Cientistas desenvolvem uma nova vacina contra o herpes genital!

Pesquisadores da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia desenvolveram uma nova vacina contra o herpes genital. Testada em camundongos e porquinhos-da-índia, a imunização levou à “imunidade principalmente esterilizante” do vírus – o tipo mais forte de imunidade.

Nova vacina contra o herpes genital

No estudo, os pesquisadores entregaram a vacina desenvolvida por Penn a 64 camundongos e os expuseram ao herpes genital. Após 28 dias, 63 dos camundongos apresentaram imunidade esterilizante, o que significa que não havia vestígios de infecção ou doença por herpes após a exposição. O único rato restante desenvolveu infecção dormente sem qualquer doença genital anterior.

Da mesma forma, 10 cobaias, que têm respostas a infecções por herpes que mais se assemelham às dos humanos, também receberam a vacina e foram expostas ao vírus. Nenhum animal desenvolveu lesões genitais e apenas dois mostraram qualquer evidência de que estavam infectados, mas a infecção não era de uma forma que os animais pudessem transmitir o vírus.

“Estamos extremamente encorajados pelo efeito imunizante substancial que nossa vacina teve nesses modelos de animais. Com base nesses resultados, é nossa esperança que esta vacina possa ser traduzida em estudos em humanos para testar a segurança e a eficácia de nossa abordagem”, disse o principal pesquisador do estudo e professor de Doenças Infecciosas, Harvey Friedman.

Com base nas abordagens de muitos pesquisadores de ponta em câncer e imunoterapia, a equipe da Penn encheu sua vacina com RNA mensageiro específico (mRNA), que pode criar proteínas necessárias para uma forte resposta imune. Essa vacina estimula três tipos de anticorpos: um que impede o vírus do herpes de entrar nas células e outros dois que garantem que o vírus não “desligue” as funções protetoras do sistema imunológico inato. Essa abordagem difere de outras vacinas contra o herpes, que geralmente dependem apenas do bloqueio da entrada do vírus como forma de atacar o vírus.

Esta vacina foi desenvolvida com financiamento do NIH e como parte de uma colaboração entre a Penn Medicine e a BioNTech, celebrada em outubro de 2018, para pesquisar e desenvolver vacinas de mRNA para várias doenças infecciosas.

O herpes genital, também chamado vírus do Herpes simplex tipo 2 ou HSV-2, é a doença sexualmente transmissível mais comum. Aproximadamente 14% dos americanos com idades entre 14 e 59 anos e 11% das pessoas da mesma faixa etária em todo o mundo estão infectados. O HSV-2 pode levar a feridas dolorosas, que podem se espalhar para outras áreas do corpo. O vírus aumenta o risco de contrair o HIV, e as mulheres grávidas infectadas podem transmitir herpes para o feto, ou mais comumente, para o bebê durante o parto.

Desenvolvido uma nova vacina contra o herpes genital“Juntamente com os sintomas físicos, o HSV-2 tem um custo emocional. As pessoas se preocupam com a transmissão da doença e isso certamente pode ter um efeito negativo nos relacionamentos íntimos”, disse Friedman.

Como o herpes é muito disseminado, mas também muitas vezes não é detectado, uma vez que só é visível durante um surto, os pesquisadores dizem que uma vacina bem-sucedida seria inestimável para muitos adultos em todo o mundo.

Os resultados do estudo foram publicados na revista científica Science Immunology.