Incidência da ansiedade entre pacientes com câncer de próstata

A incidência de ansiedade entre pacientes com câncer de próstata foi semelhante, independentemente do tipo de tratamento primário escolhido, disse um pesquisador.

Não importa se os pacientes com câncer de próstata foram submetidos a vigilância ativa/espera vigilante baseada em risco (active surveillance/watchful waiting [AS/WW]) ou tratamento ativo (active treatment [AT]) com prostatectomia radical ou radioterapia, a incidência média de ansiedade foi comparável (16% em ambos os grupos), relatou Rhea Mundle , BS, da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign.

No entanto, a incidência média de depressão foi ligeiramente menor (9,9%) no grupo de vigilância ativa versus o grupo de tratamento ativo (15%), disse ela durante a reunião virtual anual da Oncology Nursing Society.

No câncer de próstata, os pacientes enfrentam decisões em vários pontos ao longo da trajetória de sua doença que podem ser particularmente estressantes – especificamente o ponto em que tomam a decisão de tratamento primário.

Em geral, ela disse, os pacientes com câncer de próstata de risco baixo ou intermediário (com base no método de estratificação de risco D’Amico) tendem a escolher vigilância ativa/espera vigilante, enquanto os pacientes de alto risco são mais propensos a optar pelo tratamento ativo.

“Com o diagnóstico, a carga de sintomas e os efeitos colaterais do tratamento, ansiedade e depressão são comuns nesses pacientes” – o que pode levar ao “arrependimento decisório” ao longo do tempo, acrescentou Mundle.

Características da análise

Para a análise, ela e seus coautores realizaram uma pesquisa bibliográfica, ao final selecionando 13 estudos, com elegibilidade baseada em ferramentas de avaliação validadas e dados disponíveis para ansiedade e depressão após o diagnóstico ou no acompanhamento posterior.

Os pesquisadores usaram pontuações médias para ansiedade e depressão no início do estudo e em uma mediana de 12 meses de acompanhamento para calcular uma mudança percentual para determinar como a depressão e a ansiedade melhoraram ou pioraram entre esses dois pontos no tempo.

No período entre o início do estudo e a mediana de acompanhamento de 12 meses, ambos os grupos de pacientes eram mais propensos a mostrar melhorias na ansiedade do que na depressão, disse Mundle. Para ansiedade, houve melhorias de 12,5% e 16% em AS/WW e AT, respectivamente, enquanto a melhora na depressão foi de apenas 1,9% em AS/WW e 4,1% em AT.

“Dentro do grupo de tratamento ativo, a melhora relativa na ansiedade foi significativamente maior do que na depressão”, disse ela.

As limitações do estudo, observou a equipe, incluíam que apenas um número limitado de ensaios foram incluídos, com vários tipos de ferramentas usadas para medir ansiedade e depressão, bem como nas metodologias de relato de dados.

“Ansiedade e depressão podem estar presentes após o diagnóstico e o tempo de acompanhamento de 12 meses, independentemente da vigilância ativa ou escolha de tratamento ativo”, disse Mundle, acrescentando que, sem intervenção psicológica, a melhora limitada é observada na ansiedade, e menor ainda na depressão. “Se houver intervenções psicológicas oportunas, pode haver menos arrependimento decisório sobre a escolha do tratamento”, disse ela.

Dado seu envolvimento próximo com essas pessoas, os enfermeiros podem desempenhar um papel fundamental em ajudar os pacientes a lidar com as questões emocionais e psicológicas associadas à escolha do tratamento, observou Mundle. “Uma intervenção psicológica liderada por uma enfermeira é altamente desejável.”

____________________________

O estudo original foi publicado no Oncology Nursing Society

* “Incidence and dynamics of anxiety and depression in patients with localized prostate cancer: literature meta-analysis” – 2021

Autores do estudo: Rhea Mundle, BS, Evans Afenya Ph.D., Neeraj Agarwal, MD – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.