Transfusão de glóbulos vermelhos para anemia em recém-nascidos

O estudo multicêntrico TOP mostrou que recém-nascidos extremamente pequenos aguentaram uma estratégia restritiva de transfusão de glóbulos vermelhos para anemia.

Aos 2 anos de idade, os bebês tinham taxas parecidas de morte ou sobrevivência, mas com o neurodesevolvimento  comprometido (ou seja, atraso cognitivo, paralisia cerebral, audição ou perda de visão), independentemente de terem sido randomizados para limiares de hemoglobina maiores ou menores para transfusão no período neonatal unidade de terapia intensiva (UTIN) logo depois do nascimento.

Os componentes individuais de mortalidade (16,2% vs 15,0%) e comprometimento do neurodesenvolvimento (39,6% vs 40,3%) não foram diferentes entre as estratégias de hemoglobina superior e inferior, respectivamente, segundo um grupo liderado por Haresh Kirpalani, MD, MSc, do Hospital Infantil da Filadélfia.

“Além disso, não houve evidência de que os efeitos da estratégia de transfusão no resultado primário diferissem de acordo com o centro, grupo de peso ao nascer ou sexo”, relataram os autores para o New England Journal of Medicine.

Os algoritmos de transfusão avaliados no estudo foram coerentes com aqueles utilizados ​​na prática atual, uma vez que a estratégia restritiva ainda preservava os níveis de hemoglobina dentro dos intervalos clinicamente aceitos, eles disseram.

“Este pode ser um dos estudos mais importantes em nosso campo nas últimas décadas. Desde antes de eu ser estudante de medicina, temos debatido se níveis mais altos de hemoglobina e estratégias agressivas de transfusão eram realmente melhores para bebês extremamente pequenos no NICU”, explicou Lance Prince, MD, PhD, da Escola de Medicina da Universidade de Stanford e do Hospital Infantil Lucile Packard de Stanford, na Califórnia.

Prince recomendou que, diferentemente de estudos anteriores com resultados mistos, o TOP conservou os grupos de estudo separados de forma confiável, uma vez que o grupo de limite superior tinha níveis de hemoglobina pré-transfusão que eram 1,9 g/dL mais altos em média durante o período de tratamento, bem como mais transfusões por criança (média 6,2 vs 4,4).

“Este artigo, no entanto, sugere claramente que permitir níveis mais baixos de hemoglobina nesses bebês gravemente enfermos (e, portanto, números/exposições menores a transfusões de sangue) é seguro e leva a resultados semelhantes em longo prazo”, relatou ele ao MedPage Today.

Outro grupo descreveu resultados piores em recém-nascidos que passaram por transfusões de sangue pré-operatórias. A evidência geralmente indica para a segurança da transfusão restritiva para adultos em vários ambientes.

Características do estudo

O ensaio TOP foi coordenado em 19 centros participantes da Rede de Pesquisa Neonatal do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano Eunice Kennedy Shriver.

Bebês elegíveis foram aquelas que nasceram com peso extremamente baixo (2,20 libras) ou idade gestacional abaixo de 22 a 29 semanas. Todos eles foram randomizados no período de 48 horas depois do parto para transfusões de glóbulos vermelhos com limiares de hemoglobina maiores ou menores até 36 semanas de idade.

Foram incluídos 1.824 bebês participaram no TOP (peso médio ao nascer de 756 g [1,67 lbs], idade gestacional média 25,9 semanas). Aspectos parecidos da linha de base entre os grupos.

A equipe de autores declarou que as taxas de sobrevivência à alta sem complicações graves (28,5% vs 30,9%) e efeitos adversos sérios não foram díspares entre as estratégias de transfusão liberais e restritivas.

Notavelmente, o desfecho primário do estudo pode ser avaliado para 92,8% da coorte aos 22-26 meses de idade devido a violações do protocolo ou outros motivos.

“Por razões éticas, não podíamos reter transfusões não algorítmicas (ou seja, aquelas que não foram realizadas segundo o algoritmo de transfusão atribuído aleatoriamente), portanto, havia uma taxa de violação desequilibrada, com mais transfusões não algorítmicas no grupo de limite inferior. Este desequilíbrio, provavelmente refletiu o desconforto de alguns médicos com os níveis de hemoglobina na faixa mais baixa”, destacaram os autores do estudo.

“No entanto, a incidência de violações foi baixa e não impediu uma boa separação entre os grupos nos níveis médios de hemoglobina”, disseram Kirpalani e colegas.

Os achados do TOP também são consistentes com o estudo ETTNO que atualmente não apontou nenhum benefício para uma abordagem de transfusão liberal para bebês extremamente pequenos na UTIN.

____________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

* “Higher or Lower Hemoglobin Transfusion Thresholds for Preterm Infants” – 2020

Autores do estudo: Haresh Kirpalani, Edward F. Bell, Susan R. Hintz, Sylvia Tan, Barbara Schmidt, Aasma S. Chaudhary, Karen J. Johnson, Margaret M. Crawford, Jamie E. Newman, Betty R. Vohr, Waldemar A. Carlo, Carl T. D’Angio, Eunice Kennedy Shriver NICHD Neonatal Research Network – 10.1056/NEJMoa2020248

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.