Nanopartículas oferece novo tratamento para câncer de mama agressivo!

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland (UMSOM), EUA, desenvolveram uma nova formulação de medicamentos para nanopartículas que tem como alvo um receptor específico nas células cancerígenas e parece ser mais eficaz do que uma terapia convencional de nanopartículas atualmente no mercado usada no tratamento para câncer de mama agressivo.

O estudo descobriu que as novas nanopartículas ‘DART’ ignoram células e tecidos saudáveis ​​e se ligam a células tumorais, dispersando-se uniformemente por todo o tumor enquanto libera o medicamento quimioterápico paclitaxel.

Uma nova esperança no tratamento para câncer de mama agressivo

“O medicamento comercializado com o nome de ‘Abraxane’, uma nanoformulação contendo paclitaxel que atualmente é usado no tratamento para câncer de mama agressivo em mulheres, é um agente eficaz, mas não foi projetado para entregar seletivamente paclitaxel apenas às células cancerígenas do corpo. Nossa nanopartícula DART tem como alvo específico o receptor Fn14 encontrado abundantemente em células de câncer de mama; ele usa esse receptor para obter entrada através da membrana plasmática e administrar a droga para destruir o câncer”, disse o Dr Jeffrey Winkles, professor de cirurgia na UMSOM e autor do estudo. O grupo do Dr. Winkles descobriu o receptor Fn14 e descreveu seu potencial como alvo de novas terapias há mais de uma década.

Para este estudo, os pesquisadores da UMSOM projetaram e testaram uma nova plataforma terapêutica de nanopartículas para administrar o medicamento paclitaxel no tratamento do câncer de mama triplo negativo. Cerca de uma em cada cinco mulheres com câncer de mama tem esse tipo de tumor agressivo, que é particularmente difícil de tratar; esses cânceres não possuem receptores comumente expressos pela maioria das células de câncer de mama, como os receptores hormonais, para os quais foram projetados medicamentos eficazes. Mas muitos cânceres de mama triplo-negativos expressam altos níveis de Fn14; de fato, a maioria dos tipos de tumores sólidos, incluindo pulmão, próstata e câncer colorretal, superexpressa esse receptor da superfície celular.

“Após muita expectativa inicial e algumas decepções no campo, os sistemas de entrega de nanopartículas para tratamento do câncer estão começando a mostrar uma promessa real para os pacientes. Estabelecemos uma prova de conceito com este estudo, descrevendo o design de um sistema otimizado de distribuição de nanopartículas que equilibra a ligação específica às células cancerígenas enquanto minimiza a ligação não específica e fora do alvo a outras células de maneira muito precisa”, disse o co-autor do estudo Dr Graeme Woodworth, presidente do Departamento de Neurocirurgia da UMSOM.

A pesquisa

Para conseguir isso, a equipe anexou um anticorpo monoclonal chamado ITEM 4 à superfície da nanopartícula porque ele se liga especificamente ao Fn14, fornecendo uma chave para desbloquear a entrada na célula cancerígena. A superfície das nanopartículas também foi revestida com polietilenoglicol para mantê-las circulando pela corrente sanguínea e pelo sistema linfático até atingirem o tumor e evitar que elas sejam rapidamente expelidas do corpo.

“Muitos portadores de entrega de medicamentos exibem ligação inespecífica a células e tecidos saudáveis, além das células doentes para as quais estão alvejadas, o que geralmente leva a efeitos colaterais indesejados ou toxicidades. Esta plataforma de nanopartículas do DART possui recursos exclusivos para melhorar a entrega terapêutica em locais de difícil tratamento no corpo, além de permitir potencialmente aumentar a dose máxima tolerada do medicamento encapsulado sem aumentar os efeitos colaterais para os pacientes”, disse um dos co-autores do estudo, Dr Anthony Kim, Professor de Neurocirurgia e Farmacologia na UMSOM.

Os pesquisadores então preencheram sua formulação otimizada de nanopartículas DART com paclitaxel e a testaram contra Abraxane (a nanopartícula comercializada que também contém paclitaxel) em animais com tumores de câncer de mama triplo-negativos. Em um conjunto de experimentos, as nanopartículas foram entregues a camundongos que abrigavam tumores de mama crescidos acima da região natural da mama.

Nanopartículas oferece novo tratamento para câncer de mama agressivoEles descobriram que a formulação do DART levou a uma sobrevida global mediana significativamente aumentada (68 dias) em comparação ao tratamento com Abraxane (45 dias). Eles viram um claro benefício em usar as nanopartículas DART quando compararam os tratamentos novamente em animais que abrigavam tumores de mama implantados no cérebro (semelhante a um tumor cerebral metastático).

Pesquisas futuras incluem o teste da terapia DART em outros tipos de câncer, incluindo uma forma agressiva de câncer no cérebro chamada glioblastoma e o desenvolvimento de uma versão semelhante da nanopartícula projetada para funcionar especificamente em humanos.

Isso envolveria o uso de um anticorpo humanizado na superfície das nanopartículas e a expansão da formulação. Recentemente, os pesquisadores receberam uma concessão do Programa de Comercialização da Iniciativa de Inovação para avançar com os esforços para adaptar seu sistema de nanopartículas e, eventualmente, testar o tratamento em pacientes com câncer.

 

_____________________

O estudo completo foi publicado na revista científica Science Advances.

* “Decreased nonspecific adhesivity, receptor-targeted therapeutic nanoparticles for primary and metastatic breast cancer” – 2020.

Autores do estudo: Jimena G. Dancy, Aniket S. Wadajkar, Nina P. Connolly, Rebeca Galisteo, Heather M. Ames, Sen Peng, Nhan L. Tran, Olga G. Goloubeva, Graeme F. Woodworth, Jeffrey A. Winkles, Anthony J. Kim – 10.1126/sciadv.aax3931

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.