COVID-19: Jovens fumantes são um grupo de risco preocupante

COVID-19 se espalhou pelo mundo, infectando milhões e resultando em centenas de milhares de mortes. Recursos substanciais foram investidos na compreensão da vulnerabilidade individual, a fim de proteger aqueles que correm maior risco.

A idade é o fator de risco mais citado: 75% das mortes nos EUA ocorreram em pessoas com mais de 65 anos, enquanto os mais jovens geralmente apresentam sintomas mais leves.

Além da idade, o Center for Disease Control delineou uma lista de fatores de saúde que aumentam a vulnerabilidade, a maioria dos quais são doenças crônicas que geralmente alteram o estado de saúde.

O fator de risco mais modificável para infecção grave por COVID-19 é o uso de substâncias inaladas através do fumo ou vaporização.

Vape e cigarro aumentam o risco de sintomas de COVID em adultos jovens

Um novo estudo publicado no Journal of Adolescent Health usou dados nacionais para estimar o número de fumantes e vapores no risco de COVID-19 para adultos jovens.

A equipe descobriu que, no geral, quase um em cada três jovens adultos com idades entre 18 e 25 anos nos Estados Unidos correm maior risco, embora esse número caia para um em seis entre aqueles que não fumam ou vaporizam. Em outras palavras, fumar e vaporizar duplica o número de adultos jovens na categoria de risco.

A categorização de risco é mais do que uma preocupação teórica. Fumar e vaporizar causam lesões pulmonares que ameaçam a reserva pulmonar.

O uso de substâncias também pode enfraquecer o sistema imunológico, resultando na redução da capacidade de combater infecções.

Um estudo recente descobriu que adolescentes e jovens adultos que fumam e utilizam o vape têm cinco vezes mais probabilidade de relatar sintomas de COVID-19 e sete vezes mais probabilidade de ter um diagnóstico, em comparação com seus pares.

Uma análise combinada usando dados de vários estudos descobriu que entre as pessoas infectadas com COVID-19, aqueles com histórico de tabagismo tinham duas vezes mais probabilidade de ter progressão da doença.

Assumir riscos durante a adolescência pode significar maior risco para COVID-19

Durante a adolescência e a idade adulta jovem, os cérebros em desenvolvimento são programados para buscar grandes recompensas neurológicas, resultando na assunção de riscos associados a essa fase da vida.

A maioria dos adultos jovens desfruta de boa saúde e reserva fisiológica saudável, o que lhes permite tolerar as consequências do uso de substâncias sem impacto perceptível, até que os efeitos cumulativos ocorram na idade adulta média – ou pelo menos esse era geralmente o caso antes da pandemia de COVID-19.

Ao contrário de outros fatores de risco para doença COVID-19 grave, fumar e vaporizar também aumenta inerentemente o risco de transmissão do vírus respiratório.

Ambos envolvem expirar com força, o que pode impulsionar gotículas que carregam partículas virais além da respiração em repouso.

O governo canadense recomenda que as pessoas permaneçam a dois metros de distância e evitem compartilhar produtos, embora as pessoas que se reúnem para fumar ou vaporizar possam não seguir as diretrizes do governo. Nem é preciso dizer que fumar e vaporizar são incompatíveis com o uso de máscara.

Esses fatores se combinam para representar uma ameaça real em locais onde os jovens se reúnem – incluindo faculdades e universidades. As escolas seriam espertas em instituir regras estritas de proibição de fumar e proibir vapores e aplicá-las vigorosamente como parte de um plano de contenção COVID-19.

Pessoas mais jovens podem ter excesso de confiança sobre os riscos à saúde

Os jovens tendem a superestimar sua própria capacidade de controlar uma situação e pensar em si mesmos como invencíveis, muitos tendem a pensar que conseguirão parar de fumar quando quiserem.

Um pouco de confiança extra pode ser útil durante a transição para a idade adulta, mesmo se baseada em uma avaliação falha das próprias capacidades. Mas a mesma tendência pode causar problemas reais nesta pandemia.

A ideia de que os mais jovens estão protegidos do COVID-19 é imprecisa: de acordo com um relatório anterior do CDC, uma em cada cinco pessoas de 20 a 44 anos que foram infectadas é hospitalizada e 2% a 4% precisam de tratamento em uma unidade de terapia intensiva.

A melhor coisa a se fazer pelos jovens é divulgar informações precisas sobre seus verdadeiros riscos. Mais do que qualquer outro grupo, os jovens adultos que conseguem parar de fumar e vaporizar têm o poder de nivelar suas próprias curvas de risco pessoal.

Apoiando jovens que querem parar de fumar

Os pais e os profissionais de saúde também têm um papel a desempenhar aqui. Muitos jovens que usam produtos de vaporização consideraram seriamente desistir, mas as tentativas de parar nem sempre duram.

O vaping é tão novo que tratamentos específicos ainda não foram rigorosamente testados, mas existem tratamentos eficazes para os distúrbios do uso da nicotina.

Os profissionais de saúde podem prescrever medicamentos que ajudam a aliviar os sintomas de abstinência e prevenir ânsias, e os conselheiros podem fornecer suporte durante o processo.

Os pais podem ajudar incentivando seus filhos a buscarem ajuda. Para as pessoas que estão tentando parar de usar a nicotina, um pouco de ajuda pode ajudar muito.

_______________________

O estudo original foi publicado no Journal of Adolescent Health

* “Association Between Youth Smoking, Electronic Cigarette Use, and Coronavirus Disease 2019” – 2020

Autores do estudo: Shivani Mathur Gaiha, Jing Cheng, Bonnie Halpern-Felsher – 10.1016/j.jadohealth.2020.07.002

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.