Cientistas investigam tratamento com dolutegravir em gestantes com HIV

A incidência de defeitos do tubo neural entre filhos de mulheres grávidas que tomam o inibidor da integrase dolutegravir – o agente principal do tratamento para a infecção pelo HIV – foi menor em um novo estudo do que apareceu inicialmente quando a terapia foi lançada pela primeira vez em Botsuana.

Em sua apresentação virtual na International AIDS Conference, Rebecca Zash, MD, do Beth Israel Deaconess Medical Center, em Boston, disse: “Após um período de declínio desde o sinal de segurança original, a prevalência de defeitos do tubo neural em bebês nascidos de mulheres em dolutegravir na concepção estabilizou em aproximadamente dois por 2.000”.

Isso é cerca do dobro da taxa da população de base em Botsuana, onde o estudo foi realizado, mas aproximadamente um décimo da taxa de 0,94% relatada originalmente – um nível que alarmou pesquisadores e clínicos.

“Desde 2014, o Estudo Tsepamo realiza vigilância dos resultados do nascimento em maternidades do governo em todo o país, conduzido pelo Botswana Harvard AIDS Institute Partnership, que é financiado pelos Institutos Nacionais de Saúde”, disse Zash.

“O Tsepamo foi originalmente projetado para estudar defeitos do tubo neural com exposição ao efavirenz na concepção e para outros resultados adversos ao nascimento pelo status de HIV e uso de anti-retrovirais”, disse Zash. “O dolutegravir foi lançado em 2016 em toda a Botsuana, permitindo a inclusão em análises comparativas. A vigilância original incluiu oito locais em Botsuana e, em seguida, foi expandida para incluir 16 locais que cobrem cerca de 70% de todos os nascimentos no país”.

Como o estudo foi conduzido

Na primeira análise, em abril de 2018, os pesquisadores relataram a observação de quatro defeitos do tubo neural entre 426 nascimentos em que as mulheres usavam dolutegravir na concepção – uma taxa de 0,94%. “Essa é uma taxa de quase um defeito do tubo neural por 100 nascimentos, que foi muito superior à prevalência esperada de dois defeitos do tubo neural por 1.000 nascimentos, e também significativamente mais alta do que todos os outros grupos comparadores que incluíram mulheres em esquemas não-dolutegravir e mulheres em efavirenz “, disse Zash. Isso comparado a uma taxa de 0,09% para mães HIV negativas, a taxa de mulheres que usavam efavirenz foi de 0,05%, ela relatou.

Zash observou que essas descobertas iniciais impediram o lançamento global do dolutegravir. Na reunião da International AIDS Society na Cidade do México em 2019, a Tsepamo relatou números atualizados. De maio de 2018 a março de 2019, houve um total acumulado de cinco defeitos no tubo neural entre 1.683 mulheres que estavam em uso de dolutegravir na concepção, diminuindo a taxa para 0,30%. “Embora isso tenha sido menor do que o relatório inicial, ainda permaneceu mais alto do que os grupos comparativos”, disse Zash.

No período mais recente do relatório, de 1 de abril de 2019 a 30 de abril de 2020, houve dois defeitos do tubo neural entre 1.908 exposições adicionais ao dolutegravir, uma taxa de 0,19%. Isso eleva o total de sete defeitos do tubo neural entre 3.591 mulheres expostas ao dolutegravir na concepção.

“Isso agora está estabilizado com 2 defeitos no tubo neural por 1.000 nascimentos, o que é cerca de 0,1% maior que o efavirenz e as mulheres que não têm HIV”, disse ela. “Esse pequeno aumento absoluto do risco é realmente superado pelos benefícios potenciais da terapia baseada em dolutegravir. Nossos dados tranquilizadores contínuos devem permitir o uso em mulheres”, disse Zash.

Conclusão dos autores

Monica Gandhi, MD, MPH, da University of California em São Francisco, que moderou uma conferência de imprensa online na qual Zash discutiu os resultados, disse ao MedPage Today: “Acho que é a hora de descansarmos, dados os benefícios incríveis do dolutegravir na terapia combinada para homens e mulheres. Mas no futuro, precisamos fazer estudos com qualquer medicamento em número adequado de mulheres, inclusive em mulheres grávidas”.

“Este é um tópico importante porque é um medicamento amplamente utilizado em todo o mundo”, disse Gandhi. “Dolutegravir é agora terapia de primeira linha nas diretrizes de tratamento da Organização Mundial da Saúde”.

Judith Currier, MD, co-diretora do Center for AIDS Research and Education at the University of California em Los Angeles, comentou que “acho esses resultados tranquilizadores e acho que o medicamento é seguro e eficaz na gravidez. O monitoramento contínuo ajudará a fornecer mais informações”.

“O que a história do Tsepamo nos contou”, disse Zash, “é que as mulheres não são uma população de nicho no HIV. Elas formam metade das pessoas que vivem com o HIV e manter a igualdade de gênero nos resultados do tratamento do HIV realmente requer dados de segurança da gravidez. Esta é uma lição importante não apenas para estudos futuros sobre o HIV, mas também para o coronavírus, que afeta mulheres em idade reprodutiva. Se não incluirmos mulheres grávidas em ensaios com drogas e vacinas COVID-19, realmente não estamos protegendo-as”.

__________________________

O estudo original foi publicado na International AIDS Conference

* “Update on neural tube defects with antiretroviral exposure in the Tsepamo Study, Botswana” – 2020

Autores do estudo: Zash R, et al – Estudo/Post original

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.