Estudo revela que o Salbutamol pode ajudar no tratamento de Alzheimer!

Um novo estudo revela que o Salbutamol, um medicamento comum para asma, pode oferecer potencial como tratamento para a doença de Alzheimer.

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, afetando 47 milhões de pessoas em todo o mundo e sua prevalência deve triplicar para mais de 130 milhões de casos até 2050.

Não foram descobertos tratamentos eficazes que curem a doença ou retardem sua progressão. No entanto, este novo estudo em estágio inicial revelou que o redirecionamento de um medicamento existente, o Salbutamol, oferece um potencial significativo como uma opção de baixo custo e resposta rápida.

O Salbutamol

Extensas experiências analíticas in vitro conduzidas pela equipe de pesquisa mostram que o salbutamol é eficaz na redução do acúmulo de fibras insolúveis da proteína tau – que é encontrada no cérebro de pessoas com doença de Alzheimer. Essas fibras microscópicas se acumulam em emaranhados neurofibrilares e podem causar desestabilização dos neurônios, morte de células cerebrais e são uma característica essencial da progressão da doença.

Muitas pesquisas sobre a doença de Alzheimer concentraram-se no acúmulo de placas amilóides, causadas pelo desdobramento da proteína β-amilóide. No entanto, devido aos resultados decepcionantes de inúmeras terapias direcionadas à agregação de Aβ, mais atenção está voltada para a tau.

O estudo

Este estudo, liderado por pesquisadores da Universidade de Lancaster, usou uma nova abordagem automatizada de triagem de ‘alto rendimento’ para estudar a estrutura da proteína tau dobrada com uma técnica analítica especial chamada ‘Dicroísmo Circular de Radiação Síncrotron’ (SRCD) na Diamond Light Source, a Fonte de luz síncrotron nacional do Reino Unido em Oxfordshire. Com esta técnica poderosa, eles foram capazes de examinar uma seleção de mais de 80 compostos e medicamentos existentes simultaneamente para determinar sua eficácia na prevenção da formação de fibrilas tau.

Este método confirmou que o composto adrenalina, mais conhecido como adrenalina, era eficaz na estabilização das proteínas tau e na prevenção da formação de emaranhados tau. No entanto, nosso corpo não absorve facilmente a adrenalina e ela é metabolizada rapidamente, então os cientistas analisaram uma variedade de compostos prontamente disponíveis com estruturas químicas semelhantes. Essa pesquisa revelou quatro medicamentos atuais como possíveis candidatos – Etamivan, Fenoterol, Dobutamina e Salbutamol.

Verificou-se que o Etaminvan e o Fenoterol têm pouco efeito na montagem dos emaranhados de tau. Verificou-se que a Dobutamina, utilizada no tratamento rápido de ataques cardíacos e insuficiência cardíaca, tem algum benefício. No entanto, como seus efeitos são de curta duração e precisam ser administrados por via intravenosa, não é o ideal como base para o tratamento da doença de Alzheimer.

Testes adicionais usando uma variedade de técnicas analíticas revelaram que o Salbutamol pode inibir a agregação de tau in vitro. Testes nos quais o Salbutamol foi adicionado a soluções contendo tau resultaram em uma densidade drasticamente reduzida das estruturas fibrosas da tau responsáveis ​​pelos emaranhados neurofibrilares da tau.

Os pesquisadores acreditam que o Salbutamol interage com um estágio inicial da formação de fibrilas tau, reduzindo sua capacidade de formar um núcleo inicial que impulsiona o processo de agregação.

Por ser facilmente ingerido, absorvido pelo cérebro e permanecer no corpo por várias horas, o Salbutamol possui propriedades atraentes como uma avenida de pesquisa para um possível novo tratamento para o Alzheimer.

“Nosso trabalho destaca o impacto potencial do redirecionamento de medicamentos para usos médicos secundários, descobrindo uma nova estratégia terapêutica que impede a patologia molecular da doença de Alzheimer e que pode caso contrário, não foram estudados. O salbutamol já passou por extensas revisões de segurança humana e, se as pesquisas de acompanhamento revelarem uma capacidade de impedir a progressão da doença de Alzheimer em modelos celulares e animais, esse medicamento poderá oferecer um passo adiante, reduzindo drasticamente o custo e o tempo associados ao desenvolvimento típico de medicamentos”, disse o Dr. David Townsend, da Universidade de Lancaster e principal autor da pesquisa.

O professor David Middleton, co-autor da pesquisa, disse: “Este trabalho está nos estágios iniciais e estamos longe de saber se o Salbutamol será ou não eficaz no tratamento da doença de Alzheimer em pacientes humanos. No entanto, nossos resultados justificam ainda mais testes de Salbutamol e drogas similares em modelos animais da doença e eventualmente, se bem-sucedidos, em ensaios clínicos”.

Salbutamol pode ajudar no tratamento de Alzheimer

O Dr. Rohanah Hussain, da Diamond Light Source, cientista e co-autor, disse: “O feixe microcolimado da linha de luz Diamond B23 tornou possível o CD de alto rendimento, permitindo a triagem de muitos compostos através da correlação de atividade estrutural crucial na descoberta de drogas”.

Os pesquisadores dizem que os inaladores atuais de asma resultam em apenas uma pequena quantidade de Salbutamol atingindo o cérebro e, portanto, se novas pesquisas forem bem-sucedidas, um novo método de administração também precisará ser desenvolvido.

Eles acrescentam que pesquisas futuras também podem se concentrar em outros medicamentos para a asma que são quimicamente semelhantes ao Salbutamol, mas que circulam na corrente sanguínea por muito mais tempo.

 

_________________________________

O estudo com seus resultados foram publicados na revista neurológica ACS Chemical Neuroscience.

* “Circular dichroism spectroscopy identifies the β-adrenoceptor agonist salbutamol as a direct inhibitor of tau filament formation in vitro”. – 2020

Autores do estudo: David J Townsend, Barbora Mala, Eleri Hughes, Rohanah Hussain, Giuliano Siligardi, Nigel J Fullwood, David A. Middleton – 10.1021/acschemneuro.0c00154

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.