Pesquisadores investigam o melhor tratamento para mastite

Apesar dos benefícios da amamentação para a saúde, as taxas de iniciação e duração continuam aquém das diretrizes internacionais. Muitos fatores influenciam a decisão da mulher de desmamar, o principal motivo citado para o desmame está associado a complicações na lactação, como a mastite.

A mastite é uma inflamação da mama, com ou sem infecção. Pode ser visto como um continuum de doença, desde a inflamação não infecciosa da mama até a infecção que pode levar à formação de abscesso.

Os autores examinaram a eficácia das intervenções usadas para evitar que mulheres que amamentam desenvolvam inflamação do tecido mamário, conhecida como mastite.

Qual é o problema?

A mastite é uma complicação comum da amamentação. Causa muita dor e sofrimento às mulheres e pode impedir algumas mães de amamentar seus bebês pelo tempo que desejarem.

Vários fatores contribuem para o desenvolvimento da mastite, como dutos bloqueados, seios muito cheios de leite, mamilos rachados e o bebê não consegue mamar corretamente.

A mastite pode ocorrer em uma ou em ambas as mamas e estar associada a uma série de sintomas, incluindo dor, vermelhidão e inchaço nas mamas e sintomas semelhantes aos da gripe. Os sintomas podem durar de dois a três dias até algumas semanas ou mais.

Por que isso é importante?

É importante investigar os tratamentos para prevenir a mastite, a fim de maximizar os resultados e a duração da amamentação.

A amamentação traz grandes benefícios à saúde tanto para bebês quanto para suas mães, e as autoridades de saúde e a Organização Mundial da Saúde recomendam que os bebês recém-nascidos sejam alimentados exclusivamente com leite materno até os seis meses de idade.

É preciso garantir que as mães e os médicos e parteiras que cuidam delas saibam sobre as melhores intervenções para prevenir a mastite, a fim de ajudar as mulheres a amamentar com sucesso pelo tempo que desejarem.

Que evidências encontramos?

Os autores buscaram evidências de ensaios clínicos randomizados em outubro de 2019 e identificamos 10 ensaios (envolvendo 3.034 mulheres amamentando).

A maioria dos estudos relatou quantas mulheres foram diagnosticadas com mastite, mas quase não havia informações sobre efeitos adversos, dor nas mamas, duração da amamentação, lesão no mamilo, abscesso na mama ou recorrência da mastite. Alguns ensaios foram financiados pela indústria.

Três estudos (1.038 mulheres) compararam os probióticos com o placebo. Os resultados do maior desses ensaios (639 mulheres) estão atualmente indisponíveis devido a um acordo contratual entre o fornecedor de probióticos e os pesquisadores.

Os probióticos podem reduzir o risco de mastite em comparação com o placebo (evidência de baixa certeza). É incerto se os probióticos reduzem o risco de dor nas mamas ou danos nos mamilos porque a certeza da evidência é muito baixa.

O risco de mastite pode ser semelhante entre os antibióticos e os cuidados habituais ou placebo (evidência de baixa certeza).

O risco de mastite pode ser semelhante entre antibióticos e pomada de ácido fusídico, antibióticos e pomada de mupirocina, pomada de ácido fusídico e aconselhamento sobre amamentação, pomada de mupirocina e aconselhamento sobre amamentação, ácido fusídico e mupirocina, uma única sessão de educação especializada em amamentação e cuidados de rotina, anti-cereal indutor de fator secretor e cereal padrão, mas não há certeza sobre esses resultados porque eles vêm de ensaios com um pequeno número de participantes e a qualidade da evidência é baixa.

A massagem com pontos de acupuntura provavelmente reduz o risco de mastite e dor na mama em comparação com os cuidados de rotina (evidência de certeza moderada).

A massagem nas mamas e o tratamento com pulso de baixa frequência podem reduzir o risco de mastite em comparação com os cuidados de rotina (evidência de baixa certeza).

O que isto significa?

A massagem com pontos de acupuntura provavelmente ajuda a prevenir a mastite e a dor nos seios, os probióticos podem ser melhores do que o placebo e a massagem nos seios e o tratamento com pulso de baixa frequência podem ser melhores do que os cuidados de rotina.

No entanto, em geral, não é possível ter certeza de quais são os tratamentos mais eficazes para a prevenção da mastite porque a certeza da evidência é baixa devido ao risco de viés, baixo número de mulheres participando dos estudos e grandes diferenças entre os tratamentos que tornam isso difícil para fazer comparações significativas.

Também não existe certeza sobre a verdadeira eficácia dos probióticos porque sabe-se de pelo menos um ensaio com probióticos cujos resultados não estão disponíveis publicamente.

Conclusão dos autores

Há algumas evidências de que a massagem com pontos de acupuntura é provavelmente melhor do que os cuidados de rotina, os probióticos podem ser melhores do que o placebo e a massagem dos seios e o tratamento com pulso de baixa frequência podem ser melhores do que os cuidados de rotina para prevenir a mastite.

No entanto, é importante observar que temos conhecimento de pelo menos um grande ensaio investigando probióticos cujos resultados não foram divulgados, portanto, as evidências apresentadas são incompletas.

A evidência disponível a respeito de outras intervenções, incluindo educação sobre amamentação, tratamentos farmacológicos e terapias alternativas, sugere que estes podem ser um pouco melhores do que os cuidados de rotina para prevenir a mastite, mas nossas conclusões são incertas devido à pouca certeza das evidências.

Estudos futuros devem recrutar um número suficientemente grande de mulheres para detectar diferenças clinicamente importantes entre as intervenções e os resultados de estudos futuros devem ser disponibilizados ao público.

_________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Interventions for preventing mastitis after childbirth” – 2020

Autores do estudo: Crepinsek MA, Taylor EA, Michener K, Stewart F – 10.1002/14651858.CD007239.pub4

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.