Eficácia dos modeladores do ciclo visual na atrofia geográfica secundária

A atrofia geográfica é uma doença ocular que leva à perda progressiva da visão central. É uma forma avançada de degeneração macular relacionada à idade (DMRI), uma condição degenerativa que geralmente se desenvolve em pessoas com mais de 50 anos. A condição afeta a parte central (mácula) da parte posterior do olho (retina).

Existem dois tipos de DMRI: ‘úmida’ e ‘seca’. Na DMRI úmida, os vasos sanguíneos do olho vazam, enquanto na DMRI seca não. A atrofia geográfica é um estágio final da DMRI seca.

Atualmente, não sabemos como prevenir ou tratar a perda de visão causada por atrofia geográfica. Uma opção de tratamento potencial é um tipo de medicamento chamado modulador de ciclo visual.

Os moduladores do ciclo visual impedem que um material tóxico (lipofuscina) se acumule na retina e, portanto, podem retardar a perda de visão em pessoas com a doença.

Os autores conduziram uma revisão das evidências de estudos de pesquisa para descobrir sobre os benefícios e riscos dos moduladores de ciclo visual para tratar e prevenir a atrofia geográfica.

Como os autores identificaram e avaliaram as evidências?

Em primeiro lugar, eles buscaram todos os estudos relevantes na literatura médica. Em seguida, compararam os resultados e resumiram as evidências de todos os estudos.

Finalmente, eles avaliaram o quão certas eram as evidências. Para fazer isso, a equipe considerou fatores como a forma como os estudos foram conduzidos, os tamanhos dos estudos e a consistência dos resultados entre os estudos. Com base nas avaliações, categorizaram as evidências como sendo de certeza muito baixa, baixa, moderada ou alta.

Achados da equipe

Os autores encontraram três estudos conduzidos nos EUA e na Alemanha que envolveram um total de 821 pessoas com DMRI seca avançada. Todos os três estudos foram estudos controlados randomizados: estudos clínicos em que as pessoas foram colocadas aleatoriamente em um de dois ou mais grupos de tratamento.

Os pesquisadores trataram os participantes por entre 90 dias e 24 meses e os acompanharam por entre sete e 30 dias após o término do tratamento. Os estudos compararam os efeitos de um tratamento com placebo (simulado) com dois moduladores visuais diferentes do ciclo: emixustato (2 estudos) e fenretinida (1 estudo).

Emixustat contra placebo

Evidências de baixa certeza sugeriram que pode haver pouca ou nenhuma diferença entre o emixustato e o placebo ao se considerar:

  • Alteração média na perda de visão
  • A proporção de pessoas que perderam 15 letras ou mais de acordo com um gráfico de visão
  • A progressão da atrofia geográfica

Fenretinida contra placebo

Evidências de baixa certeza sugeriram que a atrofia geográfica pode progredir a uma taxa ligeiramente mais lenta em pessoas tratadas com fenretinida na dose de 300 mg por dia em comparação com um placebo. No entanto, não estava claro se essa diferença era importante o suficiente para fazer diferença para os pacientes.

Efeitos adversos (indesejados)

Evidências de certeza moderada a baixa sugeriram que:

  • os efeitos adversos mais comuns relatados foram adaptação tardia à escuridão e distúrbios visuais (como visão anormalmente colorida ou áreas escurecidas no campo visual). Esses efeitos aumentaram com o tamanho da dose do medicamento e desapareceram assim que o tratamento terminou
  • O emixustato provavelmente não foi associado a efeitos adversos além de problemas que afetaram os olhos (como distúrbios visuais), ou a efeitos adversos graves
  • A fenretinida pode estar associada a coceira na pele ou erupção cutânea

O que os autores não encontraram?

Não foi possível localizar nenhum estudo que comparou os efeitos de moduladores de ciclo visual e placebo em:

  • A proporção de pessoas que perderam 10 letras ou mais de acordo com um gráfico de visão
  • Mudança média na sensibilidade da mácula à luz
  • Progressão para DMRI avançada em pessoas com DMRI em estágio inicial ou intermediário

O que isto significa?

A revisão das evidências sugere que, em pessoas com DMRI avançada, os moduladores de ciclo visual podem fazer pouca ou nenhuma diferença para:

  • a progressão da atrofia geográfica
  • perda de visão

A confiança nessas descobertas é baixa. Os resultados de nossa revisão provavelmente serão alterados se houver mais evidências disponíveis.

Conclusão dos autores

Há evidências limitadas para apoiar o uso de moduladores do ciclo visual (emixustate e fenretinida) para o tratamento da atrofia geográfica estabelecida devido à DMRI.

A possível redução na incidência de CNV observada com fenretinida e, em menor extensão, com emixustato, requer avaliação formal em estudos específicos.

____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Visual cycle modulators versus placebo or observation for the prevention and treatment of geographic atrophy due to age‐related macular degeneration” – 2020

Autores do estudo: Yeong JL, Loveman E, Colquitt JL, Royle P, Waugh N, Lois N – 10.1002/14651858.CD013154.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.