Transferência de anticorpos de mães com COVID-19 através da placenta

As mães com COVID-19 produziram uma resposta robusta de anticorpos, mas a transferência de anticorpos através da placenta para seus bebês foi menos eficiente do que o esperado, descobriram pesquisadores de um estudo.

Em uma análise de mulheres grávidas com COVID-19, a atividade neutralizante – que mede a potência da resposta de anticorpos – foi detectada em 94% das amostras de sangue materno e apenas 25% do sangue do cordão umbilical, de acordo com Naima Joseph, MD, MPH , da Emory University em Atlanta, e colegas.

O rácio geral de imunoglobulina (Ig) G de ligação do cordão ao receptor materno (anti-receptor binding [RBD]) foi de 81%, relatou Joseph na reunião anual da Society for Maternal-Fetal Medicine.

“Há uma resposta materna de anticorpos que é robusta após a infecção”, disse Joseph em sua apresentação. Mas enquanto ela enfatizou que títulos de IgG de domínio anti-RBD foram detectados em amostras de cordão umbilical, ela disse que era inesperado que a eficiência de transferência fosse menor que 1.

Ela disse ao MedPage Today que foi surpreendente ver a transferência ineficiente de anticorpos SARS-C0V-2 para bebês porque as taxas são mais altas com outras infecções virais: “Isso nos dá mais pistas de que há algo inerente a este vírus que é diferente de outros, ou talvez haja é algo sobre infecção natural versus vacina que afetará a transferência transplacentária de anticorpos”, disse ela.

Joseph acrescentou que os investigadores do estudo agora expandiram os protocolos para incluir pacientes grávidas vacinadas, em uma tentativa de avaliar como a vacinação pode afetar a imunidade passiva.

Ela observou que, embora o estudo da equipe corrobore as descobertas recentes sobre a resposta de anticorpos maternos à infecção por COVID-19, é o primeiro a avaliar a resposta imune materna e anticorpos neutralizantes. A pesquisa é a primeira a se concentrar nas áreas duramente atingidas pela pandemia, e a coorte do estudo, que consistia principalmente de mulheres negras, fornece informações críticas para apoiar a pesquisa e distribuição equitativas de vacinas, disse Joseph.

Os pesquisadores caracterizaram a resposta humoral materna e a potência neutralizante contra COVID-19, bem como a transferência in útero de anticorpos do domínio de ligação ao receptor de pico SARS-CoV-2.

Características do estudo

A equipe coletou amostras de sangue materno e do cordão umbilical de 32 pares de mães e bebês no momento do parto. Todas as mães testaram positivo para COVID-19 em algum ponto durante a gravidez e foram reconhecidas por meio de triagem universal de parto e parto ou por apresentarem sintomas no pré-natal.

Das 32 mães com teste positivo para COVID-19, 47% eram assintomáticas. A maioria das mães foi diagnosticada com a doença COVID-19 durante o terceiro trimestre. Cerca de três quartos dos participantes do estudo eram negros não hispânicos; 84% tinham seguro Medicaid; e 72% tinham pelo menos uma comorbidade, incluindo obesidade, hipertensão ou doença pulmonar.

Todas as mães tinham anticorpos IgG detectáveis ​​e 91% tinham anticorpos IgM detectáveis. Os pesquisadores também descobriram que a maioria dos bebês (80%) tinha SARS-CoV-2 IgG detectável e 13% desenvolveram anticorpos IgM.

Os títulos maternos de IgG foram maiores após a infecção sintomática, mas não houve diferença na resposta IgM ou neutralizante entre pacientes sintomáticos e assintomáticos. As três amostras de sangue do cordão umbilical com anticorpos IgM detectáveis ​​eram todas de mães sintomáticas.

As limitações do estudo, disse Joseph, incluíam o pequeno tamanho da amostra; o fato de que não havia grupo de controle inscrito e generalização, uma vez que a maioria dos participantes eram negros não hispânicos e apresentavam doenças de base.

__________________________

O estudo original foi publicado no Society for Maternal-Fetal Medicine

* “Maternal antibody response and placental antibody transfer following asymptomatic and symptomatic SARS-CoV-2 infection” – 2021

Autores do estudo: Joseph N, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.