Vacina contra a gripe pode reduzir o risco da doença de Alzheimer

As vacinas contra gripe e pneumonia foram associadas ao risco reduzido da doença de Alzheimer, sugeriram pesquisas da Alzheimer’s Association International Conference (AAIC).

Pessoas que foram vacinadas contra a pneumonia entre 65 e 75 anos tiveram quase 40% menos risco da doença de Alzheimer, dependendo de seu perfil genético, relataram Svetlana Ukraintseva, PhD, da Universidade Duke em Durham, Carolina do Norte, e colegas.

A vacina pode ir além dos benefícios sugeridos

Ter pelo menos uma vacinação contra influenza foi associada a uma redução de 17% na prevalência de Alzheimer, mostrou uma pesquisa de Albert Amran, estudante de medicina do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas em Houston, e colegas.

“O fato de patógenos muito diferentes – virais, bacterianos, fúngicos – terem sido associados à doença de Alzheimer sugere a possibilidade de uma imunidade comprometida do hospedeiro desempenhar um papel na doença através do aumento da vulnerabilidade geral do cérebro aos micróbios”, disse Ukraintseva.

“Algumas vacinas mostram efeitos fora do alvo de benefícios para a saúde que vão além da proteção contra doenças específicas”, disse ao MedPage Today. “Isso pode ser porque eles têm uma probabilidade de melhorar a imunidade em larga escala”.

Como o estudo foi conduzido

Em seu relatório, Ukraintseva e colegas analisaram as ligações entre a doença de Alzheimer e a vacina pneumocócica, com e sem uma vacina contra a gripe sazonal em 5.146 participantes, com 65 anos ou mais, do Cardiovascular Health Study. “Decidimos levar em consideração um forte fator de risco genético para a doença de Alzheimer – alelo G do rs2075650 [no gene TOMM40] – vinculado ao gene NECTIN2, que está envolvido na permeabilidade da barreira hematoencefálica e vulnerabilidade à infecção”, afirmou ela.

Ser vacinado contra a pneumonia entre as idades de 65 e 75 anos estava ligado ao risco reduzido de Alzheimer, após o ajuste para covariáveis ​​que incluíam sexo, raça, coorte de nascimentos, educação, tabagismo e rs2075650.

Uma redução maior no risco da doença surgiu em pessoas vacinadas contra pneumonia que não eram portadoras do alelo G rs2075650. “Isso significa que a vacinação de adultos contra pneumonia pode reduzir o risco de Alzheimer, dependendo do genótipo individual, que apoia a prevenção personalizada da doença”, observou Ukraintseva.

A contagem total de pneumonia e vacinas contra a gripe entre as idades de 65 e 75 anos também se correlacionou com um menor risco de Alzheimer mais tarde na vida, mas esse efeito não foi observado apenas para as vacinas contra a gripe.

As relações entre a vacinação contra a gripe e a doença de Alzheimer apareceram em outras pesquisas apresentadas na AAIC. Em um estudo observacional, Amran e colegas avaliaram um conjunto de 9.066 pessoas vacinadas e não vacinadas, com 60 anos de idade ou mais, com códigos de CID9 da doença de Alzheimer, selecionadas a partir do conjunto de dados do Cerner Health Fact EHR.

Nesse grupo, ter uma vacina contra a gripe documentada foi associada a uma menor prevalência de Alzheimer, em comparação com a não administração da vacina. A frequência das vacinas contra a gripe também foi associada à redução do início da doença.

As ligações entre a vacinação contra a gripe e o Alzheimer foram mais fortes para as pessoas que tomaram a primeira dose em uma idade mais jovem: as que receberam a primeira vacina contra a gripe documentada aos 60 anos se beneficiaram mais do que aquelas que receberam a primeira aos 70 anos.

Conclusão do estudo

“Tomar uma vacina contra a gripe é um exemplo de comportamento saudável”, observou Dallas Anderson, PhD, MPH, do National Institute on Aging in Bethesda, em Maryland, que não participou de nenhum dos estudos.

“Pode haver efeitos na saúde além da prevenção da gripe. Por exemplo, houve algumas pesquisas analisando o risco reduzido de acidente vascular cerebral e hospitalização por acidente vascular cerebral. Faz sentido também observar o risco reduzido de demência”, disse ele em entrevista ao MedPage Today.

“Estudos observacionais nunca podem mostrar definitivamente que tomar vacina contra a gripe irá prevenir a doença de Alzheimer ou a demência. As evidências serão sugestivas, na melhor das hipóteses”, continuou Anderson. “É a vacina contra a gripe em si que é importante? Ou são as principais diferenças entre aqueles que optam por vacinas contra a gripe e aqueles que não o fazem? Os estudos precisam dar conta dessas diferenças”.

Além dessas limitações, a pesquisa foi restringida pelos dados subjacentes: os códigos clínicos podem refletir outras demências, não apenas a doença de Alzheimer. Nos dois estudos, variáveis ​​não medidas podem ter influenciado os resultados.

_____________________________

O estudo original foi publicado no Alzheimer’s Association International Conference

* “Repurposing of existing vaccines for personalized prevention of Alzheimer’s disease: Vaccination against pneumonia may reduce AD risk depending on genotype”

Autores do estudo: Ukraintseva S, et al – Conferência

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.