Identificado novos alvos para tumores cerebrais na infância!

Pessoas com a condição genética neurofibromatose tipo 1 (NF1) são propensas a desenvolver tumores no tecido do sistema nervoso. Um novo estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, EUA, descobriu que o desenvolvimento e crescimento de tais tumores são impulsionados por neurônios não-cancerosos e células imunológicas nas proximidades. Os resultados apontam para possíveis novos alvos terapêuticos para tumores cerebrais na infância.

Crianças com a condição genética neurofibromatose tipo 1 (NF1) podem desenvolver tumores cerebrais e nervosos. Se um tumor se desenvolver dentro do nervo óptico, que conecta o olho e o cérebro, a criança pode perder a visão.

Tumores cerebrais na infância

Novas pesquisas na Escola de Medicina da Universidade de Washington indicam que o crescimento desses tumores cerebrais é impulsionado por neurônios não cancerosos e células imunológicas próximas, e que o direcionamento às células imunológicas retarda o crescimento do tumor em camundongos. As descobertas apontam para novos tratamentos potenciais para tumores cerebrais de baixo grau em pessoas com NF1.

“O fato de células nervosas e células imunológicas interagirem para apoiar um tumor é uma nova maneira de pensar sobre como os tumores se desenvolvem e prosperam. Esses tumores estão surgindo no sistema nervoso, mas até recentemente, poucas pessoas consideravam que as próprias células nervosas poderiam estar desempenhando um papel no desenvolvimento e crescimento do tumor. Esses achados mostram que precisamos considerar as células nervosas como participantes, se não essenciais. motoristas, do desenvolvimento do câncer”, disse o autor sênior do estudo David H. Gutmann, professor de Neurologia e diretor do Centro de Neurofibromatose da Universidade de Washington.

A NF1 afeta cerca de uma em cada 3.000 pessoas. É causada por qualquer uma de uma variedade de mutações no gene NF1. Enquanto as pessoas com NF1 costumam procurar atendimento médico para marcas de nascença na pele, quase uma em cada cinco crianças com NF1 desenvolve um tumor cerebral no nervo óptico, chamado glioma óptico.

Para entender melhor o que impulsiona o desenvolvimento e o crescimento desses tumores cerebrais em pessoas com NF1, o primeiro autor do estudo o Dr Xiaofan Guo, do laboratório de pesquisa de Gutmann, estudou camundongos com mutações na NF1 e gliomas ópticos. A sua equipe havia descoberto anteriormente que as células tumorais nos gliomas ópticos são intercaladas com células imunes que ajudam a impulsionar a formação e o crescimento do tumor. Mas há também outro tipo de célula nas proximidades do tumor: neurônios.

Suspeitando que os neurônios também possam estar contribuindo para o crescimento do tumor, os pesquisadores examinaram os neurônios humanos com mutações NF1 que foram cultivadas a partir de células-tronco. Eles descobriram que os neurônios liberam uma proteína que ativa células imunes conhecidas como células T, que produzem proteínas que promovem o crescimento de células tumorais. Os resultados combinam com dados de pessoas com gliomas de baixo grau. Ao analisar dois conjuntos de dados disponíveis ao público, os pesquisadores descobriram que pacientes cujos tumores tinham mais de um tipo de célula T conhecido como células T CD8 + reduziram a sobrevida global.

Identificado novos alvos para tumores cerebrais na infânciaInterromper a comunicação entre neurônios, células T e células tumorais pode potencialmente retardar o crescimento de tumores, disseram os pesquisadores. No novo estudo, eles removeram células T de camundongos com gliomas ópticos ou impediram que as células T entrassem no cérebro de tais camundongos. Em ambos os cenários, os pesquisadores descobriram que os gliomas ópticos cresceram mais lentamente na ausência de células T.

“O que temos aqui é uma nova maneira de pensar sobre como os neurônios e as células do sistema imunológico interagem para controlar o crescimento do tumor, acrescentando novas informações importantes ao campo emergente da neurociência do câncer. Estamos empolgados em aproveitar essas interações críticas para desenvolver novas estratégias terapêuticas para tumores cerebrais na infância”, disse Gutmann.

 

____________________________

O artigo completo foi publicado na revista Nature Communications.

* “Midkine activation of CD8+ T cells establishes a neuron–immune–cancer axis responsible for low-grade glioma growth” – 2020.

Autores do estudo: Xiaofan Guo, Yuan Pan, Min Xiong, Shilpa Sanapala, Corina Anastasaki, Olivia Cobb, Sonika Dahiya & David H. Gutmann – 10.1038/s41467-020-15770-3

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.