Tratamentos psicológicos para melhorar a dor neuropática

Muitas pessoas sentem dor devido a uma lesão ou doença que desaparece em três meses, mas para algumas delas a dor continua. Quando a dor envolve alterações nos nervos, ela é chamada  de dor “neuropática”.

Embora a condição seja cada vez mais comum, os tratamentos que são oferecidos atualmente ajudam apenas algumas pessoas.

Após o tratamento cirúrgico ou farmacológico malsucedido, os pacientes com dor crônica podem receber reabilitação com base psicológica para melhorar sua qualidade de vida.

Embora saiba-se que isso pode ajudar as pessoas com outros tipos de dor crônica, este tratamento para a dor neuropática sozinho tem recebido menos atenção da pesquisa.

Objetivos da revisão

Os autores da revisão estavam interessados ​​em descobrir se os tratamentos psicológicos melhoram a dor, o sofrimento e a incapacidade em pessoas com dor neuropática crônica.

Foi realizada uma pesquisa da literatura acadêmica até março de 2015 e com isso, a equipe identificou dois ensaios clínicos randomizados (o desenho padrão ouro para ensaios clínicos) sobre intervenções psicológicas para dor neuropática crônica.

Os dois estudos incluíram 105 participantes: um ensaio de 61 pessoas com dor de lesão medular e o outro de 44 pessoas com síndrome da boca ardente.

Critério de seleção

Publicações completas de RCTs sobre intervenções psicológicas para dor neuropática.

Os ensaios deveriam ter durado pelo menos três meses, ter pelo menos 20 participantes em cada braço no final do tratamento e comparar uma intervenção psicológica com qualquer intervenção ativa ou inativa.

Coleta e análise de dados

Os pesquisadores utilizaram os procedimentos metodológicos padrão esperados pela Cochrane.

Resultados principais

Dois pequenos estudos (envolvendo um total de 105 participantes) atenderam aos critérios de inclusão. Um era um programa de tratamento cognitivo-comportamental padrão (TCC) para 61 pessoas com dor de lesão medular, seguido por três meses e comparado com uma lista de espera.

O outro foi psicoterapia de grupo semanal para 44 pessoas com síndrome da boca ardente, em comparação com um comprimido de placebo diário. O risco geral de viés foi alto em ambos os ensaios.

O estudo TCC avaliou os participantes quanto à dor, deficiência, humor e qualidade de vida, com melhora nos grupos de tratamento e controle.

No entanto, não houve mais melhora no grupo de tratamento do que no controle para qualquer resultado, seja pós-tratamento ou no acompanhamento.

O estudo de psicoterapia de grupo avaliou apenas a dor, classificando os participantes pela intensidade da dor. Há uma falta de evidências sobre a eficácia e segurança de intervenções psicológicas para pessoas com dor neuropática.

Confiança nos resultados

A confiança dos autores nos resultados dos estudos individuais foi limitada por vários vieses potenciais em como eles foram conduzidos.

Eles não foram capazes de analisar os resultados dos dois testes juntos porque as experiências das pessoas com lesão na medula espinhal ou queimação na boca são muito diferentes umas das outras.

Por conta própria, os testes eram pequenos demais para que pudéssemos realizar qualquer análise estatística. No entanto, nenhum estudo encontrou qualquer benefício claro do tratamento.

Dessa forma, a equipe concluiu que atualmente não há evidências que ajudem os médicos e pacientes a decidir se devem usar esses tratamentos. Houve uma discussão sobre quais estudos são necessários.

Implicações para a Prática

Os dados recuperados na pesquisa e análise não fornecem quaisquer implicações significativas para a prática ou política individual.

Em vez disso, a revisão demonstra claramente a falta de evidências diretas a favor ou contra a eficácia das intervenções psicológicas na alteração da experiência de dor, incapacidade e comprometimento do humor associado à dor neuropática crônica.

Portanto, por enquanto, ainda há uma grande e crescente população de pessoas incapacitadas por dor neuropática crônica da neuropatia diabética, tratamentos de câncer e outras causas, que têm opções limitadas de tratamento.

Conclusão dos autores

Não há evidências suficientes da eficácia e segurança das intervenções psicológicas para a dor neuropática crônica.

Os dois estudos disponíveis não mostram nenhum benefício do tratamento em relação à lista de espera ou aos grupos de controle com placebo.

_______________________

O estudo foi publicado na Cochrane Lirary

* “Psychological therapies for the management of chronic neuropathic pain in adults” – 2015/2020

Autores do estudo: Christopher Eccleston, Leslie Hearn, Amanda C de C Williams – doi.org/10.1002/14651858.CD011259.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.