Estudo avalia tratamentos disponíveis para câncer epitelial de ovário

O câncer epitelial de ovário, surgindo da camada superficial dos ovários ou do revestimento das trompas de Falópio, é o sétimo câncer mais comum em mulheres em todo o mundo e é a forma mais comum de câncer de ovário (aproximadamente 90% dos cânceres de ovário). Infelizmente, a maioria das mulheres com câncer de ovário se apresenta em um estágio avançado, quando a doença se espalhou pelo abdômen.

Isso ocorre porque o câncer de ovário geralmente surge das extremidades das trompas de Falópio, de onde células únicas podem cair na cavidade abdominal, mesmo quando o tumor primário é microscópico. Essas células circulam pela cavidade abdominal no fluido peritoneal lubrificante, se implantam em outras superfícies e crescem com o tempo até causar sintomas.

Mesmo assim, os sintomas, como inchaço e distúrbios intestinais (mais comumente constipação), são inespecíficos e facilmente atribuídos a condições benignas mais comuns. Na Europa, pouco mais de um terço das mulheres diagnosticadas com câncer de ovário estão vivas cinco anos após o diagnóstico.

O tratamento convencional para câncer de ovário envolve duas modalidades de tratamento: cirurgia e quimioterapia. A intenção da cirurgia é estadiar a doença (avaliar para onde o câncer se espalhou) e remover o máximo possível do câncer visível (macroscópico) (conhecido como citorredução, de preferência até o ponto em que a equipe cirúrgica não seja capaz para ver qualquer doença residual visível na cavidade abdominal.

No entanto, como a maioria das mulheres terá a doença disseminada, a cirurgia por si só provavelmente não curará a doença e a maioria também precisará de quimioterapia.

A quimioterapia para câncer de ovário usa medicamentos à base de platina para tratar células que não podem ser removidas por cirurgia (doença macroscópica) ou que são muito pequenas para serem vistas (doença microscópica). Tradicionalmente, a quimioterapia era administrada após a cirurgia.

No entanto, a quimioterapia pode ser usada antes da cirurgia (conhecida como quimioterapia neoadjuvante – NACT – e cirurgia de redução de volume – IDS) com o objetivo de reduzir o câncer e permitir que as mulheres melhorem antes de realizar uma cirurgia radical.

O que foi feito?

Os autores pesquisaram bancos de dados eletrônicos em 11 de fevereiro de 2019. Foram incluídos ensaios clínicos randomizados de NACT e IDS versus cirurgia seguida de quimioterapia (cirurgia de citorredução primária (PDS) em mulheres com diagnóstico de câncer de ovário epitelial em estágio avançado e dados de resultados de estudo agrupados quando apropriado.

Achados dos autores

Foram encontrados 1952 títulos potenciais. Destes, encontramos cinco estudos que atenderam aos nossos critérios de inclusão, incluindo um total de 1.713 mulheres com câncer de ovário avançado. A equipe foi capaz de reunir dados de quatro estudos.

Esses estudos compararam mulheres que receberam quimioterapia antes da cirurgia (NACT) com mulheres que se submeteram à cirurgia primeiro (PDS) antes da quimioterapia. Foi localizada pouca ou nenhuma diferença entre os dois tratamentos no que diz respeito ao tempo até a morte ou ao tempo até a progressão da doença.

Os autores descobriram que administrar NACT provavelmente reduz o risco de algumas complicações da cirurgia, mas esses dados foram menos bem relatados nos estudos incluídos e, portanto, há pouca certeza sobre esses resultados. Os estudos envolveram apenas mulheres com câncer de ovário em estágio IIIc/IV, ou seja, aquelas com doença avançada, uma grande proporção de mulheres nesta revisão tinha tumores muito volumosos.

No momento, a equipe está aguardando os resultados de dois estudos em andamento e um estudo não publicado que, esperançosamente, contribuirá com mais evidências para orientar a prática clínica nesta área no futuro.

O que isto significa?

No geral, a evidência era de certeza moderada. Provavelmente há pouca ou nenhuma diferença em quanto tempo as mulheres com câncer de ovário epitelial avançado sobreviverão, se elas fizerem quimioterapia ou cirurgia primeiro, onde ambos os tratamentos são planejados.

O NACT pode reduzir alguns dos riscos da cirurgia e provavelmente reduz pela metade o risco de precisar o intestino removido e/ou o intestino desviado através da parede abdominal por meio de um estoma (uma bolsa presa à parede abdominal para coletar o conteúdo intestinal).

NACT/IDS é uma alternativa ao PDS seguido por quimioterapia em mulheres com doença em estágio IIIc/IV volumosa. As decisões individuais sobre qual tratamento fazer primeiro dependerão dos desejos individuais da mulher, de quão bem ela está no momento do diagnóstico, dos riscos da cirurgia e da carga e distribuição da doença.

Conclusões dos autores

A evidência de certeza moderada disponível sugere que há pouca ou nenhuma diferença nos resultados de sobrevida primária entre PDS e NACT. O NACT pode reduzir o risco de eventos adversos graves, especialmente aqueles próximos ao momento da cirurgia, e a necessidade de ressecção intestinal e formação de estoma.

Esses dados informarão mulheres e médicos e permitirão que o tratamento seja adaptado à pessoa, levando em consideração a ressecabilidade cirúrgica, idade, histologia, estágio e status de desempenho. Dados de um estudo não publicado e estudos em andamento são aguardados.

__________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Chemotherapy versus surgery for initial treatment in advanced ovarian epithelial cancer” – 2021

Autores do estudo: Coleridge SL, Bryant A, Kehoe S, Morrison J – 10.1002/14651858.CD005343.pub5

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.