Terapia para miomas uterinos não eleva risco de efeitos hipoestrogênicos

A terapia combinada com relugolix (Orgovyx) aliviou o sangramento intenso e a dor associada a miomas uterinos, sem aumentar significativamente o risco de efeitos colaterais hipoestrogênicos, relataram os pesquisadores em dois ensaios clínicos de fase III.

Nos dois estudos LIBERTY, 71% e 73% dos pacientes, respectivamente, que receberam relugolix – um antagonista do receptor do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH) – junto com estradiol e acetato de noretindrona experimentaram reduções significativas na perda de sangue, em comparação com 19% e 15% daqueles em um grupo apenas com placebo, relataram Ayman Al-Hendy, MD, PhD, da University of Chicago Medicine, e colegas.

As pacientes que receberam a terapia combinada também apresentaram melhora na dor, angústia por sangramento e desconforto pélvico, anemia e redução do volume uterino. No entanto, os pesquisadores não observaram uma redução significativa no volume dos miomas, eles relataram no New England Journal of Medicine.

O grupo de Al-Hendy observou medidas de densidade mineral óssea (DMO) semelhantes nos grupos de terapia combinada de placebo e relugolix, mas a DMO diminuiu entre os pacientes que receberam monoterapia com relugolix.

Relugolix está atualmente aprovado para homens com câncer de próstata avançado.

“Pela primeira vez, temos um tratamento oral que pode melhorar com eficácia e segurança os sintomas dos miomas uterinos, particularmente sangramento menstrual intenso”, disse Al-Hendy em uma entrevista, acrescentando que o relugolix pode ser uma alternativa viável e de longo prazo ao os atuais tratamentos cirúrgicos disponíveis para pacientes com miomas.

“O objetivo deste programa, desde o início, era desenvolver um tratamento eficaz e de longo prazo como uma alternativa viável à histerectomia”, afirmou Al-Hendy. “Qualquer paciente com miomas uterinos seria uma boa candidata para este tratamento não cirúrgico.”

Lauren Schiff, MD, professora associada de cirurgia ginecológica minimamente invasiva na escola de medicina da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, disse que o relugolix se apresenta como uma alternativa não cirúrgica atraente para pacientes que sofrem de miomas.

Como esses estudos mostram uma opção segura e eficaz para reduzir o sangramento intenso e a dor, o tratamento pode ser ideal para pacientes na pré-menopausa que não desejam fazer a cirurgia, disse Schiff, que não participou do estudo.

No entanto, antes que o relugolix pudesse ser considerado para uso mais longo, Schiff disse que entender a DMO após a marca de 6 meses é fundamental. “Se a medida de segurança da densidade óssea for mantida para uso a longo prazo, então este seria o medicamento ideal”, disse ela ao MedPage Today.

Os miomas uterinos afetam cerca de 70% das pessoas brancas e 80% das pessoas negras com útero, escreveram Al-Hendy e colegas. Aproximadamente um quarto das pessoas afetadas por miomas apresentam sintomas, que geralmente incluem sangramento menstrual intenso e dor.

Os agonistas de GnRH de ação prolongada injetáveis ​​são tratamentos eficazes para miomas uterinos, mas normalmente não são recomendados para uso a longo prazo devido aos seus efeitos hipoestrogênicos, incluindo a perda de DMO. Por exemplo, Oriahnn, uma terapia de combinação de elagolix, só é elegível para uso por até dois anos devido aos efeitos na DMO.

Características dos estudos

Os ensaios LIBERTY foram dois estudos internacionais idênticos que recrutaram participantes da América do Norte, América do Sul, África e Europa. Os participantes foram randomizados entre 2017 e 2018.

Os participantes do grupo de intervenção receberam terapia combinada de relugolix uma vez ao dia por 6 meses, que incluiu 40 mg de relugolix, 1 mg de estradiol e 0,5 mg de acetato de noretindrona.

Dois grupos comparativos foram incluídos nos estudos: um grupo de placebo e um grupo de terapia de combinação de relugolix retardada, que recebeu monoterapia nos primeiros 3 meses e terapia de combinação durante o restante do estudo.

O objetivo primário do estudo foi a perda de sangue inferior a 80 ml e uma redução de mais de 50% na perda total de sangue desde o início do estudo. Os investigadores avaliaram vários resultados secundários, incluindo amenorreia, volume de perda de sangue menstrual, angústia, dor, anemia, volume de mioma e volume uterino.

Cerca de 388 participantes foram randomizadas no primeiro ensaio e 382 no segundo. Todas as participantes do ensaio tinham cerca de 42 anos e mais de 50% em cada grupo comparativo eram negras.

Cerca de três quartos das pacientes que receberam terapia combinada com relugolix atingiram o desfecho primário, com os efeitos do tratamento parecendo semelhantes, independentemente da raça ou outras características basais.

Amenorreia nos últimos 35 dias do estudo ocorreu em 52% e 50% dos participantes que receberam terapia combinada com relugolix em cada estudo, respectivamente. Os escores de dor, que foram medidos por uma escala de sangramento e desconforto pélvico, também melhoraram nos grupos de combinação de relugolix.

A prevalência de efeitos colaterais foi semelhante no grupo de terapia combinada com relugolix e no grupo de placebo, com ondas de calor sendo o efeito colateral mais comumente relatado no estudo.

Al-Hendy e colegas reconheceram que muitas participantes que relataram dor e sangramento menstrual intenso não eram elegíveis para esta pesquisa devido a critérios de avaliação rígidos, que podem limitar a generalização.

Além disso, a duração do ensaio foi limitada a 6 meses. Os pesquisadores afirmaram que planejam liberar dados de um estudo de extensão de 28 semanas, junto com um estudo de retirada aleatória de 52 semanas, que pode fornecer mais informações sobre segurança e eficácia em longo prazo.

__________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

* “Treatment of Uterine Fibroid Symptoms with Relugolix Combination Therapy” – 2021

Autores do estudo: Ayman Al-Hendy, M.D., Ph.D., Andrea S. Lukes, M.D., Alfred N. Poindexter, III, M.D., Roberta Venturella, M.D., Ph.D., Claudio Villarroel, M.D., Hilary O.D. Critchley, M.D., Yulan Li, Ph.D., Laura McKain, M.D., Juan C. Arjona Ferreira, M.D., Andria G.M. Langenberg, M.D., Rachel B. Wagman, M.D., and Elizabeth A. Stewart, M.D. – 10.1056/NEJMoa2008283

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.