A aspirina pode ajudar a aliviar a dor perineal no pós-parto

O trauma perineal, causado por incisão cirúrgica (episiotomia) ou relacionado ao parto vaginal operatório, é comum e é frequentemente associado à dor perineal pós-parto. O nascimento com o períneo intacto também pode levar à dor perineal.

Existem consequências adversas à saúde associadas à dor perineal para as mulheres e seus bebês a curto e longo prazo. Essa dor pode interferir nos cuidados com o recém-nascido e também no estabelecimento da amamentação.

A aspirina tem sido utilizada no tratamento da dor perineal pós-parto: sua eficácia e segurança devem ser avaliadas. O estudo é uma revisão de uma publicação do ano de 2017.

Qual é o objetivo da atualização do estudo?

O objetivo é descobrir se aspirina pode ser administrada em mulheres que sofrem com dor perineal após o parto para aliviar os sintomas, sem casuar efeitos colaterais para as pacientes e seus bebês.

A importância da pesquisa para a ciência

Inúmeras mulheres já tiveram dor no períneo (a área entre a vagina e o ânus) após o parto. O períneo pode ser machucado ou rasgado durante o parto, ou mesmo ter sido cortado para ajudar o bebê a nascer (episiotomia).

Após o parto, a dor perineal pode interferir na capacidade das mulheres de cuidar adequadamente de seus recém-nascidos e estabelecer a amamentação. Se a dor perineal não for aliviada de forma eficaz, os problemas de longo prazo podem incluir relações sexuais dolorosas, problemas no assoalho pélvico, resultando em incontinência, prolapso ou dor perineal crônica.

A aspirina pode ser administrada em pacientes com dor perineal após o parto, mas sua eficácia e segurança não foram qualificadas em uma revisão sistemática.

A pesquisa é uma atualização de um estudo publicado e revisado pela última vez em 2017. Ela faz parte de uma série de avaliações que analisam medicamentos para ajudar a aliviar a dor perineal nas primeiras semanas após o parto.

Evidências encontradas

Os autores pesquisaram evidências em outubro de 2019 e incluíram 17 estudos randomizados controlados, envolvendo 1.132 mulheres. Todas as participantes apresentaram dor perineal após uma episiotomia (geralmente 48 horas após o nascimento) e não estavam amamentando.

As pacientes receberam aspirina (doses variando de 300 mg a 1200 mg) ou pílulas ‘falsas’ (placebo), por via oral. A qualidade metodológica dos estudos geralmente não era clara. Dois estudos não contribuíram com dados para as análises.

A aspirina em comparação com o placebo pode aumentar o alívio da dor para as mães em cerca de  quatro a oito horas após a administração (evidência de baixa certeza). É incerto se a aspirina, em comparação com o placebo, afeta a necessidade de alívio adicional da dor ou os efeitos adversos para as mães entre as quatro a oito horas após a administração (ambas evidências com pouca certeza).

Os efeitos da administração de 300 mg versus 600 mg de aspirina (1 estudo), 600 mg versus 1200 mg de aspirina (2 estudos) ou 300 mg versus 1200 mg de aspirina (1 estudo) são incertos para o alívio adequado da dor, a necessidade de alívio adicional ou efeitos adversos para a mãe.

Não foram relatados estudos sobre os efeitos adversos da aspirina no bebê ou outros resultados que os autores planejaram avaliar: internação prolongada ou readmissão no hospital devido a dor perineal, dor perineal seis semanas após o parto ou depressão pós-parto.

Conclusões dos autores

A aspirina em dose única pode aumentar o alívio adequado da dor em mulheres com dor perineal pós-episiotomia em comparação com o placebo. Não se sabe se a aspirina afeta a necessidade de analgesia adicional ou os efeitos adversos maternos em comparação com o placebo.

Os pesquisadores reduziram a certeza da evidência devido a limitações do estudo (risco de viés), imprecisão e viés de publicação.

A aspirina pode ser considerada para uso em mulheres que não amamentam com dor perineal pós-episiotomia. Os ECRs incluídos excluíram as mulheres que amamentavam, portanto não havia evidências para avaliar os efeitos adversos da aspirina nos neonatais ou na amamentação.

Os futuros ECRs devem ser projetados para garantir baixo risco de viés e abordar lacunas nas evidências, como os resultados secundários estabelecidos para a revisão recente. A pesquisa atual se concentrou em mulheres com dor pós-episiotomia: futuros ECRs poderiam ser estendidos para incluir mulheres com dor perineal associada a lágrimas espontâneas ou parto operatório.

_____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Aspirin (single dose) for perineal pain in the early postpartum period” – 2020

Autores do estudo: Emily Sheperd, Rosalie M Grivell – 10.1002/14651858.CD012129.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.