Tratamento para a constipação durante o período do pós-parto

Problema a ser investigado

A constipação durante o período pós-parto é um distúrbio intestinal, caracterizado por sintomas como dor ou desconforto, esforço, fezes duras e grumosas e uma sensação de evacuação intestinal incompleta.

A administração de enemas antes do parto, a capacidade da mulher de comer durante o trabalho de parto ativo e hábitos alimentares irregulares e alterados durante os primeiros dias após o parto podem ter uma influência sobre os movimentos intestinais no futuro.

Importância do estudo

Dor e desconforto durante a defecação podem ser uma fonte de preocupação para a nova mãe, que está se recuperando do estresse do parto, especialmente se ela tiver reparado as lacerações perineais ou tiver desenvolvido hemorroidas.

A constipação pós-parto pode ser estressante devido à pressão indevida na parede retal, levando a inquietação e defecação dolorosa, o que pode afetar a qualidade de vida da mãe e do recém-nascido.

Evidências encontradas

Os autores buscaram ensaios clínicos até 7 de outubro de 2019. Não foram encontrados novos ensaios que atendessem aos critérios de inclusão, portanto, foram incluídos ocinco ensaios iniciais (envolvendo um total de 1.208 mulheres) na atualização. No geral, os ensaios foram mal relatados e quatro em cada cinco ensaios foram publicados há mais de 40 anos. Quatro estudos compararam um laxante com um placebo.

Dois estudos avaliaram os efeitos dos laxantes que recentemente soube-se que podem ser prejudiciais para as mães que amamentam. Foi demonstrado que um medicamento, o Danthron, causa câncer em animais e o outro, o acetato de bisoxatina, não é mais recomendado durante a amamentação. Portanto, não foram acrescentados os resultados desses estudos nos principais achados.

Os ensaios não analisaram a dor ou esforço ao defecar, incidência de constipação ou qualidade de vida, mas avaliaram o tempo até a evacuação pela primeira vez.

Em um estudo que avaliou os efeitos da senna em comparação com o grupo do placebo, mais mulheres no grupo laxante evacuaram no dia do parto e menos mulheres evacuaram pela primeira vez nos dias 2 e 3, enquanto os resultados foram inconclusivos entre os grupos nos dias 1 e 4 após o parto.

Mais mulheres tiveram cólicas abdominais em comparação com as mulheres no grupo do placebo, os bebês cujas mães receberam o laxante não tinham maior probabilidade de apresentar fezes moles ou diarreia.

A evidência para todos esses resultados é amplamente incerta, pois existem sérias preocupações sobre o risco de viés, e os resultados são todos baseados em um pequeno estudo realizado em uma única instituição na África do Sul.

Um estudo comparou um laxante mais um agente de aumento de fezes (casca de ispaguula) a um laxante apenas para mulheres que se submeteram a cirurgia para reparar uma ruptura de terceiro grau do períneo (envolvendo os músculos do esfíncter anal interno ou externo) que ocorreu durante o parto vaginal.

O ensaio relatou dor ou esforço ao defecar, mas não encontrou uma diferença clara na pontuação da dor entre os grupos.

O estudo relatou que as mulheres que receberam laxante mais um agente para aumentar as fezes tinham maior probabilidade de apresentar incontinência fecal no período pós-parto imediato. No entanto, a evidência é muito incerta. O estudo não relatou quaisquer efeitos adversos no bebê.

O que isto significa?

Não há evidências suficientes de ensaios clínicos randomizados sobre a eficácia e segurança dos laxantes durante o período pós-parto inicial para tirar conclusões gerais sobre seu uso para prevenir a constipação.

Não foi identificado nenhum ensaio avaliando intervenções educacionais ou comportamentais, como dieta rica em fibras e exercícios. São necessários estudos grandes e de alta qualidade sobre esse tópico, especificamente sobre intervenções não médicas para prevenir a constipação pós-parto, como conselhos sobre dieta e atividade física.

Conclusão dos autores

Não há evidências suficientes para tirar conclusões gerais sobre a eficácia e segurança dos laxantes para prevenir a constipação pós-parto. A evidência na revisão foi avaliada como evidência de baixa a muito baixa certeza, com decisões de rebaixamento baseadas em limitações no desenho do estudo.

Não foram identificados quaisquer ensaios que avaliem intervenções educacionais ou comportamentais. Os autores encontraram quatro estudos que examinaram laxantes versus placebo e um que examinou laxantes versus laxantes mais agentes de volume de fezes.

Além disso, estudos rigorosos são necessários para avaliar a eficácia e segurança dos laxantes durante o período pós-parto para prevenir a constipação. Os ensaios devem avaliar as intervenções educacionais e comportamentais e as posições que aumentam a defecação.

Eles devem relatar os resultados primários desta revisão: dor ou esforço ao defecar, incidência de constipação pós-parto, qualidade de vida, tempo para a primeira evacuação após o parto e efeitos adversos causados ​​pela intervenção, como: náusea ou vômito, dor e flatos.

___________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Interventions for preventing postpartum constipation” – 2020

Autores do estudo: Eunice B Turawa, Alfred Musekiwa, Anke C Rohwer – 10.1002/14651858.CD011625.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.