Histórico de infertilidade pode elevar o risco de AVC no futuro

Um histórico de infertilidade, aborto recorrente ou natimorto pode ser um fator de risco para acidente vascular cerebral (AVC) mais tarde na vida, de acordo com uma análise de oito estudos de coorte prospectivos.

Entre mais de 600.000 mulheres, a infertilidade foi associada a um risco aumentado de acidente vascular cerebral não fatal, enquanto uma história de pelo menos três abortos foi associada a riscos mais elevados de acidente vascular cerebral não fatal e acidente vascular cerebral fatal, relatou Gita Mishra, PhD, da Universidade de Queensland, na Austrália, e colegas.

Além disso, aqueles que tiveram um natimorto tiveram um risco 31% maior de acidente vascular cerebral não fatal, e aqueles que tiveram um histórico de natimorto recorrente tiveram um risco 26% maior de acidente vascular cerebral fatal, observaram no The BMJ

.

“Um histórico de abortos recorrentes e morte ou perda de um bebê antes ou durante o nascimento pode ser considerado um fator de risco específico para o AVC feminino, com diferenças de risco de acordo com os subtipos de AVC”, concluíram Mishra e sua equipe. “Essas descobertas podem contribuir para melhorar o monitoramento e a prevenção de AVC para mulheres com esse histórico”.

Análises por subtipos de acidente vascular cerebral não fatal mostraram que a infertilidade estava associada a um risco aumentado de acidente vascular cerebral isquêmico, enquanto as mulheres com aborto recorrente eram mais propensas a sofrer acidente vascular cerebral isquêmico e hemorrágico versus mulheres sem aborto espontâneo.

Quanto ao AVC fatal, as mulheres com abortos recorrentes eram mais propensas a sofrer AVC fatal isquêmico e hemorrágico, e aquelas com natimortos recorrentes eram mais propensas a ter AVC fatal hemorrágico.

Mishra e equipe observaram que a ligação entre infertilidade e aumento do risco de acidente vascular cerebral pode ser devido a distúrbios como síndrome do ovário policístico e insuficiência ovariana prematura, enquanto a disfunção endotelial pode explicar o aumento do risco de acidente vascular cerebral em mulheres com histórico de natimorto recorrente ou aborto espontâneo.

Detalhes do estudo

Para esta análise, Mishra e colegas analisaram dados de 618.851 mulheres com idades entre 32 e 73 anos de oito estudos de sete países – China, Suécia, Holanda, Reino Unido, Japão, Austrália e EUA – como parte do InterLACE (International Collaboration for a Life Course Approach to Reproductive Health and Chronic Disease Events). Das mulheres incluídas, 275.863 tinham dados sobre acidente vascular cerebral fatal e não fatal: 9.265 (2,8%) sofreram um acidente vascular cerebral não fatal e 4.003 (0,7%) sofreram um acidente vascular cerebral fatal.

O acompanhamento médio foi de 13 anos após um acidente vascular cerebral não fatal e 9,4 anos após um acidente vascular cerebral fatal. As idades médias no momento do primeiro AVC não fatal e AVC fatal foram 62 e 71 anos.

Das mulheres incluídas, 17,2% apresentaram infertilidade, 16,6% aborto espontâneo e 4,6% natimorto.

Houve várias limitações para esta análise, os autores reconheceram. Como os dados sobre infertilidade, aborto espontâneo e natimorto foram coletados de questionários, o viés de memória é possível. Além disso, enquanto a maioria dos modelos se ajustava a certas comorbidades, outras, como endometriose, distúrbios da tireoide e doença inflamatória pélvica, não estavam disponíveis em todos os estudos.

__________________________

O estudo original foi publicado no The BMJ

“Infertility, recurrent pregnancy loss, and risk of stroke: pooled analysis of individual patient data of 618 851 women” – 2022

Autores do estudo: Chen Liang, PhD, Hsin-Fang Chung, Annette J Dobson, Kunihiko Hayashi, Yvonne T van der Schouw, Diana Kuh, Rebecca Hardy, Carol A Derby, Samar R El Khoudary, Imke Janssen, Sven Sandin, Elisabete Weiderpass, Gita D Mishra – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.