A eficácia da vigabatrina como terapia adicional para epilepsia focal

A epilepsia é uma doença neurológica comum que afeta aproximadamente 1 em 100 pessoas. Cerca de 30% dessas pessoas não conseguem controlá-la com os medicamentos antiepilépticos atualmente disponíveis e relatam que a doença é resistente ao tratamento.

Na maioria das vezes, a epilepsia resistente a medicamentos é de natureza focal, o que significa que as crises começam em uma área específica do cérebro.

Vigabatrina é um medicamento antiepiléptico que pode ser usado como um complemento para a epilepsia focal resistente a medicamentos, ou seja, ele seria tomado junto com outros medicamentos antiepilépticos.

Objetivos da revisão

Avaliar a eficácia e tolerabilidade da vigabatrina como uma terapia adicional para pessoas com epilepsia focal resistente a medicamentos.

Critério de seleção

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos, controlados por placebo e totalmente publicados de vigabatrina em pessoas de qualquer idade com epilepsia focal resistente a medicamentos.

Coleta e análise de dados

Dois revisores avaliaram os estudos para inclusão e extraíram os dados usando os procedimentos metodológicos padrão esperados pela Cochrane.

A análise primária foi por intenção de tratar (ITT). Os autores avaliaram: redução de 50% ou mais na frequência das crises, suspensão do tratamento, efeitos adversos, análise de resposta à dose, resultados cognitivos e qualidade de vida.

Eles também apresentaram os resultados como razões de risco (RR) com intervalos de confiança (IC) de 95% ou 99%.

Resultados principais

Foram encontrados 11 ensaios clínicos envolvendo 756 pessoas que investigaram a vigabatrina como um complemento para pessoas com epilepsia focal resistente a medicamentos. As pessoas nos ensaios tinham entre 10 e 64 anos de idade e receberam doses de 1 g/dia a 6 g/dia de vigabatrina.

A equipe descobriu que os participantes que receberam vigabatrina podem ter duas a três vezes mais probabilidade de experimentar uma redução de 50% ou mais na frequência das crises do que as pessoas que receberam placebo (um tratamento não ativo).

Também houve a sugestão de que as pessoas que receberam vigabatrina podem ter uma probabilidade três vezes maior de interromper o tratamento do que as pessoas que receberam placebo.

Participantes que receberam vigabatrina eram mais propensas a apresentar efeitos colaterais: tonturas/desmaios, fadiga, sonolência e depressão do que os que receberam placebo.

No entanto, as evidências sugeriram que eles não deveriam ser mais propensos a experimentar: ataxia (distúrbios que afetam a coordenação, equilíbrio e fala), sensação de enjoo (náusea), visão anormal, dor de cabeça, visão dupla (diplopia) ou movimento involuntário de os olhos (nistagmo) do que os que estavam no grupo placebo.

Confiabilidade da evidência

Os autores julgaram que todos os estudos apresentaram risco significativo de viés. Os estudos não explicaram como os pacientes foram alocados nos grupos de tratamento, além disso disseram se os pesquisadores sabiam qual tratamento os grupos estavam recebendo.

Ao lado de outros motivos, isso reduziu a confiança (certeza) nos resultados. No geral, não há certeza se os resultados que foram relatados são confiáveis. O verdadeiro efeito da vigabatrina pode ser significativamente diferente do relatado.

Implicações para a pesquisa

Mais pesquisas são necessárias para identificar o risco de defeitos no campo visual e aqueles que são suscetíveis a eles.

Outros ensaios clínicos randomizados também são necessários para examinar a eficácia e tolerabilidade da vigabatrina em adição em crianças com epilepsia focal resistente a medicamentos, bem como comparar a eficácia do medicamento em adição ao uso de outros antiepilépticos como terapias complementares.

Implicações para a Prática

Quando usado como um complemento para pessoas com epilepsia focal resistente aos medicamentos, a vigabatrina pode reduzir significativamente a frequência das crises.

A vigabatrina associada também pode levar mais pessoas a interromper o tratamento. Embora não seja relatado, o trabalho de outros demonstrou que a vigabatrina de longo prazo está associada a constrições do campo visual que ocorrem em um número significativo de pessoas que fazem uso do medicamento.

A equipe de pesquisa afirma que não foi capaze de detectar esses efeitos visuais adversos por causa de sua apresentação assintomática e devido à curta duração dos ECRs.

Conclusão dos autores

A vigabatrina pode reduzir significativamente a frequência das crises em pessoas com epilepsia focal resistente aos medicamentos, mas não existe certeza.

A maioria das evidências foi coletada em adultos, portanto, os efeitos da vigabatrina podem ser diferentes em crianças.

Todos os estudos incluídos foram de curta duração, portanto, não os autores não podem relatar quaisquer efeitos a longo prazo da vigabatrina.

É importante ressaltar que as revisões de estudos de longo prazo afirmaram que o uso de vigabatrina por um longo período pode levar ao desenvolvimento de problemas visuais.

_____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Vigabatrin add‐on therapy for drug‐resistant focal epilepsy” – 2020

Autores do estudo: Bresnahan R, Gianatsi M, Maguire MJ, Tudur Smith C, Marson AG – 10.1002/14651858.CD007302.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.