Transfusões de sangue podem salvar crianças com anemia grave!

Os resultados do estudo denominado TRATO, mostra que as crianças com anemia grave que não têm uma febre requerem volumes maiores de sangue nas transfusões, diferente do achava a recomendação atual Organização Mundial de Saúde (OMS) orientações.

Mais sangue para tratar anemia grave

No entanto, para crianças internadas com febre alta, a quantidade recomendada pelas diretrizes está correta. As crianças que receberam a quantidade adequada de sangue, dependendo de terem febre ou não, tinham cerca de metade do risco de morrer em comparação com as que receberam o outro montante.

O estudo também mostrou que crianças com anemia grave não necessitam de transfusão imediata, desde que sejam monitoradas de perto quanto a sinais de complicações, ou se os níveis de hemoglobina caiam, e recebam uma transfusão nesse ponto.

A anemia grave é comum e representa risco de vida para crianças na África Subsaariana. Cerca de uma em cada dez crianças hospitalizadas com anemia grave morrem no hospital, e uma em cada oito morre no prazo de seis meses após a alta hospitalar. Uma em cada seis crianças acaba no hospital dentro de seis meses após a alta.

Falta de sangue

Muitas vezes não há sangue suficiente doado para atender a demanda. Devido a isso e o risco potencial de efeitos colaterais das transfusões de sangue (reações ou infecções), a OMS recomenda estratégias conservadoras de transfusão. Mas alguns médicos dizem que essas diretrizes não recomendam sangue suficiente.

O estudo testou duas estratégias de transfusão que visavam reduzir mortes e doenças entre crianças com anemia grave. Entre as crianças com anemia severa, que as diretrizes atuais não recomendam a transfusão, as crianças foram alocadas aleatoriamente para receber:

  • Nenhuma transfusão imediata (mas uma monitorização cuidadosa dos sinais clínicos ou queda dos níveis de hemoglobina mostrando que a criança precisa de uma transfusão);
  • Transfusão imediata;

As crianças foram distribuídas aleatoriamente em dois grupos:

  1. Um grupo recebeu a quantidade de sangue recomendada pelas diretrizes da OMS (20mls/kg);
  2. Um grupo recebeu uma transfusão maior (30mls/kg), que é a quantidade que os especialistas acreditam ser necessária para corrigir o déficit de hemoglobina.

O estudo não encontrou evidências de diferença nas mortes entre crianças alocadas para receber uma transfusão imediata versus aquelas que não tiveram transfusão imediata. Isso apóia as diretrizes atuais, desde que as crianças sejam monitoradas. Cerca de metade das crianças que não receberam transfusão imediata necessitaram de transfusão, principalmente porque o nível de hemoglobina diminuiu.

Melhor chance de sobrevivência

No geral, havia fortes evidências de que o efeito do volume de transfusão variava se a criança tinha febre no momento da triagem, ou seja, na admissão hospitalar na maioria dos casos.

As crianças sem febre no momento da internação tinham metade do risco de morrer até ao dia 28 se recebessem 30mls/kg em vez do padrão 20mls/kg (3% vs 6% de risco absoluto).

Crianças com febre abaixo de 37,5ºC no momento da internação tinham quase metade do risco de morrer no dia 28 se recebessem 20mls/kg em vez de 30mls/kg (3% vs 5% de risco absoluto).

Anemia grave - transfusões de sangue pode reduzir mortes em crianças

Isso sugere que as diretrizes precisam ser atualizadas para recomendar diferentes quantidades de sangue, dependendo se a criança está ou não com febre. O estudo também mostrou que poucas crianças desenvolveram uma reação transfusional ou um efeito colateral, como insuficiência cardíaca ou edema pulmonar, indicando que muito volume havia sido administrado.

Esses resultados ajudarão os médicos e os responsáveis ​​pelas diretrizes a garantir que as crianças com anemia severa recebam tratamento seguro e eficaz.

O estudo completo foi publicado e está disponível no jornal científico New England Journal of Medicine.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.