Today. “Esse tipo de pergunta só pode ser respondida com estudos longitudinais e com ensaios clínicos.”

O que a análise transversal fez foi identificar padrões associados ao uso de cigarros eletrônicos entre adultos: “Vimos que uma alta proporção de pessoas em todas as faixas etárias que são ex-fumantes ou fumantes atuais relatam que usam cigarros eletrônicos para ajudá-los a tentar parar”, disse Mayer.

O estudo incluiu dados do Suplemento de Uso de Tabaco de 2018-2019 para a Pesquisa da População Atual, que é a maior pesquisa representativa de uso de tabaco entre adultos nos EUA.

Como o estudo foi conduzido

A amostra incluiu pouco mais de 135.000 adultos com dados sobre o uso de cigarro e cigarro eletrônico, incluindo cerca de 74.000 mulheres (amostra ponderada, 51,9%). Cerca de 11%, 18% e 70% dos incluídos na amostra eram, respectivamente, fumantes atuais, ex-fumantes e nunca fumantes.

Estimando o uso atual de cigarros eletrônicos por 2,3% dos adultos dos EUA (5,66 milhões de adultos), a pesquisa descobriu que, entre os usuários atuais de cigarros eletrônicos, 39% também eram fumantes atuais, 38% eram ex-fumantes e 23% nunca fumaram.

Em todas as categorias demográficas (sexo, raça/etnia, educação), a maioria dos usuários ativos de cigarros eletrônicos eram fumantes ou ex-fumantes.

Entre as principais conclusões do estudo:

  • 63,4% dos nunca fumantes que utilizaram cigarros eletrônicos tinham entre 18 e 24 anos e 23,8% tinham entre 25 e 34 anos
  • Entre os atuais usuários de cigarro convencional e cigarro eletrônico, 69,3% relataram usar o cigarro eletrônico para tentar parar de fumar
  • Entre ex-fumantes que relataram uso atual do eletrônico, 80,7% relataram que haviam usado a alternativa para ajudar a parar de fumar

Mayer disse que a alta prevalência do uso de cigarro eletrônico entre pessoas de 18 a 24 anos que nunca fumaram é preocupante: “Nessa idade, o cérebro ainda está se desenvolvendo e sabemos que a nicotina pode afetar o desenvolvimento do cérebro”.

Ela acrescentou que os efeitos para a saúde do uso de cigarro convencional e cigarro eletrônico ainda não são conhecidos.

De acordo com o CDC, 3,2% dos adultos nos EUA eram usuários atuais de cigarros eletrônicos em 2018, e cerca de metade desses indivíduos também fumava.

Uma investigação do CDC publicada em 2017 descobriu que 35% dos fumantes adultos que tentavam parar de fumar usavam cigarros eletrônicos como forma de ajudá-los a fazer isso. Mas os dados também sugerem que uma grande porcentagem de adultos que utilizam o eletrônico também fumam o tradicional, questionando a eficácia do uso do cigarro eletrônico para parar de fumar.

Uma revisão da Cochrane de 2016 de dois ensaios clínicos randomizados que acompanharam os participantes por pelo menos 6 meses descobriu que o uso de cigarros eletrônicos com nicotina foi mais eficaz para parar de fumar do que o uso sem nicotina, mas os revisores julgaram a qualidade da evidência como baixa.

Um estudo randomizado de 2019 descobriu que o uso do cigarro eletrônico é mais eficaz para a cessação do tabagismo do que a terapia de reposição de nicotina (nicotine-replacement therapy [NRT]), com uma taxa de abstinência de 1 ano de 18% relatada no grupo do cigarro eletrônico versus 9,9% no grupo NRT.

Conclusão dos autores

No final do acompanhamento de um ano, 80% das pessoas que usaram cigarros eletrônicos para parar de fumar ainda estavam fumando, enquanto apenas 9% das pessoas no braço de estudo da NRT ainda estavam usando produtos de reposição de nicotina.

A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA concluiu em um relatório de 2015 que as evidências são insuficientes para recomendar a favor ou contra o uso de sistemas eletrônicos de entrega de nicotina para a cessação do tabagismo em adultos.

Em vez disso, o grupo aconselhou que os profissionais de saúde recomendassem intervenções com eficácia comprovada, como aconselhamento pessoal ou por telefone ou farmacoterapia aprovada pela FDA.

________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network Open

* “Demographic Characteristics, Cigarette Smoking, and e-Cigarette Use Among US Adults” – 2020

Autores do estudo: Margaret Mayer, Carolyn Reyes-Guzman, Rachel Grana, Kelvin Choi, Neal D. Freedman – 10.1001/jamanetworkopen.2020.20694

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.