Pesquisadores analisam o melhor medicamento para eczema

Eczema é uma doença persistente que causa pele seca, gretada e com coceira. Pessoas com eczema leve têm pequenas manchas de pele seca, e pessoas com eczema moderado têm áreas da pele maiores, mais vermelhas ou inchadas.

Pessoas com eczema grave têm crostas vermelhas e pele quebrada (que pode vazar líquido) que se desenvolvem por todo o corpo.

Embora atualmente não haja cura para o eczema, existem tratamentos que visam aliviar os sintomas. Normalmente, a primeira opção de tratamento é aplicar cremes, pomadas ou líquidos na pele afetada. Se isso não funcionar, é possível tomar medicamentos orais ou injetáveis ​​(sistêmicos) que atuam em todo o corpo.

Muitos medicamentos sistêmicos estão disponíveis para o eczema. Para ajudar as pessoas a decidir qual é o mais apropriado para controlar seus sintomas, os autores revisaram as evidências sobre os benefícios e riscos de diferentes medicamentos sistêmicos para pessoas com eczema moderado ou grave.

Eles queriam principalmente saber:

  • se alguns medicamentos eram mais prováveis ​​do que outros de ter um efeito positivo importante sobre os sintomas (definido como uma melhoria de pelo menos 75% na área do eczema e índice de gravidade (EASI), ou melhoria na medida de eczema orientada para o paciente (POEM) —Duas escalas que são usadas por médicos para avaliar mudanças nos sintomas do eczema); e
  • se alguns medicamentos estão associados a eventos indesejados mais graves, incluindo infecção, do que outros.

Como os autores identificaram e avaliaram as evidências

Em primeiro lugar, a equipe procurou na literatura médica estudos randomizados controlados (estudos em que as pessoas são divididas aleatoriamente em diferentes grupos de tratamento) porque esses estudos fornecem as evidências mais robustas sobre os efeitos de um tratamento.

Em seguida, fizeram a comparação dos resultados do estudo e resumiram as evidências de todos os estudos.

Finalmente, eles avaliaram o quão certas eram as evidências. Para fazer isso, houve a consideração de fatores como a forma como os estudos foram conduzidos, o tamanho dos estudos e a consistência dos resultados entre os estudos. Com base nas avaliações, categorizaram as evidências como sendo de certeza muito baixa, baixa, moderada ou alta.

Principais resultados

Os autores encontraram 74 estudos que envolveram um total de 8.177 pessoas com eczema moderado a grave. Os estudos duraram entre 2 semanas e 60 meses. Os tratamentos recebidos variaram de uma única dose única a doses semanais durante 60 meses.

Estes estudos avaliaram 29 medicamentos diferentes, comparando-os com um placebo (tratamento falso) ou com outro medicamento, ou comparando diferentes doses do mesmo medicamento.

O medicamento mais estudado foi o dupilumabe (12 estudos), uma versão feita em laboratório de uma proteína que bloqueia partes do sistema imunológico envolvidas na causa do eczema.

Dupilumab versus placebo

Evidências de alta certeza mostram que, em comparação com um placebo ou outras proteínas feitas em laboratório, o dupilumabe melhora os sintomas de pessoas com eczema moderado a grave em curto prazo (dentro de 16 semanas de tratamento).

Não está claro se essa melhora é sustentada após 16 semanas porque nenhum estudo analisou as mudanças nas pontuações do POEM após esse período e porque a evidência dos estudos que mediram as pontuações EASI era de certeza muito baixa. O dupilumab pode estar associado a menos eventos indesejáveis ​​graves do que o placebo (evidência de baixa certeza).

Outros medicamentos sistêmicos versus placebo

As evidências sobre os benefícios e riscos de outros medicamentos sistêmicos em comparação com o placebo são limitadas porque nenhum estudo mediu seus efeitos na melhora dos sintomas ou efeitos indesejáveis ​​graves, ou porque a certeza das evidências é baixa ou muito baixa.

Comparando diferentes medicamentos sistêmicos entre si

Os revisores encontraram poucos estudos que compararam diferentes medicamentos sistêmicos uns com os outros para determinar qual funcionou melhor para pessoas com eczema moderado a grave.

O que isto significa

As evidências mostram que, em comparação com o placebo, o dupilumabe melhora os sintomas de pessoas com eczema moderado a grave dentro de 16 semanas de tratamento e pode estar associado a menos eventos indesejáveis ​​graves.

Os revisores encontraram poucos estudos robustos para concluir se o dupilumabe melhora os sintomas além de 16 semanas, ou se este medicamento funciona melhor do que os medicamentos sistêmicos mais antigos.

Estudos futuros precisam comparar diferentes tratamentos sistêmicos além de 16 semanas em pessoas com eczema moderado a grave.

Conclusão dos autores

Os resultados indicam que o dupilumabe é o tratamento biológico mais eficaz para o eczema. Em comparação com o placebo, o dupilumab reduz os sinais e sintomas do eczema a curto prazo para pessoas com eczema atópico moderado a grave.

Os resultados de segurança de curto prazo dos ensaios clínicos não revelaram novas preocupações de segurança com o dupilumab. No geral, a evidência da eficácia da maioria dos outros tratamentos imunossupressores para eczema atópico moderado a grave é de certeza baixa ou muito baixa.

Dada a falta de dados comparando os tratamentos biológicos convencionais com os mais novos para os resultados primários, permanece uma grande incerteza para classificar a eficácia e segurança dos tratamentos convencionais, como ciclosporina e tratamentos biológicos, como dupilumabe.

A maioria dos estudos foi controlada por placebo e avaliou apenas a eficácia de curto prazo dos agentes imunossupressores. Mais RCTs frente a frente com potência adequada devem avaliar a eficácia comparativa a longo prazo e a segurança dos tratamentos disponíveis para eczema moderado a grave.

_______________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Systemic treatments for eczema: a network meta‐analysis” – 2020

Autores do estudo: Sawangjit R, Dilokthornsakul P, Lloyd-Lavery A, Lai NM, Dellavalle R, Chaiyakunapruk N – 10.1002/14651858.CD013206.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.