Droga para epilepsia inibe desenvolvimento de tumor cerebral!

Os medicamentos prescritos para um certo tipo de epilepsia podem oferecer um novo método para o tratamento do tumor cerebral infantil. Um inibidor específico de mTOR tem a capacidade de atravessar a barreira hematoencefálica para alcançar e atacar o tumor na fonte. Isso foi demonstrado por pesquisadores da Universidade de Uppsala, em colaboração com colegas dos EUA e do Reino Unido.

Tumor cerebral infantil

Milhares de crianças sofrem com tumores cerebrais a cada ano, o tipo mais comum de tumor cerebral maligno em lactentes e crianças é o meduloblastoma. A radioterapia faz parte do tratamento padrão para meduloblastomas e a moderna radioterapia salvou a vida de muitas crianças que sofrem desses cânceres frequentemente agressivos; no entanto, como geralmente traz efeitos colaterais sérios para o tecido cerebral saudável, raramente é prescrito para bebês. Embora uma solução presumivelmente melhor seria oferecer um tratamento mais direcionado, para estabelecer tal terapia, naturalmente seria necessário provar ser mais eficaz e apresentar menos efeitos colaterais do que os tratamentos atuais.

Muitos meduloblastomas infantis são amplificados pela N-Myc, um oncogene que direciona o crescimento e a metástase do tumor para a coluna vertebral, levando a um prognóstico muito ruim. No estudo em questão, os pesquisadores cultivaram um tipo específico de célula-tronco neural e foram capazes de demonstrar que a N-Myc conseguiu rapidamente transformá-las em células cancerígenas. Isso sugere que essas células provavelmente são a origem dos meduloblastomas infantis.

A atividade da N-Myc é controlada por um sinal conhecido como via Sonic Hedgehog (SHH), que está envolvida no desenvolvimento normal do cérebro, mas que é supra-regulada em meduloblastomas. Embora exista atualmente um número de medicamentos que inibem essa via de sinal, nenhum se mostrou eficaz em crianças com tumores cerebrais, que frequentemente sofrem efeitos colaterais graves, como problemas de crescimento ósseo.

“Inicialmente, testei se os inibidores da via SHH poderiam nocautear as células tumorais, mas sem sucesso. As células atacaram outra proteína, Oct4, e outra via de sinal chamada via mTOR, tornando o tumor mais agressivo”, explica Matko Čančer, um pesquisador do Departamento de Imunologia, Genética e Patologia da Universidade de Uppsala, Suécia, que conduziu os estudos laboratoriais.

Droga para epilepsia inibe desenvolvimento de tumor cerebral infantilMatko Čančer mais tarde foi capaz de mostrar que a Oct4 e a via do sinal mTOR interagem em tumores cerebrais infantis com um prognóstico muito ruim. Quando ele testou uma série de medicamentos com a capacidade de inibir esse caminho, ele viu que o tumor cerebral foi rapidamente eliminado e que as metástases na medula espinhal foram bloqueadas.

“Descobrimos que um dos inibidores de mTOR que usamos atravessou a barreira hematoencefálica, sugerindo que ele realmente atinge o tumor e pode atacá-lo no cérebro. Esse é, obviamente, um pré-requisito para um tratamento clínico eficaz”, diz o Dr Fredrik Swartling, quem liderou o estudo.

“Ao mesmo tempo, percebemos que inibidores de mTOR semelhantes são frequentemente usados ​​para tratar um certo tipo de epilepsia em crianças pequenas com o complexo de esclerose tuberosa da doença genética (TSC), pois inibem o crescimento celular anormal no cérebro e que essas drogas têm menos efeitos colaterais do que os inibidores da via SHH que testamos. Essa é uma descoberta muito promissora e, se este medicamento funcionar em crianças com meduloblastomas que não respondem ao tratamento convencional, é claro que seria fantástico”, concluiu o Dr Swartling.

 

_______________________

A pesquisa completa foi publicada na revista científica Cell Stem Cell.

* “Humanized Stem Cell Models of Pediatric Medulloblastoma Reveal an Oct4/mTOR Axis that Promotes Malignancy” – 2019.

Autores: Matko Čančer, SonjaHutter, Karl O.Holmberg, GabrielaRosén, AndersSundström, JigneshTailor, TobiasBergström, AlexandraGarancher, MagnusEssand, Robert J.Wechsler-Reya, AnnaFalk, HolgerWeishaupt, Fredrik J.Swartling – 10.1016/j.stem.2019.10.005

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.