Vacina contra COVID-19 pode ter relação com casos de hipertensão

Uma pequena porcentagem de pessoas desenvolveu hipertensão sintomática minutos depois de receber a vacina COVID-19, de acordo com uma série de casos da Suíça.

Das primeiras 12.349 pessoas a serem vacinadas em um hospital, nove pessoas apresentaram sintomas – incluindo mal-estar, dor de cabeça, dor no peito, suor e ansiedade – logo após receberem a vacina de mRNA.

Medidas oscilométricas sugeriram hipertensão, com pressão arterial (PA) aumentando até 220/102 mm Hg. Os médicos mediram a PA três vezes em intervalos de 5 minutos, relatou um grupo liderado por Sylvain Meylan, MD, PhD, do Lausanne University Hospital, na Suíça, para o Hypertension.

Todos os pacientes se recuperaram, mas seis pessoas passaram algumas horas em acompanhamento e tratamento no pronto-socorro (PS).

“As vacinas de mRNA receberam intenso escrutínio para reações de hipersensibilidade imediata na sequência de um relatório inicial sinalizando 21 casos de anafilaxia. A hipertensão, por outro lado, não foi mencionada explicitamente como um evento adverso em ambos os ensaios de segurança/imunogenicidade”, observaram os autores.

Os ensaios clínicos para as vacinas incluíram participantes predominantemente mais jovens, em contraste com os indivíduos mais velhos que estavam entre os primeiros vacinados.

“Embora mais dados sejam necessários para entender a extensão e o mecanismo da hipertensão após a vacinação baseada em mRNA, nossos dados indicam que, em pacientes idosos com histórico de hipertensão e/ou comorbidades cardiovasculares anteriores significativas, o controle pré-vacinal da PA e pós-vacinação, incluindo a triagem dos sintomas, pode ser garantido”, sugeriram Meylan e colaboradores.

No entanto, mudar a prática com base apenas nesta série de casos seria muito precipitado, dado que não havia dados de PA pré-vacinação e nenhum mecanismo claro para explicar por que alguém se tornaria hipertenso repentinamente após receber uma vacina, disse Jordana Cohen, MD, MSCE, da Universidade da Pensilvânia na Filadélfia.

“Sou um grande defensor de trabalhar para controlar melhor a PA sempre que tiver a oportunidade, a fim de prevenir riscos de longo prazo de danos cardíacos, renais e cerebrais causados ​​por PAs cronicamente elevadas. No entanto, não acho que uma série de casos de nove pacientes, em meio às dezenas de milhões que já foram vacinados, merece uma mudança na prática sem mais dados”, disse ela ao MedPage Today.

“Eu acho que estaríamos colocando um risco adicional indevido nesses pacientes que estão sob risco muito alto de resultados adversos agudos de COVID-19 se atrasarmos a vacinação para controlar melhor a PA, que é um processo que muitas vezes leva semanas ou meses para atingir adequadamente”, ela continuou.

Cohen pediu uma avaliação mais sistemática, com base em relatórios internacionais de pós-vacinação, antes de alertar sobre uma ligação potencial entre a vacinação contra COVID e hipertensão.

Detalhes do estudo

Os nove pacientes (sete mulheres e dois homens) tinham idades entre 55 e 88 anos (idade mediana de 73 anos). Oito pessoas tinham história prévia de hipertensão arterial, sendo que seis referiam uso de medicamentos para hipertensão.

Após a transferência para o pronto-socorro, os exames de imagem foram realizados em um paciente com história prévia de aneurisma vascular em espiral que desenvolveu cefaleia após a vacinação, mas não mostrou sinais de hemorragia intracraniana.

O indivíduo que relatou dor torácica não tinha alterações eletrocardiográficas associadas ou um aumento nas troponinas-hs para sugerir síndrome coronariana aguda.

Uma pessoa foi considerada portadora de hipertensão do avental branco (168/115 mm Hg) e não necessitou de tratamento.

“A partir dos dados compartilhados, é reconfortante que o aumento da PA não foi associado a efeitos em outros órgãos”, comentou Nadine Rouphael, médica, da Hope Clinic na Emory University School of Medicine em Atlanta, que conduziu estudos de vacinas para a Moderna e atualmente atua como co-presidente internacional da vacina de proteína Sanofi.

No entanto, “o monitoramento contínuo da segurança das vacinas para COVID-19 é fundamental”, disse ela.

Oito dos nove hipertensos da série de casos haviam recebido a vacina Pfizer/BioNTech. Apenas um recebeu a dose da Moderna.

“Nossa série de casos sugere que uma fração de pacientes hipertensos pode reagir com aumentos sintomáticos significativos na PA sistólica e diastólica. Uma resposta ao estresse é provável em vista do debate público, além da resposta à dor e ao efeito do avental branco, este último sendo associado com a idade e o sexo feminino”, escreveram Meylan e seus colegas.

“No entanto, a frequência cardíaca relativamente baixa (mediana de 73 batimentos por minuto) pode suavizar essa hipótese. Mecanismos alternativos poderiam teoricamente incluir hipertensão aos componentes das vacinas, como o polietilenoglicol, embora isso pareça improvável devido à dosagem presumivelmente baixa e como os pacientes reagiram dentro de minutos da injeção”, acrescentaram.

_______________________

O estudo original foi publicado no Hypertension

* “Stage III hypertension in patients after mRNA-based SARS-CoV-2 vaccination” – 2021

Autores do estudo: Sylvain Meylan, Francoise Livio, Maryline Foerster, Patrick James Genoud, Francois Marguet, Grégoire Wuerzner – 10.1161/HYPERTENSIONAHA.121.17316

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.