Estudo mostra que tratamento para câncer de pulmão não é eficaz

Um estudo randomizado do Japão mostrou que adicionar um um inibidor de VEGF ao osimertinibe (Tagrisso) não foi capaz de melhorar os resultado da sobrevida em pacientes previamente tratados para câncer de pulmão de células não pequenas positivo para EGFR T790M (NSCLC).

Para o endpoint inicial, a estratégia de combinar osimertinibe mais bevacizumabe (Avastin) direcionou a uma sobrevida livre de progressão mediana (PFS) de 9,4 meses, em comparação com 13,5 meses com osimertinibe sozinho (HR ajustado 1,44, 80% CI 1,00-2,08, P=0,20), disse Hiroaki Akamatsu, MD, PhD, da Universidade Médica Wakayama no Japão, e colegas para o JAMA Oncology.

A taxa de resposta geral (ORR) foi maior com a combinação (68% vs 54% com monoterapia com osimertinibe), mas os pacientes neste grupo tiveram um tempo médio numericamente menor até a falha do tratamento (8,4 vs 11,2 meses, respectivamente).

A sobrevida geral (SG) não foi consideravelmente diferente entre os dois braços, com uma mediana não alcançada no braço da combinação versus 22,1 meses com o osimertinibe sozinho (P=0,96).

“Até onde sabemos, este é o primeiro ensaio clínico randomizado a explorar a eficácia da adição de um inibidor anti-VEGF ao osimertinibe”, relataram os autores. “Embora a ORR tenha sido ligeiramente melhor no braço de combinação, não pudemos mostrar vantagens em PFS e OS. Relatórios anteriores sugeriram que EGFR- [inibidor de tirosina quinase] mais inibidor de anti-VEGF podem ser mais benéficos em pacientes com metástase cerebral ou derrame pleural ; no entanto, nenhuma de nossas análises de subgrupo conseguiu identificar sua vantagem.”

Em um editorial anexo, Howard (Jack) West, MD, do City of Hope Comprehensive Cancer Center em Duarte, Califórnia, afirmou que as respostas da pesquisa de fase II sobre inibidores de EGFR mais anti-VEGF devem ser avaliados antes de seguir com ensaios maiores.

“Tomados em conjunto, os dados disponíveis sobre a combinação de um inibidor do fator de crescimento endotelial vascular com um inibidor de EGFR não demonstraram um benefício de sobrevivência sobre um inibidor de EGFR sozinho, e os dados emergentes com osimertinibe/bevacizumabe são melhor caracterizados como decepcionantes”, escreveu West .

West chamou a atenção para o fato de que um estudo realizado anteriormente de fase I/II com esta combinação em pacientes não tratados não foi capaz de mostrar PFS maior em relação aos dados históricos com o osimertinibe sozinho. Mesmo assim, um estudo ECOG-ACRIN de fase III em andamento fará teste com o osimertinibe mais ou menos bevacizumabe de qualquer maneira.

Outra combinação de anti-VEGF/EGFR – ramucirumabe (Cyramza) mais o inibidor de EGFR de geração anterior erlotinibe (Tarceva) – passou por testes no estudo de fase III RELAY como terapia de primeira linha. Enquanto o ramucirumabe-erlotinibe apresentou uma melhora na PFS, a combinação resultou em SG semelhante no período de 2 anos em comparação com o erlotinibe sozinho, em 79% versus 83%, respectivamente.

“Infelizmente, todos nós vemos com muita frequência nossas esperanças otimistas baseadas em dados impressionantes de estudos de fase 2 dissipados quando essas abordagens são testadas em um estudo multicêntrico maior; é quase sem precedentes ver resultados de um estudo de fase 3 emergir tão superior ao aqueles de um estudo anterior de fase 2”, disse West. “É lamentável se ignorarmos a etapa crítica de aguardar o sinal de estudos clínicos menores, especialmente se esse sinal for um sinal de alerta de provável futilidade.”

O atual estudo de fase II contou com 87 pacientes de 2017 a 2018 com NSCLC mutante EGFR T790M cuja doença havia progredido com um agente direcionado por EGFR anterior. Seis pacientes foram parte de uma fase de introdução, e todos receberam osimertinibe mais bevacizumabe, enquanto 81 foram randomizados para a combinação ou osimertinibe isoladamente.

Os pacientes na coorte randomizada tinham uma idade média de 68, 41% eram homens e um quarto tinha metástase cerebral. A maior parte dos efeitoss adversos com osimertinibe-bevacizumabe foram de baixo grau. Taxas de proteinúria de grau ≥3 (78%) e hipertensão (60%) foram potencioalmente maiores com a combinação.

________________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Oncology

“Efficacy of Osimertinib Plus Bevacizumab vs Osimertinib in Patients With EGFR T790M–Mutated Non–Small Cell Lung Cancer Previously Treated With Epidermal Growth Factor Receptor–Tyrosine Kinase InhibitorWest Japan Oncology Group 8715L Phase 2 Randomized Clinical Trial” – 2021

Autores do estudo: Hiroaki Akamatsu, MD, PhD; Yukihiro Toi, MD; Hidetoshi Hayashi, MD, PhD; Daichi Fujimoto, MD; Motoko Tachihara, MD, PhD; Naoki Furuya, MD, PhD; Sakiko Otani, MD, PhD; Junichi Shimizu, MD, PhD; Nobuyuki Katakami, MD, PhD; Koichi Azuma, MD, PhD; Naoko Miura, MD, PhD, Kazumi Nishino, MD, PhD; Satoshi Hara, MD; Shunsuke Teraoka, MD; Satoshi Morita, PhD; Kazuhiko Nakagawa, MD, PhD; Nobuyuki Yamamoto, MD, PhD – 10.1001/jamaoncol.2020.6758

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.