Eficiência e segurança da pregabalina no tratamento da dor neuropática

A dor neuropática provém de danos ao sistema nervoso. É diferente das mensagens de dor que são transmitidas pelos nervos saudáveis ​​a partir de um tecido danificado (por exemplo, de uma queda ou corte ou de um joelho artrítico).

A dor neuropática é geralmente tratada com medicamentos (drogas) diferentes daqueles usados ​​para a dor causada por tecidos danificados, que geralmente consideramos analgésicos.

Os medicamentos que às vezes são usados ​​para tratar a depressão ou epilepsia podem ser eficazes em algumas pessoas com dor neuropática. Um deles é a pregabalina. A definição de bom resultado foi um alto nível de alívio da dor e capacidade de continuar tomando o medicamento sem efeitos colaterais que façam as pessoas pararem.

Características do estudo

Em abril de 2018, para a atualização, os autores pesquisaram ensaios clínicos que usaram pregabalina para tratar a dor neuropática em adultos. Eles encontraram 31 novos estudos com 8.045 participantes. No total, foram incluídos 45 estudos randomizando 11.906 participantes para tratamento com pregabalina, placebo ou outras drogas.

Os estudos duraram de 2 a 16 semanas. A maioria dos estudos relatou resultados benéficos que as pessoas com dor neuropática consideram importantes. Os resultados estão disponíveis principalmente para dor após herpes zoster e dor resultante de lesão nervosa no diabetes.

Principais resultados

Para a dor após o herpes zoster, 3 em cada 10 pessoas tiveram a dor reduzida pela metade ou mais com pregabalina 300 mg ou 600 mg por dia, e 2 em 10 com placebo. A dor foi reduzida em um terço ou mais em 5 em cada 10 com pregabalina 300 mg ou 600 mg por dia e 3 em 10 com placebo.

Para a dor causada pelo diabetes, 3 ou 4 em cada 10 pessoas tiveram a dor reduzida pela metade ou mais com pregabalina 300 mg ou 600 mg por dia, e 2 ou 3 em cada 10 com placebo. A dor foi reduzida em um terço ou mais em 5 ou 6 em cada 10 pessoas com pregabalina 300 mg ou 600 mg por dia, e 4 ou 5 em cada 10 com placebo.

A pregabalina também ajudou pessoas com diagnósticos mistos (provavelmente principalmente dor após herpes zoster e diabetes) e pessoas com dor após derrame. Não funcionou em pessoas com HIV com dor neuropática. Não havia evidência confiável para qualquer outro tipo de dor neuropática.

Os efeitos colaterais foram mais comuns com pregabalina (6 em ​​10) do que com placebo (5 em 10). Tonturas e sonolência ocorreram em cerca de 1 a 3 em cada 10 pessoas que tomaram pregabalina. Os efeitos colaterais graves foram incomuns e não foram diferentes entre pregabalina e placebo. Cerca de 1 em cada 10 pessoas que tomam pregabalina parou de tomá-lo devido a efeitos colaterais.

A pregabalina é útil para algumas pessoas com dor neuropática crônica. Não é possível saber de antemão quem se beneficiará e quem não. O conhecimento atual sugere que um curto período de tratamento (talvez quatro semanas) é a melhor maneira de saber.

Qualidade da evidência

A equipe classificou a qualidade da evidência usando quatro níveis: muito baixo, baixo, moderado e alto. Evidências de qualidade muito baixa significam que há incerteza sobre os resultados. Evidências de alta qualidade significam que existe muita confiança nos resultados.

Os autores julgaram que a maioria das evidências era de qualidade moderada, o que significa que, embora a pesquisa forneça uma boa indicação do provável efeito, os efeitos podem ser substancialmente diferentes.

Os principais problemas foram o tamanho pequeno de alguns estudos e o relato inadequado de informações metodológicas importantes. Os resultados não mudaram substancialmente desde a revisão de 2009.

Resultado

Evidências de qualidade moderada mostram que a pregabalina oral em doses de 300 mg ou 600 mg por dia tem um efeito importante sobre a dor em algumas pessoas com dor neuropática moderada ou grave após herpes zoster ou devido ao diabetes.

Evidências de baixa qualidade sugerem que a pregabalina oral é eficaz após trauma devido a acidente vascular cerebral ou lesão da medula espinhal. A pregabalina parece não ser eficaz na dor neuropática associada ao HIV.

Há evidências muito limitadas disponíveis para dor neuropática nas costas, dor neuropática do câncer e algumas outras formas de dor neuropática.

Conclusão dos autores

As evidências mostram a eficácia da pregabalina na neuralgia pós-herpética, na neuralgia diabética dolorosa e na dor neuropática pós-traumática mista ou não classificada e na ausência de eficácia na neuropatia por HIV, as evidências de eficácia na dor neuropática central são inadequadas.

Algumas pessoas obterão benefícios substanciais com pregabalina, mais pacientes terão benefício moderado, mas muitos não terão benefício ou irão descontinuar o tratamento. Não houve mudanças substanciais desde a revisão de 2009.

____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Pregabalin for neuropathic pain in adults” – 2020

Autores do estudo: Derry S, Bell R, Straube S, Wiffen PJ, Aldington D, Moore R – 10.1002/14651858.CD007076.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.